Resenha II Fragmentados - Só porque a lei diz, não significa que é verdade - Neal Shusterman



Editora: Novo Conceito
Páginas: 368
Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria. Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe. O vencedor do Boston Globe-Horn Book Award, Neal Shusterman, desafia as ideias dos leitores sobre a vida: não apenas sobre onde ela começa e termina, mas sobre o que realmente significa estar vivo.



De vez em quando surge um livro com uma temática diferente e que atiça a curiosidade apenas pela sinopse e o nome. "Fragmentados" é um desses livros.
A história se passa em uma sociedade pós-guerra, onde existe uma lei conhecida como a "Lei da Vida". Pelo nome, acreditamos que é algo bom, capaz de preocupar-se com a população, mas na verdade é uma distorção de tudo o que conhecemos.

Quando os jovens alcançam a faixa etária entre 13 e 18 anos, os pais podem tomar uma decisão importante em seu nome: se eles serão ou não fragmentados. Ser fragmentado significa ter um órgão, ou tecido retirado para ser transplantado em outra pessoa, sem o consentimento do jovem. Isso mesmo! Já imaginou alguém operar você contra a sua vontade? 

O que deveria ser algo grandioso, com o propósito de preservar a vida, se torna um jogo de interesse do Estado e até mesmo interesses individuais. 
Tendo em vista esse cenário, o livro gira em torno de três jovens que tem suas origens completamente diferentes, porém o mesmo destino final: ser fragmentado.
Risa é uma órfã que tem seu destino decidido pelo governo. Por não ser "excepcional" segundo os parâmetros dessa sociedade, por que não doar seus órgãos para pessoas que possam realizar proezas?


".. - Não é a morte, e tenho certeza de que todos aqui ficariam mais à vontade se a senhorita não sugerisse algo tão absurdamente exagerado. O fato é que cem por cento da sua pessoa ainda estará vivo, só que em um estado dividido." (p. 23)


Lev é um dízimo. Isso mesmo. Seus pais tiveram inúmeros filhos e ele foi ofertado para a fragmentação. Um jovem que sempre foi obediente e servil, mas que com seu destino traçado, começa a questionar tudo.
Connor é o "rebelde" que descobre por acaso que seu pai autorizou a fragmentação. Três personalidades completamente diferentes que lutam pela sobrevivência.

A história criada com esses três protagonistas é ao mesmo tempo incrível e aterrorizante. O autor tem um texto bem interessante que aborda críticas a uma sociedade permissiva a atos monstruosos.


Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa combina perfeitamente com a história e desperta a curiosidade.

"Fragmentados" é uma história que debate o livre-arbítrio, a permissividade da sociedade e a falta de comoção dos indivíduos que compõem essa sociedade. É uma história de três jovens que irão lutar com todas as forças para traçar seus próprios destinos.


"Ótimo. Eles que pensem que ele está grato. Eles que pensem que estão ganhando sua confiança. E, uma vez envolvidos na próxima sensação de falsa segurança, ele vai se certificar de que recebam exatamente o que mereçam". (p. 42)


13 comentários:

  1. Eu só vi o hype desse livro mas ainda não havia lido nenhuma resenha sobre ele.
    Tive sorte da primeira ter sido boa. A premissa do livro é boa e interessante. Ultimamente, estou fugindo de distopias e, quando quero ler uma, é alguma diferente, como esse livro.
    Gostei muito da sua resenha.
    Beijos
    http://balaiodebabados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. sempre gostei de ler distopia e já to ansiosa pra ler essa, to de olho nesse livro desde que vi nos lançamentos do mês da novo conceito, adorei a resenha, to super curiosa pra ler, já que nunca li nada do autor e espero gostar.

    ResponderExcluir
  3. Oi Carolina, realmente esse livro parece ser super interessante. Ele me parece ter uma história super original e tal. Acredito que o autor soube desenvolver muito bem o enredo e nos presenteia com um super texto. Acho que essas críticas a uma sociedade permissiva a atos monstruosos como você bem apontou no texto deve ser muito bem explorado. Quero ler esse livro logooooo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Quando li a sinopse deste livro pela primeira vez fiquei bastante interessada em conhecer esta história que parece ser bem amedrontadora.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. "Só porque a lei diz, não significa que é verdade" isso vale ate pra gente aqui ne? hehe
    Entao, essa distopia está esgotada em tantos lugares, qdo eu acho está super caro e é um dos livros que mais quero ler esse ano!!!
    Fico em duvida se leio logo e morro de ansieda aguardando o segundo, ou aguardo lançar todos e morro de ansiedade tb, hahaha.
    Os 3 protagonistas eu achei mto bem construídos e com certeza Lev ser um dízimo chamou mtooo a atenção e acho que chocou mta gente.
    Livro mto esperado por mim, curiosa com tudo!

    ResponderExcluir
  6. Oi Carol!!! Eu ja estava interessada nesse livro, e agora estou ainda mais curiosa!!! Adoro distopias e essa parece ser muito boa!! Esse livro é unico ou faz parte de alguma série, pois se for série vou esperar mais um pouco pelo proximo!!!

    Bjssssssssss

    ResponderExcluir