Resenha "Como viver eternamente" - Sally Nicholls



Geração, 2014, Ed. 2ª

"Sam ama fatos. Ele é curioso sobre óvnis, filmes de terror, fantasmas, ciências e como é beijar uma garota. Como ele tem leucemia, ele quer saber fatos sobre a morte. Sam precisa de respostas das perguntas que ninguém quer responder. ”Como Viver Eternamente”, é o primeiro romance de uma extraordinária e talentosa jovem autora. Engraçado e honesto, este é um livro poderoso e comovente, que você não pode deixar de ler. A autora tem apenas 23 anos e embora seja seu primeiro livro, ele está sendo lançado em 19 países, dirigido a crianças, adolescentes e adultos".








Logo no início do livro, temos a primeira de várias listas de Sam, o protagonista do livro

“Lista nº 1 – Cinco fatos a meu respeito:
1. Meu nome é Sam.
2. Tenho onze anos.
3. Coleciono histórias e fatos fantásticos.
4. Tenho leucemia.
5. Quando você estiver lendo isso, provavelmente estarei morto”.

Sam é um garoto de 11 anos que está ciente que tem os dias contados. Seu melhor amigo, Félix, tem 13 anos e também está doente. São dois jovens que tentar enfrentar os dias com o máximo de normalidade possível. Durante as aulas da Sra. Willis (ela dá aula particular aos dois em casa), Sam é incentivado a escrever, e a partir desse momento, somos transportados para a vida de Sam. Quanto mais eu avançava na leitura, mais imersa na vida de Sam eu fiquei. Esqueci-me completamente de que esse livro não foi escrito por ele, pois os capítulos curtos, as emoções e devaneios demonstrados em “Como viver eternamente” fizeram com que o Sam se tornasse muito real. Do começo ao fim do livro, Sam e Félix arrancaram risadas e lágrimas.

Observar Sam e a sua perspectiva única de vida, madura demais para um garotinho tão jovem, mas perfeita para alguém que já passou por muitas experiências tristes. 
Com personagens cativantes e uma visão da vida direta, algumas vezes alegre e outras tristes, são alguns dos ingredientes que tornam esse livro uma leitura essencial.
Quanto à diagramação, layout e revisão, a editora está de parabéns. O modo como as listas do Sam aparecem, dão veracidade a trama, fazendo que o leitor acredite que realmente está lendo uma lista sua. Os desenhos, comentários e observações feitas nas páginas dão a impressão de que o livro é o diário de um jovem, o que complementou de forma magistral a história.

Para os leitores que já tiveram a oportunidade de ler "A culpa é das estrelas" com certeza irão amar "Como viver eternamente" , pois o livro possui uma delicadeza ímpar e personagens que fazem qualquer leitor se apaixonar....





O primeiro romance de Nicholls, Ways to Live Forever (Como Viver Eternamente na tradução brasileira) foi escrito durante seu período em Bath Spa. A história é sobre um garoto de onze anos chamado Sam que sofre de leucemia e está à beira da morte, e o que escreve é uma espécie de livro de memórias do garoto.
O livro foi originalmente publicado pela Marion Lloyd Books, parte da Scholastic Press, uma das maiores editoras do Reino Unido e do mundo, em janeiro de 2008. No Brasil, a tradução veio ao público pela Geração Editorial.
O segundo livro de Nicholls, Season of Secrets (Estação de Segredos), é inspirado na lenda do deus pagão do sol. Esse livro originalmente recebeu os nomes de The Green Man e The Midnight Hunter (O Homem Verde e O Caçador da Meia-Noite). Foi publicado na Inglaterra em abril de 2009, e no Brasil em 2010, sob o título A Menina que Conversava com o Verão, também pela Geração Editorial.


Como surgiu o livro:

No início de 2007, o editor Luiz Fernando Emediato recebeu uma carta inusitada da editora inglesa Marion Loyd, da Scholastic, uma das maiores do mundo para livros infantis e juvenis. Ela dizia, com entusiasmo incomum, que todo editor sonha descobrir ao longo de sua carreira pelo menos um novo autor extraordinário, capaz de marcar a vida das pessoas e da própria literatura. Marion tinha certeza de que este era o caso de Sally Nicholls, uma jovem escritora inexperiente de 23 anos que estava escrevendo um livro infantojuvenil fantástico e delicado.

Marion estava procurando pelo mundo editores que vissem esse livro de forma diferenciada. Queria editores que compreendessem a importância e a delicadeza do livro e o lançassem assim, como um acontecimento extraordinário. Mandava a sinopse e o primeiro capítulo, como exemplo, e nada mais. Quem se interessasse pela história devia então pedir o texto completo.

“O impacto foi fulminante”, lembra Emediato. “Era a história, na primeira pessoa, de um menino de onze anos que decidira escrever um livro enquanto esperava a morte, anunciada por um câncer incurável. Eu havia escrito e publicado em 1977 um livro infantil intitulado “Eu vi mamãe nascer”, cuja primeira frase era “Mamãe morreu ontem”, mas o texto de Sally Nicholls – Sam superava tudo o que eu já havia escrito e lido sobre a morte. Era pungente, honesto, delicado, engraçado, comovente.”
O editor da Geração respondeu imediatamente que se sentia honrado por ter sido escolhido para publicar o livro de Sally no Brasil, pois não admitia sequer a possibilidade de ele ser publicado por outra editora. E que Marion enviasse o texto inteiro o quanto antes.
O que é que o livro de Sally Nicholls tem que outros sobre o mesmo tema não teriam? Os editores que se encantaram com o livro, em 19 países, concordam com um fato: o livro não fala da morte, mas da vida. Não fala do fim, mas da eternidade. Fala sobre a alegria de viver e do sentido da vida enquanto ela dura. A leitura vai fluindo, delicadamente, com pequenas surpresas ao longo das descobertas do menino curioso que tenta tirar de sua rotina tudo o que ela pode oferecer de bom.

