Resenha: Hades – Alexandra Adornetto


Sinopse:

Bethany Church é um anjo enviado à Terra para combater as forças das Trevas. Apaixonar-se nunca fez parte da sua missão, mas o vínculo entre ela e seu namorado mortal, Xavier Woods, é forte. Mas mesmo o amor de Xavier e os cuidados de seus irmãos anjos, Gabriel e Ivy, não impedirão que Beth seja levada a um passeio de moto que acabará no Inferno. Lá, o demônio Jake Thorn não permitirá que Beth volte à Terra e pedirá a ela algo que poderá destruí-la e também a seus familiares.


Hades é o segundo livro da trilogia e para mim foi um dos mais esperados do ano. Quando li Halo havia uma febre de livros sobre anjos e na minha humilde opinião ele foi o que mais se enquadrava dentro perfil de anjos. Amei a escrita suave e delicada da autora, encantando-me com sua narrativa. Então quando terminei estava completamente louca pela sua continuação. Por meses entrei na pré-venda da Saraiva, esperando encontrar Hades entre as novidades. O dia que ele apareceu, cheguei a dar gritinhos e bater palmas de tanta animação. Mas agora preciso dizer que o livro não foi tudo o que esperava, apesar da escrita da autora, e me decepcionei.

No final de Halo os anjos conseguem enviar Jake de volta ao inferno e Beth pode viver tranquilamente seu amor adolescente por Xavier. É justamente nesse ponto em que Hades começa, meses depois do ocorrido entre anjos e demônio. Agora ela e Xavier estão tão loucamente apaixonados, que o relacionamento começa a incomodar os amigos e os irmãos anjo. A coisa acabou se tornando uma estranha dependência, onde um não consegue fazer nada sem o outro. Fica meloso e chato aos olhos dos outros, que tentam alertar Beth para o fato.

As amigas dela estão preparando uma super festa de dia das Bruxas. Mas Beth prefere ficar em casa namorando Xavier a ir à festa. De tanto elas insistirem, Beth acaba concordando e na noite da festa vai com Xavier para uma propriedade afastada da cidade. Lá as amigas resolvem fazer uma sessão espírita, usando aquela velha brincadeira com o copo para invocar um espírito. Beth alerta que não é bom fazer aquilo. Ela, como anjo, sabe que a noite do dia das bruxas pode realmente abrir as portas para espíritos ruins. Só que seus alertas não surtem efeitos e ela resolve participar. No momento da brincadeira algo sai errado e o demônio de Jake  é invocado.

Ela sai do quarto completamente desnorteada e amedrontada com o acontecimento. E para completar, um alvoroço começa por causa de um acidente. Ela então descobre que Xavier está terrivelmente ferido e perde completamente o foco, pecando carona de moto com o ex namorado de uma das amigas. Quando chegam perto de Xavier, ela percebe que ele não está machucado, mas parece apavorado com algo. Só então se da conta que o rapaz da moto é na verdade Jake, que acaba partindo com ela e a levando para o inferno.

No inferno Beth e apresentada a um novo mundo. Lá ela conhece boates luxuosas, fica hospedada em um hotel cinco estrelas, tratada como rainha e com Jake fazendo todas as suas vontades. Ele faz questão de exibir Beth como prêmio para outros demônios e ela se vê incapaz de fazer algo para sair da situação.

Com ajuda do segurança pessoal, Beth é levada a um rio onde as águas são capazes de fazer as pessoas irem para o reino dos vivos através de sonhos. É com isso que ela consegue ver como estão Ivy, Gabriel e Xavier, que tentam encontrar uma forma de entrar no inferno e resgatá-la.

Bem gente, acho que contei mais do que deveria sobre a trama. Agora vou falar sobre as minhas impressões e opiniões sobre ela.

A narrativa da autora permanece deliciosa. Ardonetto sempre consegue me encantar com sua narrativa, mas acho que nessa estória ela se perdeu completamente. Existem pontos soltos e de controvérsias demais nesse livro. Isso não me agradou e por muito pouco não desistir da leitura.

O primeiro fato relevante a considerar é como um anjo, um ser espiritual do Senhor, participa ativamente de uma festa das bruxas e de uma sessão espírita? Eu não sei se todos aqui já brincaram com o compasso, o copo, a tesoura e suas variações. Eu passei por essa experiência algumas vezes, quando era criança e adolescente, e devo dizer que não foi muito agradável. Algumas pessoas são descrentes, não acreditando que há a possibilidade de chamar algo ruim. Eu, que já parcelei, sei que isso é possível. Então não aconselho a chamar espíritos, porque ocasionalmente um deles aparece e tenta se divertir com você. Agora o que muito me espanta é um anjo participar de algo do tipo, mesmo sendo não adolescente. Acho que esse foi o primeiro erro do livro. Beth nunca deveria ter concordado em participar daquilo, ainda mais no dia das bruxas. Deveria ter partido, para início de conversa.

