Resenha - Garota em Pedaços - Kathleen Glasgow

11.5.17

Editora: Planeta
Páginas: 384
Ano: 2017
Onde Comprar: Amazon 
*Recebido em parceria com a Editora
Além de enfrentar anos de bullying na escola, Charlotte Davis perde o pai e a melhor amiga, precisando então lidar com essa dor e com as consequências do Transtorno do Controle do Impulso - um distúrbio que leva as pessoas a se automutilarem. "Viver não é fácil". Quando o plano de saúde de sua mãe suspende seu tratamento numa clínica psiquiátrica - para onde foi após se cortar até quase ficar sem vida -, Charlotte Davis troca a gelada Minneapolis pela ensolarada Tucson, no Arizona (EUA), na tentativa de superar seus medos e decepções. Apesar do esforço em acertar, nessa nova fase da vida ela acaba se envolvendo com uma série de tipos não muito inspiradores.
Cansada de se alimentar do sofrimento, a jovem se imbui de uma enorme força de vontade e decide viver e não mais sobreviver. Para fugir do círculo vicioso da dor, Charlotte usa seu talento para o desenho e foca em algo produtivo, embarcando de cabeça no mundo das artes. Esse é o caminho que ela traça em busca da cura para as feridas deixadas por suas perdas e os cortes profundos e reais que imprimiu em seu corpo.
"Garota em pedaços" é uma trama de tirar o fôlego, que trata de um tema delicado: o Transtorno do Controle do Impulso. Charlotte Davis é uma jovem de 17 anos que passou por mais tormentos que muitos adultos não conseguem nem imaginar. Após a morte de seu pai, Charlotte tornou-se alvo de abuso na própria casa. Na escola não foi diferente e Charlotte aprendeu da forma mais árdua a se tornar invisível, pois pessoas invisíveis não são feridas. A sua vida solitária tem uma guinada quando uma nova aluna surge na escola e acaba se encantando com Charlotte: a Ellis. A partir daí não existia Charlotte sem Ellis. As duas andavam grudadas, até que um dia....
"Minha mãe está viva, mas também é um fantasma, os olhos afundados me observando de longe, o corpo muito parado. Tem tantas pessoas que nunca vão voltar." (p. 50)
Começamos o livro em um hospital psiquiátrico onde Charlotte está. Lá ela irá conhecer outras garotas que extravasam suas dores em seus próprios corpos. É um início doloroso, ler seus depoimentos e as situações em que se encontram, mas é necessário para dar o tom para essa obra tão espetacular.

Após um tempo, Charlotte tem alta e precisa aprender a caminhar com os próprios pés. Mas, estar sozinha no mundo é algo assustador. Não ter um confidente, alguém familiar ao seu lado, torna o seu recomeço mais árduo do que o necessário. 

Mas o que Charlotte não sabe é que ela é tão forte e brilhante que a sua luz atraí aqueles que estão presos na escuridão. Ao trabalhar em um café, ela irá conhecer Riley West, um cantor que foi famoso, mas que tem o seu próprio caminho para trilhar.

O livro é visceral. A forma como Charlotte descreve sua dor e compartilha a sua necessidade de se automutilar, ao mesmo tempo que demonstra o quanto se sente solitária e não amada é de cortar o coração. 
"O corte é uma cerca que você constrói no próprio corpo para manter as pessoas do lado de fora, mas depois você chora para ser tocada. Mas a cerca é de arame farpado. E agora?" (p. 345)
Não há palavras para descrever a magnitude dessa obra escrita por Kathleen Glasgow. A autora teve uma delicadeza ímpar para lidar com um tema que atinge milhares de pessoas. 
"Cada aberração na minha pele é uma música. Encoste a boca em mim. Você vai ouvir uma infinita cantoria." (p. 346)

15 comentários

  1. Olá!!!
    Já havia lido uma resenha do livro mas achei a história um pouco pesada não sei se é muito para mim, mas aborda um tema bem importante e também o que muitos jovens enfrentam hoje é não sabe como fazer, quem sabe mais na frente eu dê uma chance e acabe gostando.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  2. Esse é um tema realmente difícil e o seu debate super necessário, Transtorno do Controle do Impulso, não sabia que era esse o nome do transtorno que levava as pessoas a automutilação e pelo que vi da resenha esse é um livro forte, intenso e triste. Gostei da resenha e anotei a dica ;)

