Resenha || Vandal - Ashes & Embers #2 - Carian Cole

Editora: Createspace Independent Publishing
Página: 312
Ano: 2015*Acervo Pessoal*

Ela tira meu fôlego. Ela está tão lindamente danificada. Sim, a quebrei, forcei sua vida, destruí sua felicidade. Levei ela até o desespero final. Eu era o responsável por toda a dor e sofrimento que agora levava sobre seus joelhos diante mim. Quebrada. Desesperançada. Imprudente em sua agonia.Ela é um espelho de minha própria alma torturada. Mas o que tomei não posso devolver. De uma maneira que ela não pode nem sequer começar a imaginar, ela é tudo de bom entre todos meus maus. Ela me ama e ela precisa de mim. Ela não tem ideia de que sou o único que arruinou sua vida. Amar-me não será fácil, amando-me vai ser uma guerra. Você vai segurar a arma e eu vou entregar-lhe as balas. Então, respire, e abrace a beleza do massacre que temos pela frente. R. M. Drake.


A história de Vandal é talvez, a mais polêmica da série (pelo menos dos quatro primeiros livros). Vandal é um homem atormentado, que entrou e saiu de reabilitações e sua vida gira em torno da banda Ashes & Embers e inúmeras mulheres aleatórias em sua cama. Apesar de amar seus primos, ele é meio antissocial e não é tão receptivo quanto os demais membros da família. O único raio de sol de sua vida é Katie, sua filhinha de cinco anos de idade. Ele levou dois anos nos tribunais para conseguir a guarda compartilhada com Deb, a mãe da garotinha. Deb é uma mulher exasperante, que consegue causar confusão com as mínimas coisas.

Um dia, Vandal está com a filha dormindo e a Deb liga, exigindo que ele saia no meio da noite para levar a filha para a casa dela, pois ele está algumas horas atrasado para levá-la. Vandal tenta argumentar que a garotinha está dormindo exausta e que seria perigoso dirigir tão tarde. Mas Deb não quer saber e o ameaça, falando que irá entrar em contato com os advogados para revogar a guarda compartilhada. Com medo de perder a guarda de seu raio de sol, Vandal não faz ideia de que sua vida vai mudar de forma irrevogável... Vandal sofre um acidente e Katie não sobrevive. O outro carro que estava envolvido no acidente também teve apenas uma sobrevivente.

Vandal, que já era alguém bem destrutivo, torna-se ainda pior. Ele isola-se em casa, revivendo as lembranças com sua garotinha e não quer saber de falar com ninguém. As visitas ao túmulo da garotinha tornam-se mais constantes e é no cemitério que ele escuta a dor de outra pessoa.

Ele fica fascinado com a capacidade de alguém morto ser tão querido e vai investigar quem é a pessoa que está chorando. É Tabitha, a outra sobrevivente do acidente. O mundo de Tabitha também ruiu, pois perdeu seu marido e sua vida ruiu.

As pessoas ao redor de Vandal e Tabitha não compreendem o quanto eles estão sofrendo e para Vandal, ter alguém que o entende nesse momento é essencial. Então ele se aproxima de Tabitha, sem revelar sua identidade. E oferece a ela um mês de isolamento e libertação sexual como forma de aliviar a dor emocional.

Vandal é um Dom e tem as habilidades para controlar as emoções dele e de Tabitha através do sexo. Porém, o sexo torna-se algo mais conforme ele vai conhecendo a jovem viúva e fica fascinado por ela, até mesmo desenvolvendo sentimentos por ela.

Particularmente, eu não me apaixonei pela história de Vandal e Tabitha. Não pelo fato de ser uma história de Dom/ Sub, mas sim por passar a ideia de lidar com o luto através do sexo com um desconhecido. Além disso, nas outras histórias que tive a oportunidade de ler sobre a temática, os autores sempre enfatizam que a extrema confiança do parceiro é o alicerce nesse tipo de relação e que, quando um dos parceiros quebra a confiança, pode-se ter até mesmo consequências psicológicas. Visto por esse lado, achei que o fato de toda a situação ser baseada em uma omissão e que os protagonistas já estão emocionalmente fragilizados, a forma como se desenvolveu a história não me convenceu.

11 comentários:

  1. Oi, Carol!!
    Não conhecia essa série e para falar a verdade essa e a primeira vez que vejo menção sobre ela. A estória em si é bem interessante por que ambos os protagonistas perderam pessoas que amaram e estão sofrendo. Vou procurar saber mais sobre essa série.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. Olá primeiramente estou achando as capas desta série muito legais,gostei,agora que pena que a história não ti convenceu,no decorrer da resenha estava achando bem interessante,uma pena mesmo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Vishi, pelo jeito desse livro já não me chama muita atenção. Esse negócio do sexo e como ele é retratado na trama já me deixa meio desanimada pra ler. Tem muita dor e sofrimento e questões difíceis ali nos personagens, mas não sei não, algo aí não me animou. E se fica uma coisa que não convence no fim das contas....ahh, não sei se leria não. E se lesse é bem capaz de não gostar.

    ResponderExcluir
  4. Olá !
    Já essa série inteira e esse livro foi o que mais me decepcionou 😡 Nos outros livros sempre gostei de Vandal mas esse livro não fez jus a série !!

    A escrita da autora é bem gostosa e rápida !
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Carolina!
    Entendo seu ponto de vista que a autora não foi bem feliz em tratar o luto, para superá-lo através do sexo, realmente não foi a melhor abordagem.
    O enredo do romance é bem sugestivo, além de unir duas pessoas quebradas pela dor da perda, a coincidência de ter sido no mesmo acidente e ainda tem o tal BDSM.
    Quero ler sim.
    Bom domingo!
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nao gaz muito meu estilo de livro, a capa tbm não me agradou em nada. Nao compraria pra ler .😔

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Que pena que você não gostou tanto desse livro, também não gostei em nada da premissa.
    Mas fazer o que, a vida é assim hahah
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Desde a sua resenha do primeiro livro dessa série, eu fiquei doida pra ler ela. É uma pena que você não gostou tanto desse livro. Não gosto muito de livros com tanta tragédia assim, e acho que também não iria gostar da forma que os protagonista lidaram com o luto deles. Mas mesmo assim, ainda quero ler essa série!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Essa série parece ter começado tão bem, que é até triste saber que o segundo livro piora tanto assim. Não gosto muito de livros que em que os protagonistas usam sexo pra lidarem com alguma situação, e também não gosto muito de livros com bdsm. O primeiro livro dessa série eu acho que iria gostar bastante, mas esse segundo eu já acho que não iria gostar =/
    Bjss ^^

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Da mesma forma que você não ficou alegre pela trama, eu também não. A premissa e boa mas a forma de alivia a dor atraves do sexo, acho isso errado, ainda mas com estranho. Poderia ser um livro diferente, uma historia diferente mas acho que deveria passa uma outra ideia diferente.

    ResponderExcluir
  11. Oi, pela sinopse já dá pra imaginar do que se trata. Me lembrou de outro livro O ar que ele respira, que eu não gostei porealmente que eles se usavam pra diminuir a dor, e eles pensavam nos companheiros que já tinham morrido, achei nojento em alguns momentos. Não sei se isso acontece no livro, mas eu não gosto mesmo. Provavelmente ela perdoa ele então talvez não seja de todo ruim.

    ResponderExcluir