Resenha || Jogos Mentais - Teri Terry

Editora: Farol Literário
Páginas: 480
*Recebido em parceria com a Editora

Em um mundo futuro, viver entre o universo real e o virtual é cotidiano. Todos os dias, as pessoas se plugam a uma realidade virtual, criada por uma poderosa empresa do governo, onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Tudo sempre rigorosamente controlado.
Luna, diferentemente de seus amigos e de sua família, não consegue se conectar por inteiro a essa dimensão, por isso permanece ao mesmo tempo nos dois mundos. Ser diferente nesse sentido, no entanto, acaba levando-a a fazer descobertas surpreendentes e assustadoras sobre essas realidades, que mudarão por completo os rumos de sua vida.


O livro gira em torno de Luna, uma garota de 17 anos de idade que é uma Recusadora. Ser uma Recusadora significa que ela não se pluga no mundo virtual e todas as suas experiências se dão no mundo real. Nessa sociedade, o governo criou um mundo virtual tão interativo que a maior parte da população vive nele o máximo possível, esquecendo-se do mundo real. O ensino escolar é virtual, muitos namoros e relacionamentos também.

Luna não é uma Recusadora comum. Seu principal motivo para não se plugar é que ela passa fisicamente mal quando tenta. E isso nunca acontece. Com ninguém. A única pessoa que sabe o seu segredo é a sua avó, uma senhora que está perdendo a lucidez, mas que deixou claro à neta a importância de não contar isso para ninguém.
“Eu me sentia como um camelo de duas cabeças naquele primeiro ano do ensino médio, segregada no show de horrores, sendo apontada nos corredores. Mas aquilo era por minha culpa, e não deles? E então me lembro de outra coisa. Eu tinha evitado falar com Melrose sobre tudo isso. Porque não podia revelar o motivo. Talvez eu não tenha percebido o que estava fazendo. “
A protagonista vive com sua avó Nana, sua madrasta Sally, seu pai e seu irmão mais novo, Jason. Como seu pai está sempre plugado, ela interage mais com Sally, uma mulher preocupada apenas com o status social e o fato de que a família se encaixe nessa sociedade.

A PareCo é a empresa que criou esse mundo virtual fantástico e está recrutando jovens que estão terminando a escola para juntar-se a eles, através de alguns testes nada convencionais.
“Eles nos querem competindo em seus jogos para aprender e hackear cada vez melhor. Para então nos usarem na criação de mais jogos, que irão prender mais jogadores.Não quero mais brincar.”
O que torna a trama intrigante é o fato que existem inúmeros fatores por trás de toda a "bondade" da PareCo. A empresa é poderosa e fará o necessário para esconder a verdade sobre seu mundo virtual. E irá parar qualquer um que entrar em seu caminho.

O livro é o primeiro da nova série distópica da autora Teri Terry. Apesar de se passar em um futuro e em uma sociedade completamente diferente da nossa, ainda aborda alguns temas relevantes, como o fato de que a cada dia vivemos mais no mundo virtual, seja nas redes sociais ou chats do que aproveitando a vida propriamente dita.

“Você poderia morrer atravessando uma estrada; o virtual é mais seguro. E eles afirmam que o índice de crime das ruas nunca esteve tão baixo.”

Luna é uma personagem forte, que tem uma mente curiosa e argumentativa. Apesar de ter uma família disfuncional, é centrada e amável.

Os personagens que representam o governo e a PareCo tem um ar mais sombrio e misterioso. Muitas vezes suas frases tem mais de um sentido ou estão envoltas em enigmas.

Existe também um outro grupo, formado de pessoas que estão lutando contra a PareCo. Um grupo de rebeldes que também possui personagens ardilosos e com interesses próprios.

Sem dúvida "Jogos mentais" é um ótimo primeiro livro e deixa o leitor ansioso pela continuação.

4 comentários:

  1. Opa, alguém falou em distopia? É de longe o meu gênero favorito, então é claro que eu fiquei interessada.
    Essa PareCo me lembrou muito da C.R.U.E.L de Maze Runner, uma série que adoro. A premissa do livro não é muito diferente do que temos no mercado atualmente, mas ainda assim me interessou. Adoraria ler.

    ResponderExcluir
  2. Bem, desde o lançamento desse livro, quero lê-lo...
    Adoro distopia e me parece que aqui, não tem a mesma pegada 'mais do mesmo' tem um diferencial que intriga e conquista.
    “Das coisas que a sabedoria proporciona para tornar a vida inteiramente feliz, a maior de todas é uma amizade”.(Epicuro)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Adoro distopias e essa me interessou muito!!! Mais um que vai pra minha lista!!!Faz tempo que não leio uma distopia então vou me aventurar por essa!!!

    Bjsssssssss

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Faz um tempo que vi esse livro e logo fiquei interessada nessa historia, mas acabou que não li, e lendo a resenha voltei a ficar interessada, pois esse historia parece ter muito potencial para futuros livros, parece ter muitos segredos o que me deixa curiosa para acompanhar !!

    ResponderExcluir