Resenha Nacional: "O Diabo Pede Carona" - Cerberus - Vol. 2 - Leonardo Monte



Literata, 2014, 1ª Ed.
"Esse não é um bom lugar pra se viver,... não mais". Assim Renan define os últimos meses na Cerberus. Se não bastasse Amábili ter lhe abandonado, Caio e Mônica agora têm um filho e Izidro está desaparecido.Padre Francisco é o novo diretor e a vida na academia transforma-se do dia para a noite em um grande inferno. Alunos são chicoteados até a morte, na ala dos padres os estupros são rotina e a irmandade dos cães de guerra é proibida, passando a existir secretamente...É o ano em que os Águias sem Medo se formam caçadores e precisam enfrentar sua prova de ferro: ir à cidade Grito da Viúva, resgatar o antigo diretor e tirar Francisco do poder, mas para isso terão que se aliar a um demônio, o único que sabe do paradeiro de Izidro... se ainda estiver vivo. Só que tudo piora quando entram na cidade e descobrem uma população de asseclas que defendem Rulav, um governante mordecai que consome carne humana... e se quiserem destruí-lo terão que se juntar à Resistência, uma milícia liderada por um homem duro e cego pela vingança...A união dos Águias será testada pelo ferro, pelo fogo e pelo sangue".

"O diabo pede carona", segundo livro da série Cerberus, é narrado em terceira pessoa e os eventos mencionados nele acontecem alguns anos depois do primeiro livro. Após a saída do padre Izidro em uma missão, Cerberus é comandada pelo grotesco Padre Francisco.
Nesse livro, temos um conteúdo bem mais violento quando comparado ao primeiro livro. Não apenas pelas criaturas apresentadas, mas pela crueldade humana representada. Existem cenas de estupros, pedofilia e outros crimes hediondos, apresentados no enredo como uma situação rotineira. Nesse ponto vale a pena refletir a questão da influência do ambiente no desenvolvimento do caráter do indivíduo. O maior exemplo disso no livro são os acontecimentos com os novos personagens: Tomé, Tadeu e Cibele. Os três são as representações dos sofrimentos cometidos por atrocidades realizadas por seres humanos.
Com todo esse clima de insegurança em Cerberus, os Águias sem Medo terão que passar por uma prova de ferro (caso não completem a missão, o preço será a própria vida deles).

Em meio a todo esse caos, algumas coisas continuam iguais, como a desavença entre Renan e Célio, ou a necessidade de Ilian, como meio mordecai, controlar os seus impulsos.
A missão é resgatar Izidro, pois descobriram que ele encontra-se em grande perigo. E o grupo formado por João, Caio, Sebastian, Renan, Ilian e Mônica, mais o professor Baltazar (o único que apoia abertamente os alunos) são os responsáveis por cumprir essa árdua tarefa.
Uma jornada fora dos muros de Cerberus inédita. Paisagens e personagens novos são inseridos. Situações antes nunca vistas são abordadas, e explicações sobre as criaturas malignas e suas origens são alguns dos elementos apresentados no livro.

Sobre os personagens novos, temos dois grupos grandes que se destacam: O Povo do Esgoto ou a Resistência, que tem como líder o Pedro e a sua esposa Ana Amélia que lutam contra um poderoso Mordecai, chamado Rulav.
Rulav por sua vez, criou quase um império e adotou até mesmo uma filha, a Nancy, que terá grande destaque na obra.
A escrita do Leonardo Monte é empolgante. Em alguns momentos, apresenta uma grande sensibilidade e em cenas fortes consegue transmitir uma crueza que transforma as cenas em descrições aterrorizantes.

A história tem um conteúdo bem violento, mas também existem situações em que afloram os sentimentos bonitos, como amor, perdão e solidariedade. Cada um dos águias consegue transmitir uma gama de sentimentos ao leitor.

"É a única forma de se entender a morte, meus caros... não temendo-a, mas respeitando sua essência. As pessoas não compreendem a morte por temê-la, e a temem por não compreendê-la... percam o medo.. mas mantenham o receio". (p. 214)

Para quem não leu a resenha do primeiro livro, clique aqui

5 comentários:

  1. Não conheço o livro, mas pelo enredo parece literatura fantástica.Não li muitas resenhas dele, mas(como já falei) acho legal que os blogs ajudem a trazer destaque para os livros nacionais.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tânia, tudo bem com você?
      Eu particularmente gosto muitoooo de literatura nacional. Existem tramas muito bem desenvolvidas que se destacam. Essa série é bem escrita e para os fãs do gênero, deve ser uma ótima leitura.
      Bjkas

      Excluir
  2. Nunca tinha visto essa série mas me parece ser muuuuito boa, do tipo que eu gosto de ler mesmo. Acho muito bom escritores nacionais partindo pra esse gênero e, apesar de você falar que é meio violento o livro, acho que isso foi o que me chamou mais atenção ainda, não que eu goste de violência, mas prende bastante a gente na leitura, ainda mais pela crueldade humana que nos faz pensar bastante. Fiquei com muita vontade de ler. beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nathalia, tudo bem?
      Entendi o que você quis dizer rs.... realmente a crueldade humana nesse livro é forte, chama mais a atenção do que as criaturas fantásticas ;)
      Bjkas

      Excluir
  3. Carol, eu tenho o livro 1, mas ainda não o li. O dois eu nem sabia que já tinha saído.
    Confesso que adoro cenas que tem violência daquelas bem fortes, mas também gosto de uma parte que contenha algo mais leve. Acho que a gente precisa do meio termo às vezes e o livro 2 me pareceu ser assim pelo que você descreveu.

    ResponderExcluir