Resenha:O homem do bosque - Scott Spencer

Sinopse:


Em seu romance mais arrebatador, "O homem do bosque", considerado um dos melhores de 2010 pela Amazon, Scott Spencer prova por que é avaliado como um dos maiores escritores norte-americanos da atualidade e por que é unanimidade entre os críticos ao redor do mundo.Desde adolescente, Paul vive por conta própria. Livre, independente. Guiado sempre por um código de conduta rígido, tendo feito um pouco de tudo na vida, ele chegou a pensar que nunca teria um norte, que estava apenas ao sabor do vento. Até que conhece a bela, inteligente e amorosa Kate Ellis, e sua filha, Ruby, de nove anos. As duas lhe oferecem uma vida de ordem e regularidade. Contudo, ao caminhar por um parque, o protagonista encontra um homem espancando um cachorro e, por alguns momentos, mergulha num mundo de violência e numa jornada anárquica de autoconhecimento, redenção e culpa. Morte e vida cruzam seu caminho. Scott Spencer capta a intensidade da paixão humana – e sua capacidade, ao mesmo tempo, destrutiva e redentora – com precisão e discernimento sem precedentes. Ele abusa da ironia, da espirituosidade e de sua profunda sensibilidade num thriller psicológico e provocante que trata da moral e da masculinidade, das escolhas e do destino.


Um livro forte e interessante em seu interior, pois nos mostra a complexidade de sentimentos de pessoas aparentemente tão diferentes e ao mesmo tempo tão iguais em seus medos e desespero do que está por vir! Um verdadeiro thriller psicológico que nos laça por caminho inimagináveis!


"A fera dentro de mim está em uma jaula de grades finas e frágeis."
Johnny Cash



Com esta frase verdadeira e impactante damos início a leitura de O homem do bosque. Já no primeiro capítulos conhecemos Will Claff, um homem misterioso que está fugindo de alguém e vive neurótico por conta de uma dívida, de fato não sabemos se sua fuga é psicológica ou se ele realmente precisa temer algo já que deve uma quantia considerável! Porém o homem, anda tão psicótico que acredita que tudo e todos possam o estar observando e analisando, aguardando o momento certo para dar o bote! Essa psicose é tão palpável que me deu vontade de olhar para os lados enquanto eu lia!

Do outro lado temos um marceneiro que está vivendo a sombra de uma mulher que conseguiu fama escrevendo um livro sobre sua vida e a forma como superou o alcoolismo! O mesmo também parece esconder algo que não sabemos bem o que é.. Como se fosse uma frustração e uma sombra de quem realmente é e do que pode ser capaz.
Ele vive confortavelmente ao lado de Kate e Ruby, até que sai de casa para cobrar uma dívida de um de seus clientes e na volta resolve parar em um bosque, onde se depara com Will

Will está transtornado passeando com seu cachorro que furtou de um ex-relacionamento com Dinah Maloney e ao ver Paul, acredita que ele está ali para cobrar a dívida e sabe-se lá mais o que! Do nada o homem surta e começa a agredir seu cão e incomodado Paul solta uma frase para que ele pare! Daí em diante as coisas acontecem de forma rápida e até assustadora, pois os dois homens começam a se agredir e disso apenas Paul sai vivo. 

Paul reflete sobre o correto a fazer.. "ligar para a polícia e informar que foi legitima defesa?" Não. Pois de fato ele não sente como se fosse legitima defesa já que não se sentiu ameaçado por Will.. Então ele resolve simplesmente ir embora e decide levar o cão junto, mesmo sabendo que isso pode causar-lhe problemas.. 

A partir daí tudo começa a acontecer e Paul vive um grande dilema em seu âmago, com a repulsa pelo que fez e o que isso representa e em contra partida sua vida ao lado de Katie e Ruby que conseguem despertar o que há de melhor nele!



"A cada passo que eu dou, afundo mais nas trevas."
Pensamento de Paul - pág.110 


Achei muito interessante a escrita do autor e principalmente o jogo mental que ele cria!
Gosto muito de livros com essa pegada e O Homem do Bosque mostrou-se uma grata surpresa!
Recomendo aos amantes do gênero!



9 comentários:

  1. Oi, :)

    Sua resenha já me cativou, imagina a leitura do livro então! O.o' rs'

    Admiro muito autores que conseguem construir um bom thriller psicológico, sem se perder ou exagerar em algum ponto... e parece que, pela sua resenha, esse autor conseguiu. Ainda não tinha ouvido falar nada dele, muito menos desse livro, mas acho que vai ser uma leitura que 'suga' o leitor. Não posso me chamar de 'amante do gênero', mas acho interessante por isso, se tiver a oportunidade, com certeza vou ler *-*


    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  2. Oi :)


    Karini eu não sei se chamaria a polícia (Sou uma pessoa má??? Ehhh acho que sim), os dois tinham seus dramas e suas psicoses e fiquei muito interessada em saber o íntimo deles haha só assim para entender esse arroubo deles a ponto de sair morte. O Homem do Bosque à primeira vista não faria meu tipo habitual de leituras mas agora mudei meu ponto de vista, vou colocar na minha lista ;)


    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei muito desse livro e recomendo. Quando tiver a oportunidade leia!
    Realmente, tenho que concordar com você.. Também não sei se eu chamaria a polícia.. mas mesmo que você não chame a polícia, será que existe crime perfeito?
    Será que não teria ficado nada para trás que te incriminasse.. e o mais importante, será que conseguiriamos viver com esse tipo de escolha?

    ResponderExcluir
  4. Não tinha lido nenhuma resenha do livro ainda e pelo visto gostarei do livro.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Gente, que top! Esse livro parece ser super interessante.
    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. O ruim é a consciência depois mesmo, nem sei como tem gente que faz tanta maldade e consegue dormir a noite o.O

    ResponderExcluir
  7. Olá, Karini. Possuo o péssimo hábito de julgar livros por suas capas; sim, eu faço isso, e sim, eu realmente perco histórias ótimas por esse costume. Esse seria mais um deles! Por mais que não seja uma capa feia, ela não havia me chamado a atenção. Mas, assim que li a sinopse... a história já me ganhou. Então, fui ler sua resenha, e fiquei morta de curiosidade! Gente, eu amo thrillers psicólogicos. Amo! Acho tão envolvente esse gênero, nos faz realmente andar e ficar olhando para os lados pra ter certeza de que não há ninguém seguindo a gente. Hahaha. Além do mais, adorei saber que o autor foi uma grata surpresa pra você; geralmente, nesse tipo de história, quem a escreve realmente precisa saber colocar os pontos certos, pra agradar o leitor. Fiquei super, super ansiosa! Mal vejo a hora de poder ler esse livro. Beijocas.

    ResponderExcluir
  8. Olá Karini,
    nunca li livros que seguem essa linha de raciocínio. Essa coisa de abordar as características psicológicas das pessoas mais de perto me encanta, acho fascinente o ser humano e suas inúmeras fascetas. Já tinha visto algo a respeito do lançamento desse livro, mas nunca tinha olhado duas vezes. O livro parece ser muito bom e despertou minha curiosidade, olha que nem costumo ler livros desse tipo!

    ResponderExcluir