Resenha: "A Caçada" - Clive Cussler


Por décadas, Clive Cussler vem deleitando leitores com romances repletos de suspense, ação e pura audácia. Agora, ele faz isso novamente, em um dos mais loucos e estimulantes thrillers de época dos últimos anos. O governo norte-americano contrata a renomada Agência de Detetives Van Dorn e seu agente igualmente renomado, Isaac Bell, para capturar um lendário ladrão de bancos conhecido como Assaltante Açougueiro. Este assassinara homens, mulheres e crianças, sem deixar nenhuma pista nem testemunhas. O detetive Bell lidera a busca e finalmente descobre a verdadeira identidade do Assaltante Açougueiro. E nesse momento inicia-se a verdadeira caçada. Com um enredo intrincado, dois vilões extraordinários e a assinatura de Cussler em reviravoltas surpreendentes, A Caçada é o trabalho de um mestre no auge de seu talento.

Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Edição: 1
Páginas: 384
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4

O livro começa em Montana, no ano de 1950, onde uma barcaça recupera a até então naufragada locomotiva a vapor número 3025, construída pela Fábrica de Locomotivas Baldwin da Filadélfia, Pensilvânia.  Dentro dela três corpos perdidos pelo tempo e uma história fantástica...

A verdadeira história tem início em 1906, com um temível bandido a solta. O assaltante açougueiro é um bandido altamente sofisticado, com planos perfeitamente executados. Sem deixar rastros. Sem cometer erros. Sem deixar testemunhas. Em cada cidade assaltada, mais vítimas são feitas, mas não se tem pistas de sua identidade. Apesar de ter matado mais de 38 pessoas, entre homens, mulheres e crianças,  o assaltante açougueiro não sentia nenhum remorso.

Os crimes ocorrem em diversos locais: desde Placerville, Califórnia, no oeste até Terlíngua, Texas, no leste. De Bisbee, Arizona, no sul, até Bozeman, Montana, no norte. 
O Coronel Henry Danzler, diretor do Departamento de Investigação Criminal do governo dos Estados Unidos entra em contato com Joseph Van Dorn, dono da agência de Detetives Van Dorn para pedir ajuda para descobrir a identidade desse assassino. Van Dorn indica o seu melhor investigador para a tarefa, Isaac Bell,  um homem de olhos azuis com toques de violeta muito perspicaz. Com a ajuda de mais dois investigadores da agência, Curtis e Irvine, Issac Bell começará uma caçada implacável atrás do criminoso.
A construção dos personagens é muito bem feita. Tanto o mocinho quanto o vilão chamam a atenção do leitor por sua genialidade. O egocentrismo do "açougueiro" chega próximo a um delírio.

Um detalhe interessante nesse livro foi a classificação do criminoso como sociopata (levando em conta que a trama acontece em 1906).
Com personagens envolventes e uma escrita apaixonante, Clive Clussler conquista os leitores do gênero com uma trama repleta de ação, mistério e romance.
Em relação a revisão, diagramação e layout a editora está de parabéns. A capa combina com os demais livros da série já publicados pela Novo Conceito e dão um ar de filme antigo de espião.

5 comentários:

  1. Oi, :)


    Pra ser sincera, esse não é o gênero que mais leio... ao mesmo tempo gosto desse tipo de história (Não, eu não faço sentido u.ú kkk')

    Mesmo nunca tendo sido atraída por essa capa antes, e nem acompanhar a série, sinto que talvez fosse gostar. Ainda mais pelo modo como você falou da escrita do autor. :)


    Enfim, não sei se vou conferir... mas, se sim, será por causa desse post ^^'

    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  2. Bom, sendo sincera esse tipo de livro realmente não me atrai, ainda mais se passando em uma época tão remota. Não curto muito o gênero e pra ser bem sincera até mesmo a trama não me agradou. Entretanto tenho que elogiar as capas dessa série, são um trabalho maravilhoso!
    Esse tipo de desenho dá uma identidade enorme a série e bem característico da época em que a história se passa, adorei!

    ResponderExcluir
  3. Não é bem o livro que eu mataria para ler hahaha. Achei um tanto inusitado chamarem ele de assaltante "açougueiro" e depois sair a palavra "sofisticado", sempre imaginei açougueiros meio brutos e tal rs brutos na hora de matarem e cortarem. Interessante... gosto dos desenhos nas capas dessa série.


    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Carol! Tudo bom? ((((:
    acho as capas dessa série muito bem trabalhadas, mas confesso que a história não me chama atenção. Não é o tipo de história que me prende, então eu nem me arrisco a comprar. Acho que os romances combinam mais comigo u_u auhduahsiudhiuashdiasd.
    Mesmo assim, gostei da sua resenha. Parece ser um livro muito bem escrito e, pra quem curte o gênero, um prato cheio.


    Beijinhos e uma ótima semana! :*
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Adoro os livros do Clive, me sinto dentro das estorias, como se estivesse assistindo um filme.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir