Resenha: "Jardim de Inverno" - Kristin Hannah


Meredith e Nina Whiston são tão diferentes quanto duas irmãs podem ser. Uma ficou em casa para cuidar dos filhos e da família. A outra seguiu seus sonhos e viajou o mundo para tornar-se uma fotojornalista famosa. No entanto, com a doença de seu amado pai, as irmãs encontram-se novamente, agora ao lado de sua fria mãe, Anya, que, mesmo nesta situação, não consegue oferecer qualquer conforto às filhas. A verdade é que Anya tem um motivo muito forte para ser assim distante: uma comovente história de amor que se estende por mais de 65 anos entre a gelada Leningrado da Segunda Guerra e o não menos frio Alasca. Para cumprir uma promessa ao pai em seu leito de morte, as irmãs Whiston deverão se esforçar e fazer com que a mãe lhes conte esta extraordinária história. Meredith e Nina vão, finalmente, conhecer o passado secreto de sua mãe e descobrir uma verdade tão terrível que abalará o alicerce de sua família… E mudará tudo o que elas pensam que são. “Difícil não rir um tanto e chorar ainda mais com a história de mãe e filhas que se descobrem no último momento.” – Publishers Weekly A história que sua mãe conta é como nenhuma outra já ouvida por elas antes — uma história de amor cativante e misteriosa que dura mais de sessenta anos e parte da Leningrad congelada e devastada pela guerra até o Alasca, nos dias atuais. A obessão de Nina por esconder a verdade as levará a uma inesperada jornada ao passado de sua mãe, onde descobrirão um segredo tão chocante, que abala a estrutura da família e muda quem elas acreditam ser.
Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Edição: 1
Páginas: 416
Skoob: Clique aqui
Avaliação: 5 S2

 O livro começa em 1972 com Meredith e Nina ainda crianças. Tentando agradar a mãe, que é uma pessoa emocionalmente fria, as meninas mais o seu melhor amigo Jeff montam uma surpresa para Anya, que reage de modo inesperado e cruel. Após esse acontecimentos, as meninas não tiveram mais um relacionamento com a sua mãe, apenas conviveram embaixo do mesmo teto. 

"Mamãe havia mudado aquele dia, e Meredith também. Fiel à sua palavra, a irmã nunca mais ouvira os contos de fadas da mãe, mas essa fora uma promessa fácil de cumprir, já que Mamãe jamais voltara a contar uma história". (p. 55)

O momento dos "Contos de fadas" era o único momento em que Anya era mais "humana" com suas filhas.

A história dá um pulo para o ano de 2000 e observamos uma Meredith mãe de família, casada com o melhor amigo Jeff. Com o pavor de se tornar a sua mãe, Meridith tornou-se uma mãe dedicada ao extremo para Maddy e Jillian, tão dedicada que abriu mão da própria vida e de seu relacionamento. Casados há alguns anos, os dois estão tendo problemas conjugais, pois não estão mais se conectando e agora que as duas filhas já são praticamente adultas (19 e 18 anos), sobraram apenas os dois na casa.
Já Nina tornou-se uma fotógrafa de conflitos pelo mundo. Capaz de captar através de suas lentes momentos preciosos, Nina foge de relacionamentos sérios, mas no momento está saindo com Danny, um atraente irlandês de 39 anos que é correspondente de guerra.

"Os dois se conheceram em uma cabana abandonada no Congo, durante a primeira guerra, ambos protegendo-se do pior dos combates; ela, para recarregar a câmera, ele, para tratar um ferimento no ombro". (p.39)

Vivendo em mundos diferentes, as duas vão ter que se reunir após vários anos pois seu pai fica doente. Cumprindo uma promessa feita a ele, as garotas vão ter que aprender a perdoar e esquecer as mágoas do passado, para descobrir o que realmente aconteceu com a sua mãe.
Anya é uma personagem surpreendente. Conforme vamos conhecendo sua verdadeira história, é impossível não se emocionar. Anya é uma sobrevivente. Através de suas lembranças, vamos conhecer os horrores da guerra, a perda da sanidade das pessoas que passaram por ela e a perda de familiares e pessoas queridas. Sem dúvida é tocante.

"Os anos de 1930 foram caracterizados pelo Grande Expurgo do Partido Comunista, no qual a polícia secreta de Stalin prendeu camponeses, políticos oponentes que pareciam ser radicais, minorias étnicas e artistas. Foi um período de ampla  vigilância policial, prisões no meio da noite, "julgamentos" secretos, anos de aprisionamento e execuções". (p.249)

Em relação a diagramação, revisão e layout, a editora está de parabéns pelo trabalho. A capa é linda, delicada e está totalmente relacionada com a trama, inclusive a borboleta. O livro certamente se tornou um dos meus favoritos de 2013.
Espero que tenham gostado da resenha.


6 comentários:

  1. Bom dia Carol, tô qrendo mt esse livro!
    Já tava com vontade de lê-lo e depois da sua resenha fiquei com mais vontade ainda!

    Bjooos e boa semana

    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Desde o primeiro momento que vi esse livro apaixonei, próxima compra! <3 Estou apostando tudo, parece ser a minha cara, adoro dramas, livros emocionantes, no passado, ótima resenha!

    Garota das Letras - http://garotadasletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha, tou com muita vontade de ler esse livro <3 Parece ter um enredo bem interessante, e a capa é toda linda. Espero ler logo!
    beijos!

    ResponderExcluir
  4. O livro em si não faz muito meu estilo, o pessoal adora a autora, a capa é linda, mas ele realmente não me chamou a atenção, uma pena msm.
    Melhor pra mim pq minha lista de desejados está grande demais poxa!

    ResponderExcluir
  5. Apesar do gênero não ser o q mais me agrada, a capa linda e sinopse me deixam curiosa!!
    Espero ler em breve...

    ResponderExcluir
  6. Eu amo essa capa, sério *--* rs'

    Mas, ainda assim essa história não me atrai... =/ Já comentei aqui uma vez que gosto de outro tipo de leitura, mais ficção, mais sobrenatural... não me 'encontrei' nesse livro =*

    ResponderExcluir