Resenha: Um Ano Inesquecível - Ronald Anthony





                                                                 Sinopse

Você acredita que o amor pode durar para sempre? Jesse Sienna não. O casamento de seus próprios pais era respeitável mas sem paixão; e sua própria história romântica indica que o amor queima ardentemente antes de desaparecer por completo. Então, quando seu pai, Mickey, muda-se para sua casa e parece não compreender o relacionamento superficial de Jesse com sua atual namorada, mas Jesse não lhe dá atenção.
É apenas um exemplo do quão diferente eles são e fica mais evidente que ele e seu pai nunca terão uma ligação mais profunda.Mas a verdade é que Mickey Sienna conhece mais sobre amor do que a maioria das pessoas conseguem aprender na vida toda.Há mais de cinquenta anos, ele encontrou o amor mais verdadeiro que a vida pode oferecer. Ele sabe das infinitas recompensas de investir seu coração e sua alma em alguém... E conhece o prejuízo devastador de deixar esse alguém perfeito escapar. Quando Mickey percebe que Jesse não está dando valor a uma mulher extraordinária, decide que é hora de contar a história que nunca contou para nenhum de seus filhos a Jesse. Durante os meses seguintes, Mickey mostra seus momentos mais particulares e felizes para seu filho... e muda a percepção de Jesse em relação ao amor e as possibilidades de um relacionamento duradouro para sempre.

Ronald Anthony é um escritor que me ganhou literalmente, pois ele escreve com uma visão ampla que consegue aproximar o leitor de forma irremediável aos seus personagens. Fazendo até mesmo com que nos identifiquemos muitas vezes com uma ou outra situação.

Gosto muito de livros que retratam o meio familiar e esse livro foi uma dos que mais gostei de ler no gênero.

Nessa história conheceremos Jesse, um jornalista que ainda não conseguiu o grande bum na sua carreira e por isso sente-se um tanto quanto distante da realidade de sua família, que são bem sucedidos em suas profissões, ele nutre esperança de que uma hora sua carreira irá alavancar.

Seu pai, Mickey Sienna, um homem de 83 anos, vive muito bem sozinho, até que por descuido, ateia fogo em sua cozinha em uma tentativa frustrada de fritar um ovo e aí seus filhos decidem qual será a melhor maneira de manter seu pai seguro. Várias sugestões são dadas, mas Jesse percebe que o melhor seria ele mesmo cuidar de seu pai e aí decidi levá-lo para morar consigo. Os outros filhos são contra, porém o próprio pai decide que é melhor ir morar com Jesse.

Jesse e Mickey possuem uma diferença de idade de 50 anos, e não são lá muito próximos; vão tentando se encaixar um na vida do outro.
Jesse está namorando Marina, uma mulher que passou por um relacionamento complicado e por isso ambos, não possuem grandes expectativas da relação que estão levando, porém Mickey percebe que eles, Jesse e Marina, estão levando a relação de forma errada e que Marina é a mulher certa para a vida de Jesse, com isso Mickey resolve interferir na relação tentando persuadir Jesse a ir pelo caminho certo. Conta-lhe uma história sobre o grande amor de sua vida, algo que muitos desconhecem...

Essa história é emocionante, a forma como Jesse apesar de não ser tão próximo de seu pai, se preocupa com seu bem estar e resolve tomar para si a responsabilidade de cuidar de Mickey, a maneira como eles vão se conhecendo e se conectando, tudo isso mexeu muito comigo e me fez ter boas horas de leitura.

Uma história sensível, emocionante e inesquecível! 
Adorei! 



ISBN: 9788581630335
Livro: Um Ano Inesquecível
Autor (a): Ronald Anthony
Editora: Novo Conceito
Ano: 2012
Edição: 1
Páginas: 303
Avaliação: 4

Resenha: Sob a Redoma - Stephen King


Sinopse

Em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer. Os moradores de Chester’s Mill percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem, aparelhos eletrônicos entram em pane ao se aproximar da redoma e a situação fica ainda mais grave quando a cidade se vê exposta às graves consequências ecológicas da barreira. Para piorar a situação, James “Big Jim” Rennie, político dissimulado e um dos três membros do conselho executivo da cidade, usa a redoma como um meio de dominar a cidade. Enquanto isso, o veterano da guerra do Iraque, Dale Barbara, é reincorporado ao serviço militar e promovido à posição de coronel. Big Jim, insatisfeito com a perda de autoridade que tal manobra poderia significar, encoraja um sentimento local de pânico para aumentar seu poder de influência. O veterano se une a um grupo de moradores para manter a situação sob controle e impedir que o caos se instaure. Junto a ele estão a proprietária do jornal local, uma enfermeira, uma vereadora e três crianças destemidas. No entanto, Big Jim está disposto até a matar para continuar no poder, apoiado por seu filho, que guarda a sete chaves um segredo. Mas os efeitos da redoma e das manobras políticas de Jim Rennie não são as únicas preocupações dos habitantes. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva.


Caramba! Essa foi à palavra que fiquei repetindo durante a leitura de Sob a Redoma!
Primeira leitura depois dos HQ'S e fiquei ainda mais fascinada com a escrita de Stephen King! As horas gastas com essa leitura valeram muito e cada virada de página ia me deixando louca para seguir adiante!

Chester's Mill é uma pequena cidade do Maine que de uma hora para outra ficou isolada do restante do mundo devido a uma redoma que apareceu aparentemente de uma hora para outra e sem explicações!

Essa redoma está intrigando tanto os moradores da pequena cidade como ao próprio exército que vem tentando desvendar o mistério e de alguma maneira desfazer a redoma voltando assim a integrar Chester's Mill ao restante do mundo!

As pessoas estão em pânico, pois tal redoma trouxe acidentes para a população e isolou de forma a deixá-los sem meios de sobrevivência a longo prazo. Qualquer um em uma situação dessas acabaria entrando em pânico, pois o direito de ir e vir não existe a não ser nos limites da redoma. Coisas extremamente estranhas vão acontecendo ao longo das páginas e prendendo o leitor a cada virada de página!

Eu amei! Amei este livro. Apesar de ser praticamente uma bíblia, não enjoei e li com muito gosto.

O Stephen tem um jeito de prender o leitor que fascina!
Recomendo sem sombra de dúvidas!

ISBN: 9788581051130
Livro: Sob a Redoma
Autor (a): Stephen King
Tradutor:
Maria Beatriz de Medina 
Editora: Suma de Letras
Ano: 2012
Edição: 1
Páginas: 960

Resenha: Fingindo ter 19 anos - Alyson Noel


 Sinopse

Na superfície, Alex tem 17 anos; ela é linda e inteligente. Além disso, ela é a melhor amiga de M., a garota mais popular da escola. Sentindo-se entediadas com sua cidade suburbana, Alex e M. decidem ir à Los Angeles para uma noite memorável. Fingindo terem 19 anos, Alex e M. conhecem Trevor e Connor, dois caras ricos e mais velhos. Primeiro, Alex não consegue acreditar em sua sorte – ela está indo à festas em Hollywood e clubes de Los Angeles. Essa viagem de final de semana está se tornando a distração perfeita para Alex, que secretamente anda falhando nas notas, com seu pai ausente e sua mãe sem noção. Mas, depois que a diversão inicial desaparece para Alex, ela é forçada a reavaliar sua amizade com M., que esconde alguns segredos sob sua capa de perfeição

Eu tenho certa dificuldade com as séries da autora Alyson Noel. Normalmente os primeiros livros me agradam, mas conforme as séries avançam, eu perco o gosto pelo livro. Por isso, achei que seria interessante avaliar um livro da autora que não faz parte de uma série e ao ver “Fingindo ter 19 anos” em promoção em uma loja virtual, não hesitei em comprá-lo.

Alex cresceu em Orange County, lar das famílias ricas, mas após o divórcio de seus pais, seu pai se tornou uma figura ausente, inclusive financeiramente e sua mãe teve que encontrar um trabalho para sustentá-las, mas ainda vive remoendo os problemas do passado, não prestando muita atenção em Alex. Sua relação com a escola é de total apatia, pois não demonstra interesse nas aulas e corre até o risco de repetir de ano. Além disso, não possui mais tantas oportunidades de ingressar na universidade como antigamente (pois era uma aluna exemplar). Sua melhor amiga é M., uma das garotas mais populares da escola e que aparentemente é toda certinha, mas que na verdade esconde segredos e meio que vive uma vida dupla. As garotas vão à Los Angeles constantemente, seja para tomar um café ou apenas ficar sem fazer nada, é um modo de escapar da realidade. Em uma dessas saídas, Alex conhece Connor, um gatinho britânico de 20 e tantos anos. Quando se conhecem M. diz que as garotas têm 19 anos, e vão descobrir um novo mundo, cheio de festas VIPs, muito sexo e drogas. Mas Alex começa a ver que esse mundo alegre que foi apresentado a ela, não é tão alegre assim, e começa a refletir sobre a sua vida. O livro ainda conta com muitas intrigas, mentiras e testes de amizades.

“... Mas você não pode controlar as atitudes das outras pessoas. Só pode controlar sua reação. E você tem de escolher as batalhas que irá lutar com sabedoria, pois sentir raiva exige muita energia. Uma energia que você poderia usar melhor..... Mas é hora de você se responsabilizar pelo que virá em seguida. Não use o passado como desculpa para não chegar aonde você quer”. (pág. 215).

“Fingindo ter 19 anos” é um livro sobre amadurecimento, sobre as escolhas que fazemos e sobre perdão. É uma leitura gostosa, mas não é espetacular. Não há durante a leitura um momento clímax, e o livro fica sem muitos atrativos. A capa não me agradou, mas a revisão e a escolha da fonte estão ótimas.

Espero que tenham gostado da resenha.



ISBN: 9788576795377
Livro: Fingindo ter 19 anos
Autor (a): Alyson Noel
Editora: Novo Século
Ano: 2011
Edição: 1
Páginas: 272
Skoob

Resenha: O hipnotista - Lars Kepler






Sinopse


O massacre de uma família nos arredores de Estocolmo abala a polícia sueca. Os homicídios chamam a atenção do detetive Joona Linna, que exige investigar os assassinatos. O criminoso ainda está foragido, e há somente uma testemunha: o filho de 15 anos, que sobreviveu ao ataque. Quem cometeu os crimes o queria morto: ele recebeu mais de cem facadas e está em estado de choque. Desesperado por informações, Linna só vê uma saída: hipnose. Ele convence o Dr. Erik Maria Bark – especialista em pacientes psicologicamente traumatizados – a hipnotizar o garoto, na esperança de descobrir o assassino através das memórias da vítima. É o tipo de trabalho que Bark jurara nunca mais fazer: eticamente questionável e psicologicamente danoso. Quando ele quebra a promessa e hipnotiza o garoto, uma longa e aterrorizante sequência de acontecimentos tem início”



Eu inicio a resenha comentando que o livro contêm cenas de violência detalhadas, então existem alguns trechos fortes na narração do livro.  “O hipnotista” é escrito por um casal sueco, Alexandra e Alexandre Ahndoril que usam o pseudônimo de Lars Kepler. Antes de começar a minha resenha, eu vou confessar que me senti um pouco enganada com o livro, graças a sinopse dele. O livro realmente inicia com o crime descrito, e ocorre a investigação do caso, mas os autores focam a trama no passado do hipnotista e em sua vida familiar, dando a impressão que o hediondo crime que ocorreu é secundário. Sinceramente, eu preferiria que os autores tivessem dividido os dois casos em livros diferentes para serem melhor explorados. O massacre da família ocorre logo no início do livro, e o detetive Joona entre em contato com o Dr. Bark para que ele hipnotize a única testemunha. O detetive Joona é um personagem “peculiar”. Ele é muito inteligente, aparentemente está sempre certo e deixa claro isso para os seus colegas e chefe. 

O crime cometido foi bem explicado, o seu motivo também (fiquei totalmente assustada com o culpado), mas em certo momento da trama, o foco muda para o Dr. Bark, o hipnotista. Ele é casado e tem um filho de 14 anos, que precisa de alguns cuidados especiais devido a uma doença. Faço uma pausa aqui para comentar sobre os personagens: o hipnotista não me agradou, é um personagem fraco de caráter e um viciado (em alguns momentos parece uma caricatura do House). Sua esposa é um tédio, só sabe reclamar mas não toma nenhuma atitude, e só no final do livro é que ela começa a fazer algo. 