Sam tem uma lista de desejos com oito tópicos:

1- Quer ser um cientista famoso. Descobrir coisas e escrever livros sobre suas descobertas.
2- Bater um recorde mundial. Não um recorde de algum esporte. Um recorde bobo.
3- Assistir filmes de terror que ninguém permite.
4- Subir a escada rolante de descer ou descer a escada rolante de subir.
5- Ver um fantasma.
6- Ser um adolescente. Fazer coisas que adolescentes fazem, como beber, fumar ou ter namoradas.
7- Passear em um dirigível.8- Subir em uma nave espacial e ver a Terra do espaço.

Esta não é sua única lista. Sam cria também listas de como viver eternamente, listas sobre sua aparência, coisas favoritas, o que fazer quando alguém morre, fatos fantásticos sobre dirigíveis, para onde vamos após a morte, coisas que quer que aconteça após sua morte, dentre outras listas e questões que os adultos não sabem ou não querem responder.

– O final do livro é de enorme impacto emocional – elogia o editor Emediato. – Ninguém quer morrer, mas já que temos que morrer, então que seja daquele jeito. Minha avó, por exemplo, morreu aos 89 anos, cochilando, enquanto esperava sua vez na antessala de um consultório médico, para uma consulta de rotina. Meu pai morreu jovem, aos 80 anos (os membros de nossa família costumam morrer aos 100!) numa cadeira de balanço, enquanto fervia água numa chaleira para fazer café. Ele estava lendo o livro “Para onde vamos?”, um livro espírita.

“Como viver eternamente” termina com o testamento de Sam – uma lista de coisas para a família e os amigos fazerem depois de sua morte – e pode ser lido também como um livro de autoajuda.

– Sim, um livro de autoajuda, mas no bom sentido – corrige Emediato – porque livros de autoajuda, toda pessoa inteligente sabe disso, são na maioria dos casos livros enganadores, que só ajudam de fato os seus autores e editores. O livro dessa sensível garota, Sally Nicholls, nos ensina a ver a vida de outra forma, ela nos lembra que somos frágeis e transitórios e em geral perdemos nosso tempo com coisas fúteis e enganadoras. Vale por um curso de filosofia.

Os primeiros comentários de leitores, na Internet, não deixam dúvida. É impossível não chorar lendo o livro. Mas também é impossível não sorrir. (Fonte: Clique aqui)

12 comentários:

  1. Esse livro é lindo, maravilhoso. Creio eu que se recebesse o kit de parceria, precisaria de um pacote de lencinhos extra, porque sou muito manteiga derretida :'(
    Eu vi algumas fotos do livro por dentro e apaixonei, como você disse, parece super real, pois parece uma lista que o Sam está ali escrevendo mesmo pra gente, dai choramos mais ainda :'(

    ResponderExcluir
  2. Um romance lindo e emocionante pelo que vi. Não sabia que gostaria tanto deste livro. A estória que você conta na resenha me deixou emocionada e empolgada. Com certeza vou ler. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Emocionante é a palavra que pelo visto melhor defini este livro. Não leio outra coisa a não ser isso o que me deixe muito curiosa para conhecer o livro.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Esse livro parece ser muito fofo e emocionante, o livro me conquistou primeiramente pela capa que eu simplesmente amei e segunda pelo nome que eu adorei .

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um livro interessante. Todos temos aqueles desejos para realizar antes de morrer, porém ter esta lista com o conhecimento que seus dias estão contados...

    ResponderExcluir
  6. Oi, eu estou ansiosa para ler esse livro, a historia apesar de triste parece ser linda, tenho certeza de que Sam tem muito a nos ensinar, mesmo sendo tão novo, o livro parece ser super profundo e uma lição de vida, amei a resenha.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  7. Adoro livros que me deixam emocionada, ou melhor, adoro livros com lições (incríveis) de vida! ♥

    ResponderExcluir
  8. Esse livro deve ser lindo, mas não estou em condições no momento de ler nada assim, mas vou marcar pra ler no futuro!!
    Parabens pela resenha!!

    Bjssssssssssssss

    ResponderExcluir
  9. Lindo, deve realmente ser lindo esse livro. Já estava apaixonada pela capa, agora fiquei apaixonada pela história também. Acho que vou precisar de muitos lencinhos...

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Agora entendo o porque dos lencinhos que a editora mandou kkkkkkkkkkkkkk
    Estou me preparando para ler o livro e também esperando o momento certo né?
    ACho sim que será uma leitura tocante e bem sentimental.

    ResponderExcluir
  11. Acho que o leitor precisa ter uma boa estrutura emocional para decidir ler um livro como este. Apesar de ser lindo e muito tocante, eu não tenho interesse (nem preparo) em ler...

    ResponderExcluir
  12. Tenho muita vontade de ler o livro.
    Apesar de achar que ele seja um pouco melancólico.
    Mas com toda certeza é emocionante!

    ResponderExcluir