    ResponderExcluir
  3. Nossa que resenha,estava doida pra ler este livro agora estou desesperada com certeza vou me emocionar muito com esta história.bjs

    ResponderExcluir
  4. O livro tem um tema forte e parece tratar dos sentimentos da personagem muito bem, nos dando uma ideia de porque ela faz essas coisas consigo mesma e de como o transtorno age na pessoa. Além de mostrar um pouco da realidade de outros pacientes e suas histórias. Estou vendo bastante elogios para esse livro e fiquei curiosa. Se ele for tão forte assim, de partir o coração e fazer a gente ficar tão conectado com a personagem deve ser muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Nossa parece ser um livro bem pesado e angustiante, esse tema é bastante complicado de lidar, que bom que a autora o abordou de uma maneira bacana, e mesmo ficando curiosa para saber a conclusão da história da Charlotte, hoje não o leria, pois o enredo me pareceu ser muito triste.

    ResponderExcluir
  6. Ganhei esse livro essa semana e estava com um certo receito em ler, confesso.
    Mas depois de ler sua resenha, fiquei super curiosa pra conhecer a história da Charlotte.
    Esse negócio de começar a viver, não apenas sobreviver, me chamou demais a atenção.
    Parece ser uma história e tanto. De superação, emoção e tudo mais....
    Vou ler em breve, com certeza <3
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  7. Desde que li a sinopse desse livro, me interessei pela leitura do livro, pelo fato de que aborda um tema de que tenho muito interesse em conhecer mais sobre o assunto, pelo fato de estar estudando psicologia, e acredito que irei encontrar muitos casos como esse no decorrer da profissão. Apesar de ser contra internação psiquiátrica, e achar que essa não e melhor forma de tratamento ainda sim quero ler esse relato, e como a personagem vai enfrentar sozinha toda essa situação.

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Já tinha visto esse livro, mas ainda não tinha parado para ver direito sobre o que trata a historia, achei bem interessante o livro, principalmente por esse começo que não parece ser uma leitura mais densa e pesada, porém o enrendo da historia me chamou atenção, e a escrita da autora parece ser bem profunda, o que acaba nos fazendo refletir, se tiver oportunidade quero ler essa historia !!

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Não conhecia esse livro. Se eu não houvesse lido sua resenha, só pelo assunto abordado nele (que é de suma importância), eu leria. Quero conhecer mais sobre a trajetória dela após todos esses acontecimentos.
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  10. olá,
    Já tinha lido uma resenha sobre esse livro e desde o seu lançamentos eu sempre quis ler ele, sempre achei o titulo interessante e do que tinha lido assim por cima da historia, e quando li a resenha fiquei tão chocada porque são temas muitos delicado para pode fala em um livro ou conta uma historia que um personagem sofre por isso, e bem assustador e ao mesmo tempo você relfetir..Quero mesmo ler esse livro!

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Nossa! O livro parece angustiante e visceral mesmo como falou.
    Ler o depoimento de pessoas que se mutilam, como uma forma de punição a si mesmo, é totalmente impactante.
    Gostaria de ler.
    FELIZ DIA DAS MÃES!
    “Sê humilde para evitar o orgulho, mas voa alto para alcançar a sabedoria.” (Santo Agostinho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  12. Olá ;)
    Adoro livros desse gênero, e esse já tá na minha lista de leitura desde que lançou no Brasil!
    E sua resenha me motivou mais ainda a ler! Não conhecia esse transtorno...
    É realmente difícil pensar em quantos jovens passam por essa doença e estão sozinhos.
    Mas pelo menos com livros como esse, e com séries como Os 13 Porquês, está sendo chamada a atenção das pessoas para esses problemas que são tão sérios!
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Esse livro meche mesmo com a gente, não? É dificinho de ler ele, por causa da carga emocional que acompanha, mas é uma puta lição de vida também. e eu adoro esse tipo de literatura! Que nos tira do nosso mundinho de meu umbigo!
    Beijinhos,
    Bia

    ResponderExcluir
  14. Tenho muita vontade de fazer essa leitura, apesar de não gostar de temas muito fortes, que me deixem mal. Ouvi e li muitos elogios, assim como o seu, a delicadeza como a autora abordou o tema no livro.

    ResponderExcluir
  15. Nossa fiquei bem instigado a fazer a leitura dessa história!! A resenha e os quotes do livro são sensacionais!!
    Bjos

    ResponderExcluir

© MIX LITERÁRIO- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por