Resenha || Um amor para Lady Johanna - Uma jovem viúva, um guerreiro sedutor e uma paixão avassaladora - Julie Garwood

2.1.17

Editora: Universo dos Livros
Páginas: 400
*Recebido em parceira com a Editora
Uma jovem viúva. Um guerreiro escocês fascinante. Duas vidas transformadas pelo amor e por uma paixão avassaladora. Quando Lady Johanna soube que estava viúva, ela prometeu que jamais se casaria novamente. Com apenas dezesseis anos, ela já possuía uma força de vontade que impressionava a todos que enxergavam além de sua beleza avassaladora. Contudo, quando o Rei John ordenou que ela se casasse outra vez – e selecionou um noivo para ela – pareceu que a moça deveria se conformar com esse destino. Seu irmão, no entanto, sugere ao Rei um novo pretendente:o belo guerreiro escocês Gabriel MacBain. No início, Johanna estava tímida, mas, conforme Gabriel revelou com ternura os prazeres magníficos a serem compartilhados, ela começou a suspeitar que estava se apaixonando por seu novo e rude marido. Logo ficou claro para todo o clã das Terras Altas, portanto, que o ríspido e galante lorde rendera completamente seu coração. Porém, a iminência de uma intriga da realeza ameaça separar o casal e destruir o homem que ensinou a Johanna o significado do verdadeiro amor, que a transportou além de seus sonhos mais selvagens.
Aos dezesseis anos de idade Lady Johanna teve que se casar com o Barão Raulf. Para quem olhasse de fora era o casamento perfeito, porém o que ninguém cogitava é que a jovem sofria abusos diários e que o Barão Raulf também punia os empregados que criavam afinidade com a sua nova esposa. Sofrendo em silêncio, seu alívio veio com a notícia de que o Barão Raulf faleceu. Porém, esse alívio dura pouco...
Acontece que o Barão Raulf era próximo do Rei John e fazia alguns serviços especiais em nome da Coroa. E Lady Johanna tem provas de um desses serviços.
"-Minha irmã teve acesso a alguma maldita informação secreta, e John não quer que seus pecados do passado retornem para assombrá-lo. Ah, ela jamais conseguiria testemunhar na corte contra nenhum homem, nem mesmo contra seu rei, pois é mulher e, portanto, não seria ouvida por nenhuma autoridade. Ainda assim, há barões dispostos a se rebelar contra o rei, e Johanna poderia inflamar seu fervor se lhes contasse o que sabe. É um quebra-cabeça, MacBain, mas quanto mais eu reflito sobre isso, mais me convenço de que meu rei, na verdade, tem medo do que Johanna sabe". (p. 24)
Nas terras altas MacBain está aprendendo a liderar dois clãs: o MacBain e o MacLaurin. Como líder, ele precisa pensar no que é melhor para o seu povo, mesmo que isso signifique pequenas concessões, como alternar as cores de seus vestuários com a cor dos clãs ou alternar o homem que será seu braço direito nas funções do dia. É uma situação complicada pois os dois clãs não vivem em harmonia, estão sempre desconfiando um dos outros e arranjam confusão pelas menores coisas.
O desgosto pelos ingleses é palpável no clã, mas um acordo que beneficie o clã não deve ser recusado sem antes ser analisado. MacBain recebe uma proposta do irmão de Lady Johanna, o Nicholas: se MacBain se casar com a sua irmã, ele receberá terras que estão sendo desejadas há muito tempo. Aceitar uma inglesa em seu clã e em sua cama não é algo que MacBain realmente gostaria, mas sua opinião muda um pouco ao colocar os olhos na beleza de Lady Johanna.
"Ela agia como se soubesse exatamente o que ia acontecer, e ele não precisava perguntar de onde tirara suas opiniões, pois estava claro que fora terrivelmente maltratada por seu primeiro marido. Ela era tão absurdamente inocente e vulnerável que MacBain lamentou que Raulf estivesse morto, pois adoraria matá-lo". (p. 69)
Lady Johanna também não está muito feliz com o casório, mas sabe que é sua oportunidade de fugir das garras do Rei John. Porém, é assustador para ela encontrar um estranho, mudar-se para outro país sozinha, aceitar o filho bastardo de MacBain e a besta que ele chama de cão. Como se isso não bastasse, ela caí de paraquedas na discussão dos clãs MacBain e MacLaurin, tendo que seguir regras estapafúrdias e sendo abertamente rejeitada pelos escoceses, principalmente pelas mulheres, que são abertamente maldosas.
É nesse clima que o casamento de MacBain e Lady Johanna vai se desenvolvendo e os dois vão descobrindo que por trás das primeiras impressões, existe um homem protetor e carinhoso e uma mulher forte e destemida.
"Ele não podia mudar o passado dela, no entanto. Tudo o que poderia fazer era concentrar-se no presente e no futuro compartilhados de ambos". (p. 69)

3 comentários

  1. Esse foi um livro que me deixou encantada, é o primeiro livro que leio da autora e apesar de ter que me adaptar a escrita dela, aproveitei muito a leitura e espero que a editora lance outros livros dela por aqui. A capa tá linda e os personagens são super cativantes, terminei o livro com gostinho de quero mais ;)

    ResponderExcluir
  2. Gosto demais de livros ambientados na Escócia do século XIII com seus guerreiros heroicos, rudes e fortes.
    E Gostei de saber que a protagonista acaba encontrando seu verdadeiro amor após a viuvez.
    Muito interessada na leitura.
    “Qualquer situação na qual você se encontre é um reflexo exterior do seu estado interior de existência.” (El Morya)
    FELIZ 2017!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei da proposta da capa,mas ficou um pouco artificial esse cabelo,parecendo mto ser peruca kk(não estou julgando e nem falando mal,apenas foi a primeira impressão que tive rs).
    Mas eu gostei do tipo de enredo que vc cita na resenha,um casamento arranjado,e aos poucos os protagonistas vão se apaixonando um pelo o outro.

    Eu adorei o 2 quote,parece que o mocinho é protetor com ela ownn 😍 Vai para a lista,ainda não conheço a autora,mas bora conhecer😊
    Bjss

    ResponderExcluir

© MIX LITERÁRIO- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por