Resenha || Magônia - Magônia #1 - Maria Dahvana Headley

Editora: Galera Record
Páginas: 308
*Recebido em parceria com a Editora
Uma fantasia original com ótimos personagens, complexidade emocional e um universo fantástico. Aza Ray nasceu com uma estranha doença incurável que faz com que o ato de respirar se torne mais difícil. Aos médicos só resta prescrever medicamentos fortes na esperança de mantê-la viva. Quando Aza vê um misterioso navio no céu, sua família acredita que são alucinações provocadas pelos efeitos do medicamento. Mas ela sabe que não está vendo coisas, escutou alguém chamar seu nome lá de cima, nas nuvens, onde existe uma terra mágica de navios voadores e onde Aza não é mais a frágil garota enferma. Em ''Magônia'', ela não só pode respirar como cantar. Suas canções têm poderes transformadores e, através delas, Aza pode mudar o mundo abaixo das nuvens. Em uma brilhante e sensível estreia no gênero young adult, Maria Dahvana Headley constrói uma fantasia rica em nuances e cheia de simbolismo.


Quando soube do lançamento de Magônia fiquei bastante curiosa e posso dizer o quanto à história é única e fantástica com elementos mágicos e contagiantes que vai desde a protagonista aos personagens secundários! A história é cativante e foi lida em uma única tacada! 

"Minha história é feita de hospitais. 
É isso que conto às pessoas quando estou com vontade de ser uma combinação de engraçada com estressante, o que acontece em boa parte do tempo."

Aza Ray é uma menina que desde sempre teve que conviver com uma doença estranha e até inusitada. Desacreditada desde muito pequena ela cresceu e se tornou uma jovem com sérios problemas respiratórios, onde seus pulmões por algum motivo ainda desconhecido pelos médicos, falha podendo levar Aza a morte em um piscar de olhos; uma sensação de sufocamento ou de se afogar digamos assim. A menina sempre viveu entrando e saindo de hospitais, fazendo inúmeros exames e tomando medicações que nem mesmo possuem um objetivo já que sua doença rara jamais foi oficialmente diagnosticada e entendida por qualquer um na medicina, chegando a aparecer em artigos como "a doença de Aza", algo que ela detesta; ter um nome de doença e prefere chamar de Clide ou outra coisa qualquer. Aza já se tornou uma jovem e claro, tendo tido problemas desde seu primeiro ano de vida a expectativa era que ela jamais iria tão longe; mas algo a  manteve viva.. Seja sua força de vontade, algo superior, a união de sua família sempre fazendo o possível para que ela tivesse a melhor vida possível.  Aza inclusive possui um melhor amigo chamado Jason e eles vivem como se fosse uma relação normal, ou seja, como e não existisse qualquer doença, ou aquela coisa de pena que as pessoas acabam demonstrando em situações como essa.

"Nunca experimentei fazer ioga para curar minha coisa porque ioga não vai curar minha coisa. Minha coisa é um Mistério e não apenas um Mistério qualquer. É tipo um Triângulo das Bermudas; mas sem o sol. 
Desconhecido. Sem solução. 
Tomo punhados de remédios todas as manhãs, apesar de ninguém ter certeza absoluta do que há realmente de errado comigo. Sou rara assim. Rara no sentido de exames de sangue e testes, e coisas descendo pela garganta. Rara no sentido de ressonâncias magnéticas e raios X e ultrassons e amostras e nunca um único diagnóstico claro."

No começo Aza nos conta os problemas que enfrenta e como praticamente espera pela morte que a espreita a qualquer instante, sendo, digamos um personagem até meio irônica, descrente de  milagres ou futuro, vivendo o que tem de viver. Porém  próximo de completar dezesseis anos ela começa a ter uma espécie de alucinação, digamos assim, vozes que a chamam insistentemente em um bate papo com seu melhor amigo ela ouve a palavra Magônia e algo dentro dela diz que ela está relacionada com isso, que não se trata de um conto ou "invencionismo". As coisas mudam de figura quando ela chega a Magônia um lugar mágico acima das nuvens, no céu, onde tem um barco e onde ela finalmente consegue respirar normalmente e a partir dali ela descobre muito mais a seu respeito e principalmente conhece criaturas mágicas que podem realizar o inimaginável!

"Talvez pareça que estou exagerando. Não. Minha doença é tão rara que foi chamada de Síndrome de Azaray. 
Por minha causa, Aza Ray Boyle.
Maldade. Não quero uma doença com o mesmo nome que eu, um tipo de estranha imortalidade em forma de caso  médico.."


Magônia é dessas histórias únicas pela sua linguagem, única por um mundo completamente novo e rico com personagens fantásticos e ao mesmo tempo em que falhos, são cativantes e muito agradáveis! Em Magônia podemos sonhar junto a Aza e os demais personagens. Conhecemos as raízes da protagonista; os mistérios por detrás de sua existência, do seu povo, sua origem e família e tomamos conhecimento do grande papel de Aza na história e principalmente para Magônia que está perecendo devido a problemas graves. A existência de Aza é muito importante e ela precisa aprender a dominar seus Dons e descobrir uma forma de ajudar tanto Magônia e seus habitantes quanto a terra!

Um fato muito bacana é que apesar de a história se tratar de uma ficção fantástica, faz menção a acontecimentos reais que ligam Magônia com a Terra e mistura ficção e realidade tornando as coisas mais interessantes e críveis! 

A história trata-se de uma trilogia, então aguardem mais e confesso que estou ansiosa!
 


2 comentários:

  1. Karini!
    Como adoro literatura fantástica, já me interessei muito pelo livro e saber que a realidade faz parte do enredo, o torna ainda mais atraente. Temos uma realidade na Terra e um mundo fantasioso em Magônia.
    “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bom?
    Fico feliz que tenha gostado do livro, estou super interessada em ler ele, parece ser muito envolvente, e eu gostei muito dessa ideia de Magônia ser acima das nuvens, espero ter a oportunidade de ler logo.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir