Resenha: "A Síndrome E" - Franck Thilliez



"Um estranho caso vem atrapalhar as férias de verão de Lucie Hennebelle, tenente de polícia em Lille. Seu ex-namorado ficou cego depois de assistir a um filme mudo, anônimo, com um roteiro enigmático, concebido por uma mente doentia. Simultaneamente, o comissário Franck Sharko, veterano da Divisão de Homicídios e analista comportamental na Divisão de Repressão à Violência, passa por um tratamento na tentativa de curar a esquizofrenia. No norte da França, cinco cadáveres não identificados foram encontrados sepultados a dois metros de profundidade mutilados de maneira atroz e em estado de decomposição avançada e Sharko cede ao chamado da aventura. Enquanto Lucie descobre os horrores escondidos no estranho filme, um misterioso informante do Canadá aponta-lhe o elo entre aquele rolo e os cinco cadáveres. Um único e mesmo caso, graças ao qual Lucie e Sharko, tão diferentes e ao mesmo tempo tão próximos em sua concepção do ofício, irão se encontrar. Das favelas do Cairo aos orfanatos do Canadá nos anos 1950, os dois colegas irão se deparar com um mal desconhecido, batizado como “síndrome E”. Uma realidade assustadora que revela como o ser humano pode ser capaz das maiores atrocidades".

Editora: Intrínseca

Ano: 2013
Edição: 1
Páginas: 368
Skoob: aqui
Avaliação: 5



Antes de falar do livro em si, quero comentar sobre a série, pois fiquei confusa ao descobrir que esse é o terceiro livro da série Franck Sharko, mas o primeiro publicado aqui no Brasil. Fui pesquisar sobre isso e encontrei a seguinte informação no blog Viagem Literária em um dos textos da Nanda Assis: (quem quiser ler o texto na íntegra aqui) a série é composta atualmente por 05 livros 1. Train d’enfer pour Ange rouge; 2. Sundentod; 3. A síndrome E; 4. Gataca e 5. Atomka. E acabei descobrindo no blog Lendo nas Entrelinhas, em uma postagem da Hérida Ruiz  (quem quiser ler o texto na íntegra clique aqui) que o autor já havia escrito também dois livros com a personagem Lucie Henebelle: 1- La chambre des morts e 2- La mémoire fantôme. Como Síndrome E é o primeiro livro que os dois protagonistas trabalham, a Hérida especula que pode ser uma série dentro de outra série e eu concordo com ela. Ela ainda escreve que "A editora Intrínseca considera o livro como o primeiro de uma nova trilogia". Bom, de que série esse livro faz parte ou quantos livros serão à parte da discussão, vamos falar do livro "A Síndrome E":

