Resenha || A Rebelde do Deserto - A Rebelde do Deserto #1 - Alwyn Hamilton

Jovem Adulto • 288 págs.
Editora: Seguinte
O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.
A trama é narrada em primeira pessoa pela protagonista, Amani Al'Hiza. Amani é uma jovem de dezesseis anos de idade que vive na Vila da Poeira sob a tutela de seus tios. Isso porque sua mãe foi enforcada após assassinar seu pai e com isso deixou a jovem nas mãos da sua tia Farrah, uma mulher que desconta suas frustrações na sobrinha e faz com que as filhas tornem a vida de Amani ainda mais complicada. Acontece que Amani escutou uma conversa dos tios onde eles discutiam seu futuro: um casamento arranjado. Não passou despercebido por Amani o interesse pessoal de seu tio Asid, em torná-la uma de suas esposas. 

As mulheres na Vila da Poeira são propriedades; elas não tem direitos e são tratadas como objetos por seus responsáveis/maridos. Amani não quer de forma alguma que essa seja a sua vida e fará de tudo para conseguir escapar. Ela quer ir até Izman, capital de Miraji. Sua mãe contava histórias incríveis sobre Miraji, um local onde ela poderia ser livre e ter a independência que tanto sonha. Então, disfarçada como homem, ela vai participar de um torneio de tiros, onde conhece um forasteiro chamado Cobra do Oriente. 

O Cobra do Oriente, ou Jin como será chamado na maior parte do livro, está fugindo do Exército do Sultão, por motivos que serão revelados apenas no final.

Politicamente, o povo é governado pelo Sultão, um homem que tem sede de poder e que está determinado a oprimir rapidamente a rebelião que está surgindo. Para conseguir vencer os rebeldes, o Sultão e o seu Exército possuem uma arma poderosíssima, capaz de dizimar cidades inteiras sem deixar nenhum vestígio. Essa arma é uma grande incógnita ao mesmo tempo que causa grande terror.
"Uma nova alvorada. Um novo deserto."
Por causa das circunstâncias, Amani acaba fugindo com Jin em uma aventura diferente de tudo o que vimos até o momento. O deserto de Miraji é repleto de criaturas míticas, como carniçais, buraqui e djinnis. Cada vez que uma nova criatura surge, a autora explica sua orgiem e principais características, aumentando ainda mais o ar mítico da obra. 

Amani começa a conhecer o mundo e percebe que agora está a mercê de perigos diferentes daqueles aos quais estava acostumada. Conforme ela e Jin se aproximam, a jovem descobre mais sobre si mesma e sobre as pessoas do deserto.

Os cenários são bem descritos e passam uma sensação mágica. O deserto, tão árido e enganador, consegue apresentar também o seu lado suave em alguns momentos, mas que rapidamente muda para algo selvagem e perigoso.

Os personagens são ricos e complexos. Cada um deles apresenta um segredo e uma característica própria, destacando-se de forma positiva durante a leitura. 

É possível acompanhar não apenas a história pessoal de Amani como também o início da rebelião. O enredo possui detalhes diferentes e atraentes, que se destacam durante a leitura.
Uma obra cativante, que possui elementos sobrenaturais mesclados com uma história de crescimento pessoal.

6 comentários:

  1. Fiquei interessada no livro, a história se passa no deserto e trás muitas criaturas míticas novas e interessantes pra mim, o que acho que vai tornar a leitura agradável. O que sinto falta nesses livros de fantasia é da narração dupla ou até tripla, tô ficando mal acostumada rsrs. A capa tá linda e espero ter a oportunidade de ler o livro em breve ;)

    ResponderExcluir
  2. Fiquei interessada no livro desde que li seu título e a sinopse, nunca li nada que se passasse no deserto, e essa obra parece explorar muito bem a cultura do local, amo livros de fantasia, estou entusiasmada para conhecer a narrativa e os personagens do enredo

    ResponderExcluir
  3. A rebelde do deserto parece ser um bom livro de ação e aventura.
    Amani parece ser uma personagem forte e corajosa e gostei da autora citar a origem e as características das criaturas assim que as surge. Assim não fica só na imaginação do leitor.
    Apesar da sua resenha ter citado os pontos fortes, não entendi o motivo de só 3 estrelas.

    ResponderExcluir
  4. Estou com ele aqui para ler. Mas ainda vou esperar pela continuação, acho que ele merece ser lido assim, um depois do outro. A história é cheia de aventura e como disse, crescimento pessoal. Acho bem interessante o cenário e o foi o que me chamou atenção para ler. Os personagens também parecem ter toda uma gama de emoções a se explorar, muita coisa que prende a atenção do leitor e faz querer saber mais sobre eles, sua história e onde vão chegar. Quero muito ler!

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha. Mas já vi que vou sofrer com esse final, esperando os próximos livros. Já tem alguma data para os próximos?

    ResponderExcluir
  6. Oiiee, tudo bom?
    O livro parece ser interessante e bem diferente também, pois retrata uma cultura diferente da que estamos acostumados, e achei super termos os cenários bem descritos, espero ter a oportunidade de ler.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir