Resenha || Proibido - Tabitha Suzuma





Editora: Valentina
Paginas: 304
Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.


 "Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver,
mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir."

Nem sei como iniciar essa resenha, pois estou em uma montanha russa de sentimentos avassaladores! Essa frase que retirei do livro (acima) descreve muito bem o que o leitor vai sentir no decorrer das páginas de Proibido. Não importo se fingimos que não percebemos ou não queremos saber sobre determinados assuntos, mas quando o coração se envolve é impossível deter o poder de raciocinar coerentemente; deixamos de pensar com a razão e passamos a pensar com o coração.. Literalmente!

Proibido narra a história de um tabu, talvez, um dos maiores que eu já tomei conhecimento, que é o relacionamento amoroso entre dois irmãos biológicos. Mesmo pai e mesma mãe. Eu sei gente.. É repulsivo, insuportavelmente nojento.. Até que li a história do início ao fim.. Aí a coisa muda de figura. Juro! Me peguei inicialmente horrorizada com a história, pois tenho dois filhos, um menino e uma menina, e pensei.. Se fosse aqui em casa? Meu Deus! Nem consigo pensar! .. Mas Lochan e Maya não são crianças comuns, que cresceram em lar normal, amoroso, com pais dedicados e carinhosos. Não! E é aí que a coisa começa a fazer certo sentido para quem está lendo a história e realmente me fez ficar em um misto confuso entre torcer por eles e ao mesmo tempo saber que nada de bom viria dessa relação, pois a sociedade não aceitaria, nem mesmo aqueles mais próximos achariam normal, ou conseguiriam ver a relação do casal com bons olhos!

"Como foi o seu dia, amorzinho?
Esboço um sorriso irônico.
- Foi ótimo, mãe. Como sempre
- Maravilha! Ela exclama, preferindo ignorar o sarcasmo na minha voz.
Se há uma coisa que minha mãe é mestra é cuidar da própria vida. 
- Em um aninho, aliás, menos, você vai ficar livre de toda essa baboseira da escola.
- Seu sorriso aumenta. - E em breve vai finalmente fazer dezoito anos, e se tornar
o homem da casa!
Encosto a cabeça no batente da porta. O homem da casa. Ela me chama assim
desde que eu tinha doze anos, quando meu pai foi embora."
pág.18 e 19

"Meus irmãos podem me deixar doido às vezes, mas são meu sangue.
São tudo que já conheci. Minha família sou eu. É a minha vida. Sem eles, 
eu caminho pelo planeta sozinho."
Lochan, pág.35

Lochan é o mais velho de cinco irmãos. E um jovem muito ressentido com a vida. Apesar de bonito e extremamente inteligente ele tem fobia social, não consegue interagir com ninguém.. ninguém mesmo além de sua própria família. Ele não participa de nenhuma atividade onde precise falar em público e nem mesmo consegue falar com seus professores sem gaguejar! Não possui amigos e é visto como esquisito estando sempre calado e isolado. Mas em casa Lochan é um grande irmão, ou seria um grande pai? Pois juntamente com sua irmã, Maya (16 anos), ele cuida de seus irmãos mais novos, Kit, Tiffin e Willa.. Está sempre revezando tarefas domésticas com Maya, lavando, passando, cozinhando, fazendo compras.. Se preocupando em cobrar a mãe dinheiro para manter a família. Ele é um jovem muito tenso, que a todo instante respira preocupações. O pai deles foi embora quando ele tinha apenas 12 anos e desde então, segundo sua própria mãe, ele passou a ser o homem da casa, assumindo responsabilidades demais e que estavam além de sua alçada, mas mesmo assim, fazendo o melhor com o pouco que possuem! Todo o rancor de sua mãe, recai sobre ele..

"Nunca antes imaginei minha vida sem ele; como essa casa,
ele é o meu único ponto de referência em meio a uma existência 
difícil, em meio a um mundo instável e assustador. A ideia de ele ir embora
me faz sentir um terror tão extremo que chego a ficar sem fôlego.
Eu me sinto como uma daquelas gaivotas cobertas de petróleo após 
um vazamento, me afogando em num mar negro de alcatrão e pavor."
pág.28

Maya é doce, gentil e um elo entre Lochan e Kit (pré adolescente), que já demonstra sinais de revolta diante o abandono e descaso por parte de seus pais! Maya cuida de todos como mãe e apesar de ter uma melhor amiga na escola (Francie) e não ter problemas de se relacionar com os outros, ela não faz coisas que meninas da sua idade costumam fazer, pois ela está sempre correndo da escola para casa, já que tem de cuidar dos seus irmãos. Apesar de ela demonstrar cansaço, tanto quanto Lochan, em momento algum ela pensa em não cuidar de seus irmãos ou os abandona.