O segundo erro foi um demônio conseguir levar o anjo para o inferno, sendo ele protegido por Deus. Ele só conseguiria isso, teoricamente falando, se o anjo “caísse” e perdesse as asas. Fora isso, não entendo como foi possível e como Beth não teve forças para lutar. Além disso, o inferno mais pareceu uma viagem para o paraíso. Com um inferno desses todos vão querer ir,né? É claro que havia uma parte mais sofrida dele, isso a autora não deixou de narrar. Mas a visão mostrada foi a do mundo que vivemos, só que um pouco mais sombrio. Nada de mais. Ficar em um hotel cinco estrelas, comendo do bom e do melhor, vestindo as melhores roupas, sendo paparicada o tempo todo e ainda com um demônio “babaca” fazendo as vontade é fácil. Queria ver Beth no caldeirão de fogo. Isso sim seria complicado. Essa visão de inferno para mim foi uma total perda de tempo. Deu a impressão que a autora não sabia o que escrever e foi fazendo qualquer coisa. Ficou bizarro. Demônio que é demônio não pede, não se humilha, não implora. Maltrata, humilha, machuca, brinca e toma o que quer. Jake fez papel de idiota até diante do “coisa ruim” para tentar proteger e salvar Beth. Achei tudo ridículo. Você imagina o demônio do exorcista fazendo carinho no anjo? Eu não!

Terceiro erro do livro foi à narrativa de Beth para os fatos ocorridos na terra. A autora poderia ter escolhido uma narrativa em terceira pessoa. Essa coisa dela sonhar e narrar tudo o que ocorria com os anjos e com Xavier ficou muito estranha. O pior que parecia que estava realmente na cena, quando falava dos sentimentos deles. Acho que foi uma grande derrapada.

Quarto erro foi à falta de fé. Quando uma pessoa está em perigo ou sofrendo uma aflição por quem chama? Normalmente chamamos pela mãe ou por Deus, não é? Beth não tem mãe, então o natural, como anjo, seria se ajoelhar e clamar por Deus. Eu não me lembro dela ter tido um momento íntimo com Deus em sua aflição. Muito menos os anjos na terra. Beth confiava nos irmãos anjos a salvarem e eles esperavam por uma decisão do conselho para tentar entrar no inferno. Nesse lenga lenga até sessão de exorcismo os anjos fizeram. E para piorar a situação, ainda colocaram Xavier e a amiga de Beth na busca da passagem. Gabe não me pareceu com o do outro livro. Yvy ainda estava um pouco mais centrada, mesmo assim deixou a desejar também. Ai eu te pergunto, se você vai fazer um livro sobre anjos celestiais, puros, cheios de amor, perseverança e confiança em Deus precisa deixar claro a fé deles. Se eu coloco os meus joelhos no chão e peço, como os anjos não pediriam? Até os demônios demonstraram mais fé e respeito ao “coisa ruim” do que os anjos. Brincadeira, né?

O último, e lamentável, erro foi a entrada triunfal dos anjos e de Xavier no inferno para resgatar Beth e como eles acabaram com Jake. Desse eu não posso falar, mas fica a dica para quem vai ler o livro.  Nesse ponto a autora perdeu totalmente a coerência. Cheguei a rir com tudo.

Como deixei exposto acima, esse foi um dos livros mais esperados do ano e adoro a escrita da autora, mas ela viajou completamente em Hades e perdeu o fio da meada. Para ela eu darei 3 estrelas, por gostar dela e na esperança dela se recuperar no próximo livro. Continuo querendo, muito, ler o final dessa trilogia. O meu interesse aumentou após a última página do livro. Vamos ver o que Ardonetto tem para nós.

Bjs no core

ISBN: 9788522012596
Livro: Hades
Autora: Alexandra Adornetto
Editora: Agir
Ano: 2012
Páginas: 336
Avaliação: 3

2 comentários:

  1. Li o volume 1 e gostei. pretendo ler este também. Uma pena estes "porens" que você citou.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Glau, tudo bem?
    Já chegamos até a conversar sobre esse livro... fiquei um pouco decepcionada com ele, mas mesmo assim não vejo a hora de ler o último e descobrir o que vai acontecer...
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir