Resenha || Marcados - Marcados #1 - Caragh M. O’Brien




Editora Gutenberg, Edição 01, 2014
No futuro, o mundo é árido e hostil, dividido entre os que moram dentro do conforto da muralha, o chamado Enclave, e os que duramente tentam sobreviver no miserável lado de fora, como a jovem Gaia Stone. Aos 16 anos, assim como sua mãe, segue o ofício de parteira, e cumpre sem questionar o dever de entregar uma cota dos recém-nascidos para o Enclave. Porém, sem que ela entenda o porquê, seus pais são presos pelas mesmas pessoas a quem eles sempre serviram e desaparecem. Os esforços de Gaia para resgatá-los a levam para dentro da muralha, e ela acaba descobrindo a existência de um código, cujo significado pode colocar muita coisa em risco, mas que também ameaça sua vida e a segurança de sua família. 


 


Mais uma distopia? Sim.. Mas com suas peculiaridades! 
Ao iniciar essa leitura eu achei que seria mais uma dentre tantas, mais a história conseguiu me surpreender e me conquistar!

A sociedade em questão é separada entre aqueles que vivem dentro das muralhas protegidos pelo Protetorado e aqueles que vivem fora delas, nas vilas e na pobreza; sendo privados de educação e tecnologia, vivendo com muito pouco.
Todo mês as três primeiras crianças a nascerem são entregues ao Enclave (sociedade por detrás das muralhas) com a ideia de que serão mais bem tratadas, educadas, encaminhadas e que nada lhes faltará. As famílias que perdem seus pequenos recebem uma pequena "recompensa" por "servir" ao Enclave. Essa cota de três bebês por mês é lei, ou seja, a mãe concordando ou não, os bebês serão entregues. E é aí que nossa protagonista Gaia Stone tem um grande papel, assim como sua mãe, ela é a parteira de seu setor e responsável por entregar os bebês. Cada parteira tem sua conta de três bebês por mês. 
Para Gaia, a vida no Enclave é perfeita e um sonho que lhe foi roubado, já que infelizmente sofreu um acidente enquanto criança, que a tornou dispensável para o Enclave, já que teve seu rosto queimado. Isso é algo que lhe incomoda muito, pois teve que crescer vendo o preconceito dos que vivem ao seu redor, alguns olham com pena, outros com nojo, curiosidade.. Mas sempre Gaia acaba sendo como o ser bizarro a chamar atenção entre a normalidade de pessoas comuns. Apesar do transtorno que sua aparência causa, Gaia teve uma infância boa, amada e acarinhada por seus pais.
Tudo segue normal, até que a mãe de Gaia desaparece e seu pai também.. Logo Gaia descobre que seus pais foram levados para o Enclave para interrogatório, porém as coisas não ficam claras de início, e a velha Meg, amiga de sua mãe aparece para alertá-la a fugir e dar-lhe algo que sua mãe pediu.. A partir daí tudo muda! 
As convicções de Gaia mudam, pois tudo que ela idealizava e acreditava sobre o Enclave e Protetorado não é o que ela imaginava e uma luta desenfreada para libertar seus pais começa.. 

Será que Gaia conseguirá reaver a liberdade de seus pais? Será que ela mesma conseguirá se ver livre das leis e injustiças promovidas por aqueles que deveriam promover segurança e esperança?

Marcados é diferente em muitos aspectos dos livros do mesmo gênero que se encontram no mercado. Gaia mostra uma força e personalidade fora do comum diante toda a pressão e situações que começam a acontecer e isso realmente me impressionou em uma protagonista tão jovem; ela não é cheia de mimimi.. Além disso, um amor improvável surge entre ela e o captor de seus pais. Um amor puro, cheio de impedimentos e ao mesmo tempo tão marcante e forte! 

Eu simplesmente adorei esta leitura e espero ansiosamente pela continuação!
 

16 comentários:

  1. Oii Karini, tudo bom?
    Eu adoro distopias, mas essa realmente não me chamou a atenção.
    Eu confesso que fiquei meio confusa com a pequena sinopse, e embora algumas pequenas dúvidas tenham sidos sanadas com a sua resenha, ainda fiquei meio assim, sabe?
    Mas acho que vale a pena ler para saber se a Gaia vai conseguir a liberdade de seus pais.
    Procurarei o livro com certeza, quem saiba ele também não me conquiste?