"Quando mamãe sai, o que acontece cada vez com mais frequência, é Lochan
quem assume o controle, como sempre foi: Lochan, em cujas costas ela joga
todas as obrigações, quando precisa fazer hora extra ou está a fim de passar 
a noite fora com Dave ou as amigas."
pág.27

Willa é um amorzinho de menina com seus cinco anos, uma fofura! E Tiffin é um menininho muito agitado, com bastante disposição, um pouco mais velho que Willa. Ambos, por algum tempo, sempre que a mãe resolve aparecer em casa.. Ainda buscam a sua atenção, que demonstra sempre falta de interesse pelos filhos e pouco se lixa para suas necessidades! Ela é uma mulher quarentona que nunca desejou ter filhos e por conta de uma gravidez acidental (Lochan) teve de se casar e para agradar ao marido, segundo ela, teve os outros filhos. Ela é alcoólatra e seu único interesse é parecer jovem e desejável para Dave, seu namorado mais novo e dono do bar onde ela trabalha. Ela dá menos que o necessário em dinheiro para manter seus filhos e cada vez mais vai deixando de vir em casa e se esquivando da simples obrigação de levar os menores na escola 1 vez por semana ou mesmo passar um tempo com eles. Kit vive estressado, irritando seus irmãos menores e tirando Lochan do sério, testando seus limites, buscando briga, se envolvendo com maconha e andando em companhias erradas!

"- O que faz você pensar que eu estou tentando parecer descolado? 
Não sou eu que tenho que botar um avental porque a mãe está muito
ocupada abrindo as pernas pra..
Lochan se levanta em um segundo. Tento alcançá-lo mas não consigo. 
Ele se atira em cima de Kit e o segura pelo colarinho, 
imprensando-o contra a geladeira.
- Se você falar desse jeito outra vez na frente dos menores, eu vou..
- Vai o quê? - Kit está com a mão do irmão mais velho em volta do pescoço, e apesar do sorriso arrogante, reconheço uma centelha de medo em seus olhos."
 pág.25 

Apesar de extremamente difícil e da situação de abandono que passam, eles são uma família e se preocupam uns com os outros; tanto que Lochan e Maya se anulam completamente. 
Em dado momento Maya sai com um carinha da escola, muito interessante e atraente, mas percebe que não tem a menor vontade de estar com ele. Depois desse fato Lochan e ela discutem e por fim confessam o sentimento que sentem um pelo outro e as coisas se complicam e descomplicam a partir daí. Pois por um lado, assumir o que sentem os tornam mais contentes, mas "suaves" diante a rotina, mas também os faz questionar o certo e o errado; a pensar seriamente no que o ato de ficar juntos poderia acarretar não só para suas vidas, mas principalmente para a vida de seus irmãos. Pois eles sempre lutaram para manter a família unida; sempre mentiram para todos e esconderam a real situação de sua casa para que ninguém jamais pudesse mandar os menores para lares adotivos separando-os.. 

"Eu me recuso a permitir que um rótulo do mundo exterior
estrague o dia mais feliz da minha vida. O dia em que beijei
o homem que sempre abracei em meus sonhos, mas nunca
me permiti ver. O dia em que finalmente parei de mentir para
mim mesma, parei de fingir que era apenas um tipo de amor
que sentia por ele, quando na verdade eram todos os tipos
possíveis e imagináveis de amor. O dia em que finalmente
nos libertamos das nossas amarras e demos vazão aos 
sentimentos que havíamos negado por tanto tempo, apenas
porque por acaso somos irmão e irmã." 
Maya - pág.131

Bom o que EU achei do livro? Triste, deprimente.. Mas com um tema muito interessante que de início me fez ter repulsa, mas que depois me fez confusa, torcendo pelos protagonistas, torcendo por essa família tão marcada pelo abandono e descaso e falta de recursos. Mas com essa história pude perceber o verdadeiro amor, assim como também vi o que a mágoa faz a pessoa fazer, como na atitude de Kit, que vocês irão saber do que se trata quando lerem o livro. Mesmo diante tantos sentimentos bons e ruins, o amor é tudo! Ele pode não resolver tudo, mas certamente ele te conduz a escolhas que você talvez jamais faria se não fosse por ele. 
Para quem ainda está lendo esta resenha e pensando: " não quero ler esse livro porque é absurdo uma relação entre irmãos biológicos", repense com carinho, pois a história é incrível; muito bem escrita e ambientada. Toda a emoção vivida por cada personagem salta as páginas e nos atinge em cheio e nos faz realmente refletir.. No caso da criação que meus filhos possuem, seria repulsivo uma relação amorosa entre eles, mas no caso de Lochan e Maya é tão diferente! Eles sempre foram como iguais, como uma metade que completa a outra, nos problemas diários que enfrentam, na amizade única que pertence apenas a eles e mais ninguém! Na forma como um cuida do outro! É diferente! Eu juro que é! Quem se permitir ler PROIBIDO, jamais verá o mundo com os mesmos olhos!

Um livro intenso, perturbador e arrebatador!

O final do livro é tão devastador quanto toda a história! Eu só consigo dizer a vocês que terminei esse livro confusa, triste, pensativa.. Que mantive esperança a todo instante; que torci pelo impossível e que desejo que tudo fique bem, sei que são personagens e que não são reais, mas para mim, Lochan, Maya, Kit, Tiffin e Willa estão marcados na minha memória e no meu coração! 
Leiam e tirem suas próprias conclusões!

"No fim das contas, é o quanto você pode suportar, o
quanto pode resistir. Juntos, não fazemos mal a ninguém;
separados, nós definhamos."
 Pág.154

11 comentários:

  1. Olá!
    Gente, só de ler sua resenha já fiquei com o coração apertado.
    Realmente, toda essa situação tem tudo para causar repulsa, mas estou doida para ler esse livro e saber como a autora conseguiu lidar com um tema tão complexo e de uma aceitação quase nula. A escrita dela, assim como a história em si deve ser muito convincente, né?!
    Não consigo imaginar como essa história termina.. diferente de muitos livros, que muitas vezes já sabemos o final só de ler a sinopse e, o que importa é o desenrolar dos acontecimentos, neste caso, o leitor não faz ideia de como pode terminar. Pelo menos EU não posso. Só sei que de qualquer forma, seja lá qual for o desfecho, será muito difícil e desconcertante.

    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não sabia como terminaria, foi uma imensa surpresa o final e meu coração ficou apertadinho. Tenho certeza que você verá a relação de Lochan e Maya com outros olhos após conhecer sua história e seu amor!
      Vou retribuir sua visita .. indo ao seu blog em 3.. 2.. 1.. rsrs

      Excluir
  2. Vou ler em breve , estava receosa mas as resenhas me deixaram com vontade de ler. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danielle, obrigada pelo seu comentário.
      O livro é muito bom e vale a pena!
      Os sentimentos durante e pós leitura são impossíveis de descrever em apenas uma resenha!

      Excluir
  3. Oi Karini, eu desejei este livro assim que vi esta capa. Muito bom saber que ele é tudo isso e mais um pouco. Vou me preparar para muitas emoções.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esteja preparada pq é impossível não se emocionar!

      Excluir
  4. Oi Karini!
    Eu to desejando esse livro desde o lançamento! Achei extremamente ousada a autora por escrever uma história dessas, vi até um video dela onde ela pede pra gente ler antes de julgar e tentar entender os personagens porque não se trata só de incesto mas do amor puro mesmo. Esse apelo dela foi o suficiente pra eu querer ler. Realmente é nojento pensar em dois irmãos juntos, mas tenho a impressão que é tudo muito diferente nesse livro.

    ResponderExcluir
  5. Nossa eu quero muito ler esse livro, ele pelo visto é muito bom e emocionante, tenho certeza de que ele mexe com agente, com nossos sentimentos, estou vendo a euforia que ele esta causando nas pessoas e isso esta me deixando ainda mais curiosa para ler o livro, adorei a sua resenha.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  6. Você começa a ler "com um pé atrás" por curiosidade e tals...quando termina está completamente envolvido com a estória e todas suas sólidas convicções se desmancham ao final das trezentas e tantas páginas!

    ResponderExcluir
  7. Oi Karini!!! Parabéns pela resenha, ficou maravilhosa!!! Nunca li nada sobre incesto, mas estou muito curiosa, mas muito mesmo, a respeito desse livro!!!

    Bjsssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Sou uma pessoa muito mente aberta então não vi muitos empecilhos que me façam pensar em ler esse livro ou não.Tenho certeza que a história vai mexer comigo,estou até preparando os lencinhos para o que vou ter de enfrentar.E o final então,nem sei o que esperar,esse é uma daquelas histórias que fica marcada na sua memória por um bom tempo.

    ResponderExcluir