Resenha: "Cidade das Máscaras" Stravaganza - Livro 01 - Mary Hoffman

Sinopse - "Em um lugar muito distante, nos tempos da Renascença, um homem tira a sorte: nas cartas, ele prevê que sua soberana está em perigo. O número 16 aparecia em todas as somas, e um caderno aparece ligando todos os sinais. Em outro plano, na Londres do século XXI, Lucien tem 16 anos e está com leucemia; para alegrar seu dia, seu pai o presenteia com um objeto muito semelhante… e mal sabe o garoto que, uma vez com ele, seus sonhos poderiam trazer uma nova realidade cheia de maravilhas, mistérios e intrigas nos quais ele terá um papel fundamental. Primeiro livro da série".

Edição: 1
Editora: Editora iD
ISBN: 9788516072926
Ano: 2011
Páginas: 336
Skoob: Clique aqui
Avaliação: 4


Minha opinião - A sinopse explica muito bem alguns dos detalhes principais da trama. Lucien é um jovem de 16 anos que infelizmente está doente e sente-se sempre cansado. Seu pai entrega a ele um presente, um caderno simples que ele encontrou. Mas a verdade é que esse caderno não tem nada de simples e irá transportar Lucien para Bellezza, uma cidade extraordinária, com costumes próprios e repleta de conspirações. Em termos descritivos, o mais próximo de Bellezza que temos seria a incrível Veneza, apesar de existirem diferenças gritantes.
Em Bellezza, Lucien irá conhecer Arianna, uma jovem que não aceita muito bem os termos impostos pela sociedade (particularmente pela Duquezza, que é a líder da cidade). Lucien irá descobrir que é um Stravagante, uma pessoa com habilidades para migrar entre os mundos.
Alguns costumes são peculiares em Bellezza, como o uso de máscaras pelas mulheres solteiras e algumas crenças que mesclam religiões.

"Uma mão, com os três dedos medianos estendidos e o polegar unido ao mindinho. Era o amuleto da boa sorte dos habitantes das ilhas, o manus fortunae - a mão da Fortuna, da Sorte - significando a unidade do círculo e as figuras da deusa, seu consorte e seu filho, a sagrada trindade da laguna". (p.20)

A Duquezza parece ser uma pessoa fria, diplomática. A única pessoa em que confia (e não completamente) é Rodolfo, seu amante e um cientista conceituado. Infelizmente, ao se tornar líder, ela adquiriu vários inimigos, principalmente a Família di Chimici:

"Eles são uma das famílias mais antigas de Tália. Uma grande família, sempre casando e se reproduzindo entre si. Seis cidades-estados em Tália são governadas por eles, assim como ducados e outros principados. E eles não vão descansar enquanto não governarem todos. Até o Papa é da família deles". (p.63)

Um livro mágico que mescla o antigo e o novo e expõe a ambição das pessoas. Tramas, traições, jogadas políticas, auto-conhecimento. "Cidade das máscaras" é um livro repleto de situações inusitadas, mas completamente envolvente. Conforme avançamos na leitura e as máscaras de alguns personagens caem, expondo assim suas reais intenções, o livro ganha um novo significado. O final do livro é comovente. O leitor fica triste e feliz ao mesmo tempo, pois vai ficando claro que não há outra opção.
Em relação a revisão, diagramação e layout, a editora fez um bom trabalho. Encontrei alguns erros de digitação e gramática, mas nada que atrapalhasse a leitura. A capa é misteriosa, combinando perfeitamente com a trama.
Com descrições ricas em detalhes, personagens complexos e cativantes e uma trama muito bem desenvolvida, "Cidades das Máscaras" é leitura recomendada para os fãs do gênero.




4 comentários:

  1. Visualmente o livro parece ser extremamente bonito.
    Pensar em uma cidade magica como Veneza e repleta de pessoas usando mascaras é de encantar e instigar a imaginação de qualquer um.
    Gostei. ^^

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse livro, mas fiquei muito interessada em ler depois da sua resenha!!! Parabens!!!

    Bjssssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Só essa capa me deixou apaixonada. Por favor, máscaras de Veneza! O problema é esse pé na religião que o livro tem... Não sei se seria a melhor pedida pra mim, porque eu tenho uma religião, e acho que não gostaria de vê-la sendo misturada e etc. E essa história das cartas... Parece exotérico. Mas devo dizer que fiquei interessada, mais pela estória e porque lembra muito a Itália, meu país preferido.

    Clara
    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. adorei a historia! ainda n tinha lido sobre ele e adorei!! gostei desse negocio de passado/presente.. e prevejo q vou chorar com esse menino doente!! sempre choro com essas coisas kkkk adorei saber q é uma serie!!
    beijos

    ResponderExcluir