    Beijinhos =*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nathalia.. tudo bom sim.
      Confesso que também tive dúvidas, olhei para esse livro algum tempo em minha estante, até que decidi que era sua vez e não me arrependo.
      No início achei as coisas meio bizarras, mas logo fui entendendo e gostando cada vez mais e agora espero ansiosa pela continuação.

      Excluir
  2. Este livro é diferente do que eu costumo ler, mas achei um enredo interessante!! Vou dar uma olhada mais a fundo para ver se me conquista!!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Karini.

    Curto muito ler distopias e a sua resenha me fez ficar super curiosa. Como assim eles dão seus bebês para a Enclave, ah meu Deus, eu não deixaria levar me bebê por nada.
    Adoro livros com personagens fortes e que não desistem, acho que me identifico com Gaia.
    Me fez colocar mais um livro na listinha dos desejados.

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Paulinha, na verdadd não há muita escolha.. é uma lei. Os três primeiros bebês precisam ser entregues pelas parceiras ao Enclave, independente dos pais concordarem ou não. Louco, eu sei..
      Achei que fosse só mais uma distopia.. mas tem uma pegada diferente das outras e estou apostando minhas fichas na continuação.. esperando algo ainda mais interessante!

      Obrigada pelo comentário.
      Beijos.

      Excluir
  5. Amo distopias, mas li numa resenha que não era pra se apegar a nada nesse livro e eu fiquei com medo hahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livro, histórias.. costumo dizer, é algo bem pessoal, não é verdade?

      Um exemplo, várias pessoas morrem de amor pelo Garota Replay da Tammy Luciano e eu simplesmente acho isso insano, pois achei chato, a personagem faz praticamente um monologo o livro todo.. Me senti lendo 1000 páginas qnd na verdade o livro é bem fininho.
      A história da Tammy tem seus pontos altos.. mas eu me decepcionei muito ao invés de ter me agradado conforme a blogosfera aclamava..

      Então, só o que posso dizer é que eu realmente curti Marcados. Mas com certeza tantos outros não irão curtir e outros irão.. tudo depende de gosto, momento certo e alguns outros fatores.

      beijos e obrigada pelo comentário.

      Excluir
  6. Primeira vez que vejo sobre essa distopia, gosto muito do gênero, e esse me deixou curioso, espero matar minha curiosidade em breve.. ;) hahaha

    ResponderExcluir
  7. Eu to louca por este livro, meu marido vai me dar ainda este mês rsrs o/o/
    To bem curiosa em como este universo criado pela autora funciona, so espero que a continuação não demore muito para sair.
    Mas acho a capa dela muito simples..a editora podia ter caprichado..
    ]beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neny, adoraria saber sua opinião depois que ler.. sendo positiva ou negativa. Se puder voltar e compartilhar . Bjs

      Excluir
  8. O livro parece ser mesmo diferente das outras distopias que tem por aí. Achei bem legal a questão da aparecia da Gaia, acho que isso é um fator bem interessante na personagem, que tem cara de ser bem forte.

    ResponderExcluir
  9. Oi Karini!!! Adoro distopias então provavelmente vou ler esta!!! Ainda não conhecia, mas agora fiquei muito curiosa pra ler este livro, ainda mais pelo fato da protagonista não ser "perfeita" como nos outros livros, o que torna as coisas mais interessantes!!!

    Bjsssssssssssss

    ResponderExcluir
  10. Uma distopia com uma história totalmente intrigante e com uma capa fascinante, Karini.
    Com certeza vou querer ler e conhecer esse livro e a continuação, claro

    ResponderExcluir
  11. Karini!
    O bom da distopia é isso mesmo, criar um mundo totalmente diferenciado e cheio de regras que favorecem apenas aos governantes, eles são os detentores das pessoas e da sociedade e quando algo não sai como eles ordenam, daí acabam 'desaparecendo' com os possíveis rebeldes.
    Bom ver uma distopia com protagonista forte e decidida, apesar da 'deformidade' no rosto.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  12. Posso dizer que eu estou sem palavras? Ao olhar a capa do livro sinceramente esperava por mais um daqueles romances chatos e picantes, mas fui pego de surpresa pela real história do livro, que sem nenhuma mentira me agradou, principalmente pelo fato da personagem principal não ser linda e desejada por todos, com certeza irei ler esse livro! Adorei sua resenha Karini!!

    Xo
    Re.View

    ResponderExcluir