Resenha || Abandono - Meg Cabot


Pierce tem dezessete anos de idade e sabe o que acontece quando morremos. É assim que ela conheceu John Hayden, o misterioso estranho que fez ela voltar a vida normal — ao menos a vida que Pierce conhecia antes do acidente — quase inacreditável. Embora ela pense que escapou dele — começando em uma nova escola em um novo lugar — confirma-se que ela estava errada. Ele a encontra. O que John quer dela? Pierce acha que sabe… também acha que ele não é um anjo da guarda, e seu mundo sombrio não é exatamente o céu. Mas ela não consegue ficar longe dele, especialmente porque ele está sempre lá quando ela menos espera, exatamente quando ela mais precisa. Mas se ela deixa cair qualquer coisa, ela pode se ver no lugar que ela mais teme. E quando Pierce descobre uma verdade chocante, sabe de onde John a salvou: o submundo.
Editora: Galera Record
Ano: 2013
Páginas: 320
Tradutor: Camila Mello
Avaliação: 4

“Abandono” é o primeiro livro da trilogia de mesmo nome da nossa querida Meg. Ele traz em seu enredo a história de Pierce que teve uma experiência pós-morte e sabe exatamente o que acontece quando passamos para o outro lado. E foi com essa experiência que ela conhece o charmoso John Hayde. O misterioso rapaz a faz voltar à vida, porém, antes de retornar, Pierce recebe de presente um misterioso colar.

Começando em um novo lugar, Pierce espera manter-se afastada de tudo que a liga ao acidente e suas consequências e isso inclui Jonh. Entretanto ela está enganada, ele é capaz de encontrá-la em qualquer lugar. Pierce desconfia saber o que ele quer e uma coisa que ela sabe ao certo: John Hayden pode ser irresistível, mas ele não é nenhum anjo e muito menos que seu mundo sombrio não é exatamente o céu. Contudo, ela não consegue ficar longe dele, especialmente porque ele está sempre lá quando ela mais precisa e ao descobrir a verdade sobre seu acidente, sabe exatamente de onde John a salvou: o submundo.

A princípio o enredo não tinha me conquistado, sentia um pouco de falta do bom humor constante das histórias da Meg. Porém, aos poucos fui sendo conquistada por esse lado meio sombrio dela e acabei me encantado pela história. O livro é baseado no mito de Hades e Perséfone e é tão rico em detalhes que quando você percebe a leitura já acabou. Há outros mitos que são mencionados e, apesar de ser um livro de ficção, a autora também adicionou um pouco de fatos reais à história e, sem dúvida, Meg acertou em cheio na mistura de mitos e realidade.

O livro é narrado em primeira pessoa, o que torna mais fácil a compreensão das características dos personagens e espero ver alguns deles melhor explorados nos próximos volumes. Meg também consegue descrever o ambiente onde a narrativa se passa de forma realista. Essa obra, em especial, é muito bem descrita, principalmente quando ela passa a narrar o submundo e o mito de Hades. A riqueza de detalhes e os fatos históricos envolvidos no enredo são simplesmente maravilhosos.

Por fim, Meg nos conduziu a um mundo de mistério, suspense e amor e nos envolveu em seu enredo brilhante, nos fez viajar a cada página sem desgrudar os olhos de cada palavra, a espera de um novo acontecimento. Só me resta aguardar o próximo livro e descobrir o que Pierce nos trará de surpresas.

Boa Leitura.

Perséfone e Hades  
Na mitologia grega, Perséfone era filha de Zeus e de Deméter, deusa da agricultura, tendo nascido antes do casamento de seu pai com a deusa Hera. Quando os sinais de sua grande beleza e feminilidade começaram a brilhar, em sua adolescência, chamou a atenção do deus Hades, que a pediu em casamento.
Hades, sem querer consultar Deméter, e nem se quer ligar para a opinião de Zeus, seu irmão, emergiu da terra e raptou-a levando-a para seus domínios (o mundo subterrâneo), fazendo dela sua rainha. Sua mãe, ficando inconsolável, acabou por se descuidar de suas tarefas: as terras tornaram-se estéreis e houve escassez de alimentos, e Perséfone recusou-se a ingerir qualquer alimento e começou a definhar. Deméter junto com Hermes foram buscá-la ao mundo dos mortos, a pedido de Zeus. Entretanto, a única maneira para que ela pudesse sair do mundo dos mortos era se ela não estivesse ingerido nada, porém ela havia comido uma semente de romã. Diante desta situação, fez-se um acordo: ela passaria metade do ano junto a seus pais, quando seria Perséfone, a eterna adolescente, e o restante com Hades, quando se tornaria a sombria Perséfone. Este mito justifica o ciclo anual das colheitas e das quatro estações.

Fonte: Mitos Gregos

4 comentários:

  1. Não sou muito fã de livros escritos na primeira pessoa, mas o fato da temática do livro ser sombrio e envolver experiência pós-morte supera isso.
    Quero ler logo mais.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo mitologia e então fiquei bem curiosa com esse livro!!!
    Gosto muito dessa capa, e quero muito ler a história dos dois!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu conheço o conto que inspirou o livro e de fato ele dá margem a várias interpretações que possíveis autores podem fazer para criar uma história, muito bacana!
    Estou querendo ler esse livro, e essa capa linda só ajuda!

    ResponderExcluir
  4. Oi, :)

    Pra ser sincera, mesmo amando tanto os livros da Meg, esse em particular nunca chamou minha atenção o bastante para procurar uma resenha dele- a sua foi a primeira exatamente por sentir que faltaria exatamente o que você disse que faltou mesmo rs' O Bom humor tão característico de Meg. Quer dizer que, pela sinopse, parece ser um livro com uma história mais tensa, mais próxima da realidade deixando talvez pouco espaço para a Meg Brilhar kk'

    Mas, só pelo fato de ter mitologia, acho que vou tentar a leitura ^^

    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir