Resenha: Pretty Girl 13 - Liz Coley


Três anos se passam, e Angie Chapman reaparece sem qualquer lembrança desse período. Como se o tempo tivesse parado. Ela ainda acredita ter treze anos e insiste que dali a três semanas vai para o oitavo ano. Angie não se reconhece na imagem da garota alta e magra que aparece refletida no espelho toda vez que se olha. E nem faz ideia do que são aquelas marcas e cicatrizes no seu corpo. Pretty Girl – 13 um mistério psicológico fascinante e perturbador em que a garota Angie tem de juntar os flashes de sua memória para descobrir a sua verdadeira identidade, ou seriam identidades?

Editora: Benvirá
Ano: 2013
Edição: 1
Páginas: 224
Avaliação:5 S2

Uma história que te faz pensar a respeito durante muito tempo.
O último livro que li nesse estilo e mexeu comigo dessa forma foi Garota Morta Viva, quem leu, sabe do que estou falando. Pretty Girl 13 é completamente assustador, pois após ser sequestrada e ficar desaparecida por três longos anos, Angela consegue retornar a sua casa, porém esse retorno não se dá de forma comum, pois a mesma não faz a menor ideia de como foi parar ali, e ainda pensa ter 13 anos. Ela está completamente confusa e busca uma maneira de se remontar para que possa seguir em frente!
Sua mãe está completamente feliz com seu retorno e tudo que quer é que Angela possa voltar a viver normalmente e muitas vezes seu único desejo é que possam esquecer o que passou. Da mesma forma que Angela não quer saber o que aconteceu  por ter medo do que possa estar lhe aguardando, ela sabe que necessita da verdade, pois descobre que possui TID, uma doença que faz com que ela desenvolva vários alters egos, que a substituem em momentos que ela mesma não pode suportar ou vivenciar determinadas situações!

Angie passou por muitas situações sinistras desde os seus seis anos de idade e as coisas que lhe aconteceu no mínimo deixaria qualquer ser humano completamente louco. Porém Angela busca de todas as maneiras a sua sanidade com a ajuda de uma psicóloga para que possa ter novamente o controle sobre si próprio e sobre sua vida!

O tanto que Angela é molestada física e psicologicamente me deixou completamente em desespero e saber como ela desenvolveu sua TID me deixou completamente apavorada, pois muitas vezes não percebemos a crueldade daqueles que nos cercam e deixamos passar coisas que irão nos marcar de forma profunda e irreversível para o resto de nossas vidas!

Admiro muito a força de Angela e a sua vontade de viver, pois eu no lugar dela já teria desistido lá no começo, quando ela foi capturada por aquele homem nojento e desprezível e imaginar as diversas vezes que ele a tocou e molestou.. nossa, causa-me ânsia de vômito! Acredito que Angie só não "quebrou" de vez, por conta de seus "alters" que tomaram seu lugar e vivenciaram por ela toda dor e sofrimento, poupando-a e deixando-a intacta a toda aquela violência implícita!
E o pior em tudo isso ainda está por vir próximo ao final, quando ela descobre o segredo da "louca que se balança" (um de seus alters). Sinceramente não sei qual seria minha decisão, como eu reagiria.. só o que posso dizer é que Angela é exemplo de heroína nessa ficção que muitas vezes me fez acreditar que o que eu estava lendo era real!

Recomendo o livro para amantes de um bom thriller psicológico, só estejam preparados para vivenciar junto com Angela seu pior pesadelo!

1 comentários:

  1. Eu amei esse livro. Quando resolvi lê-lo, o fiz com base na resenha do skoob em inglês. Nela não consta a informação de que a personagem terá TID e eu achei isso algo essencial na minha apreciação da história.

    O motivo foi que comecei o livro achando que ela tinha transtorno de estresse por traumático. Quando descobri o TDI foi uma surpresa tão grande que foi praticamente revigorante.

    Amei a forma como o tema foi apresentado e, acima de tudo, a preocupação da autora, ao final do livro, ao colocar que o TDI não é resolvido tão rapidamente quanto foi com a personagem e que ela só usou tal velocidade para dar agilidade à história.

    http://www.conchegodasletras.blogspot.com.br/2015/04/resenha-pretty-girl-13.html

    ResponderExcluir