O livro começa com a narrativa alternada entre Lucille e Frank, no que inicialmente aparenta ser dois casos totalmente diferentes. Lucille está de férias, com uma das filhas (ela é mãe de gêmeas) no hospital por causa de uma gastroenterite viral enquanto a outra está em um acampamento. Lucille não é mãe típica. Ela realmente mergulha em seus casos e acaba deixando Clara e Juliete com a sua mãe na maior parte do tempo. Isso não significa que ela não ama as garotas, ela apenas não deixa seus sentimentos transparecerem com frequência, parece ter uma certa dificuldade em demonstrar afeto.
Franck é um homem com um passado repleto de perdas e uma condição de saúde que faz com que o leitor questione a sua capacidade em exercer a função de investigador. Muitas vezes o leitor se perde nos delírios do policial e isso faz com que os limites de imaginação e realidade se cruzem.
O modo como os dois protagonistas se conectam quase que imediatamente mostra como duas pessoas traumatizadas conseguem se complementar, um remendando o outro.
A trama não é indicada para qualquer leitor. Ela possuí cenas fortes e detalhadas, muitas vezes impactantes graças a sua brutalidade. Sejam as cenas descritas no filme mudo ou as cenas dos crimes investigados por essa dupla. São descrições que algumas vezes assustam o leitor.
Um dos pontos mais marcantes do livro foi o modo como o autor conseguiu relacionar todos os acontecimentos. Ele envolveu situações que ultrapassaram décadas de acontecimentos, países e continentes e mesmo assim conseguiu deixar a trama espetacular. O cuidado com os detalhes tornou o livro um verdadeiro quebra-cabeças: para montar o quadro geral é preciso olhar peça por peça. É essencial o leitor prestar a atenção em cada acontecimento, em cada descrição e em cada personagem envolvido. Alguns personagens beiram ao insano: seus atos, suas crenças e seus crimes chocam a todos.
O final do livro é capaz de deixar qualquer um desesperado: as últimas páginas são tensas de modo pessoal, e a ansiedade para realizar a leitura do livro seguinte é palpável.
Um dos pontos negativos foi a falta do passado dos personagens. O leitor recebe uma informação aqui e ali, mas algumas explicações estão ausentes. Acredito que isso ocorra pelo fato de não ser o primeiro livro do autor com esses protagonistas.
O autor ainda cria um debate no livro sobre a origem da violência, a possibilidade da existência de um "gatilho" que a desencadeie. 
Em relação a revisão, diagramação e layout a editora realizou um excelente trabalho. A capa, apesar de parecer simples, é muito inteligente, pois traz elementos essenciais a trama. Aos curiosos com o título, fiquem sossegados pois ele tem uma ótima explicação.
"Um grito então explodiu, vindo do fundo de sua garganta. Um grito que atravessara milênios". (p.367)

8 comentários:

  1. Acho tão estranho que as Editoras lancem os livros assim, fora de ordem. Tudo bem que alguns não tem problema ler sem ordem, mas mesmo assim acho estranho ... Eu não li a Sídrome E mas parece que tem um enredo forte e muito bem desenvolvido. Acho que para quem gosta desse tipo de enredo é uma excelente indicação.

    ResponderExcluir
  2. Oi Carol...Adorei conecer este livro, amo livros deste gênero, mas como estou fugindo de série, acabarei não adicionando a minha lista de desejados!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ler sem problemas... Não interfere ler os outros para entender. É um excelente livro!!

      Excluir
  3. Há muito quero ler essa série, adoro o gênero do livro e me encantei com a sinopse. Mas confesso que me desapontei quando soube que não está na ordem certa. É complicado quando sua cabeça fica cheia de interrogações. No entanto, parece que não é preciso necessariamente ler os livros anteriores para compreender o enredo em si. Ainda quero muito ler.

    http://umadosemaisforte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, :)

    Nossa que estranho isso de ser uma série e a editora ter lançado o terceiro O.o'
    Vou confessar que não conheço a série (aliás, só ouvi falar do quarto, mas nunca prestei muita atenção nele) mas, admito que esse livro parece ser bom, ainda mais depois do que você falou do final!

    Só pela capa eu realmente não o leria, mas depois dessa resenha, quero sim conferir :)

    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  5. Acabei de ler esse livro há uns dias e curti bastante; um bom policial. Também senti um pouco a falta de maiores esclarecimentos quanto ao passado do Sharko, talvez nos livros anteriores alguma explicação seja mencionada. Mas isso não atrapalhou o desenvolvimento da trama. Também gostei muito da capa, agora a revisão, bom, encontrei detalhes que se fazem notar, muito embora não tenham chegado a atrapalhar a leitura.
    Gostei bastante e quero ler Gataca o quanto antes.

    Um beijo, Livro Lab

    ResponderExcluir
  6. Esse é um livro bem complexo e policial, temática que eu amo.
    A maioria sempre me agrada, mas quero aquele que seja O LIVRO, sabes? Espero que esse me surpreenda =)

    ResponderExcluir
  7. Nossa Que coisa estranha lançar uma série faltando os primeiros livros!!! Não é meu estilo de leitura, mas fiquei pasma com o fato de ser o terceiro livro e não ter os primeiros lançados no Brasil!
    Parabens pela resenha!!!

    Bjsssssssssss

    ResponderExcluir