Resenha: "O Momento" - Douglas Kennedy



Planeta do Brasil, Edição 01.2014
"Thomas Nesbitt é um escritor recém-divorciado que está em crise de meia-idade. Vivendo de maneira bastante reservada no Maine — em contato apenas com a filha e tentando se recuperar pelo fim de um longo casamento – sua solidão é interrompida em uma manhã de inverno quando recebe uma caixa. O nome Dussmann, que está marcado no embrulho, o desestabiliza completamente, pois pertence à mulher com quem ele teve um caso de amor intenso, em Berlim, 25 anos antes. Durante um período em que a cidade era dividida em duas e as lealdades pessoais e políticas eram frequentemente intimidadas pelas sombras profundas da Guerra Fria. Recusando-se, inicialmente, a enfrentar o que ele pode encontrar na caixa, Thomas é forçado a lidar com um passado que manteve secreto durante toda a vida. No processo, ele acaba revivendo os meses que passou em Berlim, lugar onde pela primeira e única vez descobriu a força extraordinária do verdadeiro amor. Petra Dussmann, a mulher para quem ele entregou seu coração, não era apenas uma refugiada e sim alguém que vivia com uma tristeza profunda permanente que acabou reescrevendo o destino dos dois".


A sinopse do livro "O momento" é convidativa e apaixonante e dá a impressão de que será uma daquelas leituras inesquecíveis. Infelizmente o livro deixa a desejar. 
O livro gira em torno da vida do protagonista, Thomas Nesbitt, um homem que tem dificuldades em relacionamentos e exibe ações contraditórias durante todo o livro. 
A trama é dividida em partes. Primeiramente somos apresentados ao protagonista no presente, onde ele vive isolado e passando por um processo de divórcio. Um belo dia ele recebe um pacote de uma mulher que ele conheceu na década de 80 quando estava na Alemanha (e ainda existia o Muro).

Depois temos voltas ao passado, sua infância, a época que viveu na Alemanha e alguns relacionamentos antigos.
O principal problema da trama são os excessos de descrições que no contexto geral não contribuem muito para a história. São páginas e páginas de detalhes que se arrastam, de maneira que o leitor se vê obrigado a fazer uma pausa ou alternar a leitura com um outro livro. 
Além disso, Thomas não é um personagem carismático. Ele chega a ser enfadonho e muitas vezes beira ao mal educado mesmo.

Alguns pontos chamam a atenção no livro como o cenário discrepante das duas Alemanhas da época. Para aqueles que gostam dessa temática mais histórica, existem trechos no livro que vale a pena conferir. 
Em termos editoriais o trabalho foi muito bem feito. A capa não chama a atenção e não se destaca. 

"Eu não tinha percebido uma coisa até agora. Antes das três maravilhosas noites com você.
- E o que é, meu amor?
- A felicidade existe".  
(p. 242)

10 comentários:

  1. Não gostei. Pelos seus comentários o livro é fraco. Esperava mais deste romance. Uma pena mesmo. Vou esperar por algo melhor. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Nunca ouvi falar do livro e do autor, mas eu achei bem interessante. Não é o tipo de livro que eu sou muito chegada, mas fiquei interessada pela história.

    ResponderExcluir
  3. Uma pena que não tenha sido tudo o que prometeu.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Não me interessei por esse. Pela resenha também achei que é um livro fraco. Tenho muitos livros na minha lista de leituras e provavelmente não lerei esse.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Adorei essa capa, mas eu não curto o gênero então não leria.

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia o livro e apesar de parecer ter um contexto interessante não me interessou no momento.
    Não é algo que eu procuro =/

    ResponderExcluir
  7. Ai, não gosto de livros muito descritivos, quando eu pego um assim acabo desistindo dele e nem leio mais pra saber o final. Como você disse a sinopse parecia ser um livro muito bom, e a capa também tem aquele quê de classica, só que não.. srsrs

    ResponderExcluir
  8. Oi, eu não tenho a minima vontade de ler esse livro, e sua resenha não fez com que isso mudasse, confesso que quando o vi como lançamento fiquei interessada, mas ai eu vi ele na livraria e o vi, ele é enorme, ai eu já me desanimei, essa não é a primeira resenha que vejo, e pelo visto ninguém gostou dele.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  9. Que pena, não me chamou a atenção nada sobre este livro, nem capa, nem resenha, nem comentários. Sei que as vezes estes são os melhores livros, os que menos criamos alguma expectativa.

    ResponderExcluir
  10. A princípio gostei da capa e pensei que o livro fosse bom.
    Mas livros chatinhos não rola.

    ResponderExcluir