Resenha: Prodigy - Marie Lu


Os opostos perto do caos. Depois que um cataclismo atingiu o planeta Terra, extinguindo continentes inteiros, os Estados Unidos se dividiram em duas nações em guerra: a República da América, a oeste, e as Colônias, formadas pelo que restou da costa leste da América do Norte. June e Day, a menina prodígio e o criminoso mais procurado da República, já estiveram em lados opostos uma vez.
Agora eles têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as duas nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles.

Edição: 1
Editora: Prumo
ISBN: 9788579272905
Ano: 2013
Páginas: 304
Tradutor: Ebréia de Castro Alves
Nota:5 S2


Diferente do que foi com Legend.. Demorei mais a engatar no segundo livro Prodigy, não por ser ruim, de forma alguma, simplesmente porque quando um lançamento demora um pouco para vir, às vezes quando vamos ler a sequência demoramos para entrar no clima novamente! Mas quando entrei no clima, a história fluiu tão bem quanto à primeira. 

Em Prodigy temos Day e June fugindo da República e se juntando aos Patriotas no intuito de conseguirem ajuda para resgatar o irmão de Day. Porém o preço que está sendo cobrado pela ajuda, talvez seja alto demais! Pois os Patriotas querem infiltrar June na República novamente, pois há um novo eleitor, e a intenção é que ela ganhe a confiança dele e ajude a assassiná-lo! June topa, pois quer ajudar Day. Ela larga tudo que conhece e sabe e se empenha para ajudar Day. Ela e Day estão apaixonados e em certo momento Day diz que a ama, mas ela não retribui, pois tem medo do que possa significar caso ela diga em voz alta. 

Os dois estão apaixonados, mas ambos têm problemas para de fato se entregarem um ao outro, pois se acham inadequados um para o outro, ou tem medo de se machucarem! Eles passaram por muita coisa e  dúvidas com relação ao futuro deles juntos é mais que normal! Sem contar que no meio deles há uma guerra acontecendo o que pode prejudicar ainda mais a relação de ambos!

Em minha opinião achei que os personagens tiveram suas personalidades muito melhor exploradas nesse segundo volume, onde mesmo em meio a tudo a autora pode nos mostrar os detalhes que assombram a mente de cada um. 
Inclusive há um crescimento também da Tess, que desde o primeiro volume sabemos o quanto está apaixonada por Day, só que ele não a vê dessa forma. Ela demonstra para ele de todas as formas que está afim dele, e inclusive chegam a se beijar, mas um lado dela que é até compreensivo, mas que não me agradou em nada, foi ela o tempo inteiro demonstrar a raiva e recalque por ser trocada por June. Ela em vários momentos mina a cabeça de Day contra June, o que coloca ainda mais dúvidas nele sobre a relação dos dois! 

Por outro lado também, June, não é posta como um ser humano que pode pensar de forma egoísta, mesmo que ao final tome a decisão certa e isso me ganhou mais ainda com relação a ela! Pois a aproximou ainda mais da realidade do ser humano fora das páginas!
O novo eleitor, Anden, também está caidinho por June.. e algumas vezes ela se vê sonhar com um futuro diferente! Vislumbrar como seria estar com Anden, ao invés de estar arriscando tudo por Day.. 

Kaede também foi um personagem de grande destaque em Prodigy. Vista no primeiro volume como alguém que não se importa com nada além dela mesma; em Prodigy, ela demonstra caráter e altruísmo e seu sacrifício em prol dos outros me tornou fã dela e me fez chorar com o que lhe acontece!

Pior do que uma guerra entre República, Colônia e Patriotas.. é uma guerra interna, onde o próprio governo quer derrubar seu primeiro eleitor e por outro em seu lugar! Anden se vê encurralado cada  vez mais e pede ajuda de June, que percebe que ele é diferente de seu pai e resolve ajudá-lo!

O que se pode esperar de Prodigy? Muita reviravolta, muita adrenalina, emoção e escolhas difíceis! 
Me emocionei com o pronunciamento de Day quando escala o Capital Tawer! Arrepiei dos pés a cabeça!

"- Povo da República! Eles continuam a me saldar com
vivas.. - Meu nome é Day .. Lutei contra as mesmas 
injustiças contra as quais vocês estão protestando hoje aqui.
Sofri as mesmas coisas que vocês. Como vocês vi meus 
amigos e família morrerem nas mãos dos soldados da República.
 - Passei fome, fui espancado e humilhado. Fui torturado, insultado e 
reprimido. Vivi nas favelas com vocês. Arrisquei a vida por vocês.
E vocês arriscaram suas vidas por mim. Arriscamos nossas vidas
por nosso país, não pelo país em que vivemos agora, mas
pelo país que esperamos ter. Vocês são todos, cada um de vocês, heróis..
(vivas eufóricos reagem as minhas palavras)
- Vocês confiam em mim? - grito. A multidão responde em uníssono.
( trechos daspág.281 e 282)


É ou não é para arrepiar? As palavras de Day foram tão verdadeiras, tão certas, relatando seus sentimentos e toda uma população insatisfeita! Que todos se levantaram por ele.. não se importando com o que quer que possa lhes acontecer.. E mesmo assim, diferente das outras vezes, Day pôde ver que os soldados não estavam coagindo a população com violência extrema, com tiros.. Ele viu por si, que talvez as intenções de Anden fossem realmente diferente, que talvez Anden queira realmente mudar o país.. E ali ele precisa tomar a decisão de apoiar ou não o Primeiro Eleitor. Pois a população está por um triz e basta uma palavra sua e tudo sairá do controle.. O Senado certamente o teme e percebe o seu poder diante o povo!

June e Day são levados ao hospital, há o reencontro de Day com seu irmãozinho e é simplesmente emocionante! O final de Prodigy não foi como eu gostaria, pois achei que Day e June, poderiam respirar um pouco e se curtirem, mas surge mais outro empecilho para impedi-los de correr um para os braços do outro. 
June percebe o quanto o ama.. E sua definição de sentimento por Day é linda!


"Anden pode ser o homem mais poderoso da República, mas Day
o garoto das ruas que não tem nada além da roupa do corpo e da
seriedade no olhar, é o dono do meu coração.
Ele é tudo o que é belo.
Ele é o raio de esperança em um mundo de escuridão.
Ele é a minha luz." 
(pág.301) 


OMG - Morri! Sério! O que mais me estressou, é que tudo isso acima, foram os pensamentos não ditos para Day, pensamentos esses que talvez, se ditos em voz alta poderia aproximá-los ainda mais.
Mesmo assim Day pede que June aceite a proposta que o Primeiro Eleitor fez para ela e diz que não podem ficar juntos. 
Day descobre algo sobre si, que o faz tomar essa atitude, mesmo que ame June com todas as suas forças, essa é a forma de protegê-la!  Fiquei com o coração na mão com a descoberta de Day.. E triste demais de ver que mais uma vez eles não conseguiriam ficar juntos.. em paz!



Preciso da continuação, por favor Editora Prumo.. Não nos faça esperar muito tempo!
Surtando!

A capa a meu ver é linda, a diagramação, assim como no volume anterior está perfeita!
Encontrei alguns erros, porém nada que me fizesse desanimar com a leitura!

20 comentários:

  1. Oi, :)


    Estou curiosa sobre essa série a um tempão e infelizmente ainda não pude conferir. Mas, que resenha foi essa? MInha curiosidade assumiu outro nivel O.o' rsrs'


    Me lembrou um pouco Divergente, o modo como ambas as histórias parecem no segundo livro botar á prova os sentimentos' dos personagens e do leitor.... =* rs'


    Ja ouvi muitos comentários positivos, quero ler *_*


    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  2. Hey! Ainda não pude ler essa série, embora eu esteja com o primeiro livro parado desde o mês passado. Pelo pouco que li do primeiro livro, o Day é cativante e simplesmente amei as partes que ele narrou, pelo menos as que li. Já a June, eu não simpatizei muito com ela,eu até entendo a tristeza, por perder o irmão e o desejo de vingança, mas eu simplesmente não sou fã dela kkkkk Pelo que você falou, o segundo é realmente, digamos assim, melhor. Amei o discurso do Day, ele é tão *----* E sobre a June, pq demorou tanto? Kkkkk, mas foi muito fofo mesmo. E isso era uma espécie de Quadrado amoroso? O.O Assim que terminar o primeiro, correrei para o segundo! Amei a resenha, bjos.

    ResponderExcluir
  3. Por isso que as vezes prefiro esperar ter todos os volumes pra começar a ler.
    Essa é uma série que eu tenho muita vontade de ler *-* Que bom que você gostou! também não vejo a hora de lançar o próximo pra começar ela :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelo comentário Cristiane!

    ResponderExcluir
  5. Então Mandaah, no primeiro volume não era quadrado amoroso .. Tinha a guria que já era apaixonada pelo Day e ele apenas percebia ela como amiga, criança, nada além..

    Mas em Prodyg os personagens tiveram opções.. rs

    Mas o que percebi é que eles se achavam inadequados um ao outro ou tinham medo de se entregar, porém o coração deles sempre pertenceu um ao outro!

    Leia minha resenha de Legend se ficar interessada:http://www.mixliterario.com/2012/10/resenha-legend-marie-lu.html


    E assim que tiver oportunidade leia os livros.. de preferência na sequência!

    ResponderExcluir
  6. Oi Dayane, obrigada pelo comentário.

    Dá uma lida na resenha do primeiro volume Legend:http://www.mixliterario.com/2012/10/resenha-legend-marie-lu.html


    Lembra Divergent em alguns aspectos por se tratar tb de uma distopia, mas garanto que tem suas diferenças e é tão bom quanto!

    ResponderExcluir
  7. Oi, :)


    Nossa, que vontade de ler que eu fiquei! - queria ter lido essa resenha antes pra ter conseguido economizar e comprar os dois agora... preciso desse livro!


    Sou completamente apaixonada por mocinhos misteriosos e fortes e parece que Day é exatamente isso. Quer dizer, como na maioria das distopias tem que ter algo de errado com a aparente passividade do governo e o modo como ele vai lutar contra isso... preciso saber como. O que mais me encantou foi o modo como dá pra perceber que se apegou a ele, como quando disse que queria gritar nas cenas em que ele era quase pego (pensei que eu era a única que tinha vontade de fazer isso O.o' kkk') e nesse trechinho dele no final... posso suspirar por um personagem que não conheço? *---* rs'


    Quanto a June eu também realmente gostei do modo como ela se parece, a promessa dela sobre se vingar realmente muito forte... mas como já li sua resenha do segundo livro, felizmente!, ela não vai cumprir a missão... Porém já sinto que esse vai ser um romance incrivelmente complicado (mas, qual não é né? =P rs')


    Parabéns pela resenha... desculpe eu ter me empolgado no comentário O.o' rs'


    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  8. Por nada ;)


    Acabei de ler sua resenha e sinceramente me apaixonei mil vezes mais pela história (meu comentário gigante lá, deve ter te dito isso O.o' rs')
    Ah, quando eu comparei com Divergente não foi nenhum pouco em um sentido ruim! rs' Divergente está ao lado de Jogos Vorazes, como minhas distopias favoritas e o fato de Legend e Prodigy ter me lembrado ele, só me fez querê-los mais :)
    Pela resenha de Legend já noite mesmo algumas diferenças... curiosa *---*


    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  9. Eu também gostei da capa!!
    Amei a resenha! Fiquei encantada com a história e esse quote é lindo!!! Com certeza quero ler, espero q o terceiro chegue logo!!!

    ResponderExcluir
  10. Então somos bem parecidas no que se trata de distopias Dayane, pois Divergent e Jogos Vorazes tb são super queridas! Foi com elas que aprendi a gostar tanto do gênero que não me deixa mais! rs

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ka! Confesso que não li essa resenha, por medo de pegar algum spoiler (o que é sempre inevitável, se tratando de trilogias e séries). Mas, Legend, e por sequência Prodigy, estão na minha lista de desejados e mal vejo a hora de poder lê-los. Não adianta! Distopias são minha paixão, haha. Tudo começou com Jogos Vorazes, e nossa! Virou meu gênero favorito; Amo! Amo! Amo! Só não sei ao certo se, espero o terceiro volume, ou encaro os dois primeiros e fico na curiosidade (imensa!) até o lançamento do próximo. E agora? O que você me diz? Hahaha. Beijocas.

    ResponderExcluir
  12. Eu não tenho certeza com relação a meus sentimentos com essa série, o fato é que quero e não quero ler. É uma série que tem se tornado muito genérica se comparada a outras distopias e isso me repele, gosto mesmo é de tramas originais, algo novo e tenho encontrado esse tipo de coisa em outros livros. Não posso deixar de dizer que as resenhas que tenho lido (inclusive essa) são muito animadoras, sempre termino de ler com vontade de comprar o livro.

    ResponderExcluir
  13. Só li críticas positivas a respeito do primeiro livro e da autora, mas não sei se é uma distopia que me agradaria \: Sabe quando você ainda não foi totalmente convencida pela história a ponto de fazer o investimento na compra? Pois é ]: .
    Mesmo a história não me chamando muito a atenção, eu adoooorei a capa do segundo volume! Tinha gostado da capa do primeiro, mas essa do segundo se superou! Adoro azul u_u <3 ashduhasudhiuahduaisd
    Quem sabe quando a trilogia for concluída eu não me animo para dar início a leitura né? \o


    Beeeijinhos! :*
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Morri também com o quote da página 301 *-*
    Fiquei triste por saber que Day & June ainda não se acertam neste livro :( E acho que não gostei dessa Anden :P Na verdade não gosto de triângulos, quadrados ou o qualquer relacionamento nessas proporções. Gostei bastante de Legend pois ele me fez ver que as distopias podem ser sim algo bom, gostei dos personagens e da narrativa dupla. Não vejo a hora de ler Prodigy.


    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir
  15. ♪ Dαyαnє ♪29 outubro, 2013

    Respondendo/Me identificando *-*

    ResponderExcluir
  16. ♪ Dαyαnє ♪29 outubro, 2013

    Respondendo meu comentário O.o'

    ResponderExcluir
  17. ♪ Dαyαnє ♪30 outubro, 2013

    Identificando- me -P

    ResponderExcluir