O personagem que se salva nesse núcleo é o garoto, mas ainda assim ele não me cativou completamente. Pois bem, após hipnotizar a testemunha, uma série de eventos (no estilo efeito dominó) irão ocorrer, pois o Dr. Bark não poderia hipnotizar ninguém e o seu passado profissional volta a tona, assim como o pessoal. Os autores inseriram muitos personagens no passado do médico, o que me fez pausar a leitura e tentar lembrar quem era quem, incluiu diversas possibilidades de suspeitos e em alguns momentos, tornou a leitura um pouco confusa.

Ainda assim, o livro não é terrível. Tem os seus momentos interessantes, mas poderia ter sido melhor.


ISBN: 9788580570915
Livro: O hipnotista
Autor(a): Lars Kepler
Tradutor:Alexandre Martins
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Edição: 1
Páginas: 477

Resenha: Nunca diga Adeus - Doug Magee




 Sinopse

Com apenas 9 anos, Sarah está prestes a viver uma grande aventura: vai viajar sem os pais pela primeira vez na vida. A viagem tinha tudo para ser feliz e inesquecível, mas logo se transforma num terrível pesadelo. Sem o marido para ajudá-la, Lena, mãe de Sarah, confere e assina os documentos autorizando a ida da filha. David saiu de casa cedo dizendo que recebera uma ligação do trabalho. Mais uma desculpa esfarrapada que ela não engoliu. O casamento está em crise, mas ela acredita que os dois vão conseguir se acertar no período em que a menina estiver fora. Já pensando nos momentos a sós com o marido, Lena entra em pânico quando uma segunda van chega para buscar Sarah. Pouco depois, ela descobre que o primeiro motorista não faz parte da equipe do acampamento e que sua filha e outras três crianças foram sequestradas. Após algumas horas, os criminosos enviam um e-mail exigindo 1 milhão de dólares para libertar as vítimas. Mas as condições para a entrega do dinheiro lançam suspeitas sobre alguns dos pais, e os casais começam a se voltar uns contra os outros, expondo seus segredos e relacionamentos já desgastados. Neste suspense de tirar o fôlego, o desespero e a ganância levam algumas pessoas a tomar decisões impensáveis. Mas a fé e a intuição sempre podem superar as dificuldades.


Esse era um livro que desde o momento em que eu li a sinopse, fiquei bem curiosa para ler. A trama vai mostrar o desespero de quatro famílias que tem seus filhos sequestrados na porta de casa, pois um motorista finge ser o motorista do acampamento, levando as crianças sem levantar suspeitas. Durante a leitura, pude observar que o autor apresentou todo o plano de sequestro aos leitores, explicando detalhadamente cada movimento, assim como o destino das crianças. O que me deixou apreensiva durante a leitura, era ver como cada família reagia.

Alguns se tornavam mais próximos, outros se distanciavam e alguns mantinham segredos. O foco principal do livro está em Sarah, uma das garotinhas sequestradas e o dia a dia dos seus pais: Lena e David. Lena é uma médica que quer aproveitar as duas semanas da filha no acampamento para tentar se reconectar com o marido David, que anda muito distante. Lena é uma das personagens adultas que eu mais me afeiçoei durante a leitura. Ela consegue demonstrar as dualidades de seus sentimentos sem parecer um personagem falso: ela é forte, mas têm momentos de vulnerabilidade, ela se acha uma boa mãe, mas se sente culpada, ela ama o marido, mas tem momentos que não quer nem falar com ele.  David por sua vez não me agradou. Do começo ao fim do livro, eu impliquei com ele e terminei a leitura sem gostar do sujeito. Outro ponto que o autor destaca no livro é a possibilidade de um dos familiares estar envolvido no sequestro. Essa questão fez com que eu ficasse desconfiando de todos eles, pois em um momento ou outro, eles tinham uma atitude “atípica”, o que me deixou em suspense.

O livro é muito bem escrito, com personagens bem delineados e uma trama coerente. Houve alguns momentos em que eu fiquei apreensiva, principalmente quando o livro mudava o foco para as crianças e o que estava acontecendo com elas. O plano de sequestro foi elaborado impecavelmente (o que me deixou bem assustada com a imaginação do autor) e o final foi perfeito para a história. “Nunca diga adeus” é um suspense que mexe com o maior medo de muitas famílias: e se algo acontecer com o meu filho?

Espero que tenham gostado da resenha!


ISBN: 9788580410488
Livro: Nunca diga adeus
Autor (a):Doug Magee
Editora: Arqueiro
Ano: 2012
Edição: 1
Páginas: 240
Skoob

Resenha: Feche bem os olhos - John Verdon





Sinopse

David Gurney sempre foi viciado em resolver enigmas. Mesmo dois anos depois de ter trocado a carreira policial pela pacata vida no campo, sua mente investigativa não consegue resistir a uma boa charada. Foi assim com o caso do Assassino dos Números, um ano antes. Agora, a história se repete quando ele é convidado para trabalhar como consultor e ajudar a polícia a desvendar um instigante homicídio. Jillian Perry, uma jovem de 19 anos, foi morta de maneira brutal no dia do próprio casamento. Todas as pistas apontam para um misterioso jardineiro, só que nada mais na história se encaixa: o motivo, o lugar onde a arma do crime foi deixada e, principalmente, o modus operandi. A princípio, David reluta em aceitar o convite, preocupado em preservar seu casamento, já que sua esposa, Madeleine, é totalmente avessa ao seu envolvimento em qualquer assunto policial. Porém, recusar-se a participar da investigação seria ir contra sua essência e David acaba se convencendo de que não conseguirá dormir em paz enquanto o criminoso estiver à solta. Quando começa a entrevistar parentes e conhecidos de Jillian e a avançar no caso, fica claro que o assassino é não só mais inteligente e implacável do que ele esperava, como também destemido o suficiente para atacar seu ponto fraco. David terá que pensar além das evidências para desvendar o quebra-cabeça mais sinistro com que já se deparou.



Após quase ser morto desvendando o caso Mellery há um ano atrás, David Gurney está de volta com sua mente afiada e toda sua sagacidade!

Agora ele precisa desvendar um crime horrendo onde uma noiva foi morta no dia de seu casamento tendo sua cabeça decepada.

David reluta em participar do caso, já que seu casamento não anda lá essas coisas e sua esposa tem aversão à profissão dele, afinal se ele está aposentado deveria permanecer assim. Porém não resistindo aos fatos que envolvem o caso, mais uma vez nosso detetive mergulha em mais uma teia de intrigas que o envolve e nos envolve do inicio ao fim.

Eu amei o primeiro livro, Eu sei o que você está pensado, achei muito inteligente e o segundo, Feche bem os olhos, também possui uma trama muito bem elaborada. Estou fascinada pela escrita e desenvoltura de John Verdon e quero ter oportunidade de ler muito mais livros do autor.

A trama de Feche bem os olhos começa com a caça ao jardineiro que é supostamente o assassino da noiva, porém não é bem assim, a história é muito mais complexa e vai além do jardineiro.. E de qualquer imaginação que possamos ter inicialmente.
Existem outras mulheres desaparecidas e as tramas vão se ligando em um emaranhado de intrigas interessantes colocando mais uma vez nosso David Gurney em um perigo iminente.

John Verdon tem o dom da escrita policial que eu tanto amo, ele consegue amarrar bem a história e cria aquela expectativa no leitor a cada virada de página. Algumas vezes nos pegamos pensando: "era isso?" outras ficamos realmente surpresos com o desenrolar da história.

Ler um livro de John Verdon é satisfação garantida para os amantes do gênero!
Claro que eu recomendo!

   


ISBN:9788580410730
Livro:Feche bem os olhos
Série:Dave Gurney - Livro 02
Autor (a):John Verdon
Editora:Arqueiro
Ano:2012
Edição:1
Páginas:432
Avaliação:5
 

Resenha || Finale - Becca Fitzpatrick


ISBN: 9788580572827
Livro: Finale
Série: Hush, Hush
Autor(a): Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Tradução: Viviane Diniz
Ano: 2013
Edição: 1
Páginas: 304
Avaliação: 4

Nora e Patch pensavam que seus problemas tinham ficado para trás. Hank estava morto, e seu desejo de vingança não precisava ser levado adiante. Na ausência do Mão Negra, porém, Nora foi forçada a se tornar líder do exército nefilim, e era seu dever terminar o que o pai começara — o que, essencialmente, significava destruir a raça dos anjos caídos. Destruir Patch. Nora nunca deixaria isso acontecer, então ela e Patch bolam um plano: os dois farão com que todo mundo acredite que não estão mais juntos, manipulando, dessa forma, seus respectivos grupos. Nora pretende convencer os nefilins de que a luta contra os anjos caídos é um erro, e Patch tentará descobrir tudo o que puder sobre o lado oposto. O objetivo deles é encerrar a guerra antes mesmo que ela venha a eclodir. Mas até mesmo os melhores planos podem dar errado. Quando as linhas do combate são finalmente traçadas, Nora e Patch precisam encarar suas diferenças ancestrais e decidir entre ignorá-las ou deixá-las destruir o amor pelo qual sempre lutaram.

Quando terminei de ler “Silêncio” não fazia idéia de como Becca iria dar continuidade a essa eletrizante história. Todos nós queríamos saber como Nora e Patch enfrentariam essa guerra e quais realmente seriam seus aliados e/ou inimigos.

E a espera por ele não decepcionou. O livro veio cheio de revelações e informações surpreendentes, nada ficou sem reposta. A ação desse livro se inicia desde a primeira página, não há um só capitulo em que o leitor não seja surpreendido por alguma cena de ação ou uma revelação; nossos heróis tiveram que “suar a camisa”. Nora está forte e madura, quase nada passa despercebido por ela, determinada a dar um fim na guerra entre nefelins e anjos caídos ela entra com força total nessa luta e meus caros não decepciona. Já o meu, ou melhor, o nosso amado anjo caído Patch, para delírio nosso, está mais apaixonante do nunca, com seu sarcasmo e auto-estima em elevação, que diga-se de passagem, é o seu charme, sendo ele novamente um dos pontos altos desse enredo.

O livro é empolgante, o leitor fica vidrado, a cada desenrolar dos fatos algo novo vai sendo descoberto vai se criando uma atmosfera de suspense e mistério. Becca proporcionou uma leitura eletrizante com um enredo construído com tamanha riqueza que se torna impossível não desejar por mais. Porém este é o ultimo volume da série e encerrou com todos os pingos dos “i’s” em seus devidos lugares. Dizer que sentirei falta é pouco, mas fica a esperança de que logo poderei vê-los no cinema, por que sim, a série Hush, Hush será adaptada para a telona.

Por fim, obrigada Becca por nos conduzir a um mundo de mistério, suspense e amor e nos envolver em seu enredo tão apaixonante, nos fazer viajar a cada página sem desgrudar os olhos de cada palavra, de nos tirar o fôlego por cada novo acontecimento. E obrigada a Editora Intrínseca por nos proporcionar uma leitura extraordinária. Portanto, sem mais, Hush Hush é uma série super recomendada e está em definitivo em minha must read.

Boa leitura a todos. 

Resenha: Adeus à humanidade – Marcia Rubim


Sinopse:
Uma paixão acendendo após mais de um século de escuridão.Uma doença atual apagando a luz de uma vida.Somente sua mordida poderia curá-la.Apenas seu tipo sanguíneo seria capaz de matá-lo. Como um amor tão improvável sobreviveria? Do que você seria capaz de abdicar para salvar e vivenciar, mesmo que por pouco tempo, um amor jamais sentido antes? Da cura de milhares de humanos? Da própria vida? Stephanie tinha todos os motivos do mundo para não acreditar em seres míticos ou na felicidade, mas vai descobrir que estava totalmente enganada. Sua alma-gêmea existe! O problema é que a linha do tempo que a separa do amor eterno é muito tênue. E somente um milagre possa uni-los novamente.


Stephanie é uma jovem com baixa estima e solitária. Sua visão das coisas é dificultada pela sombra da mãe Rachael, uma ex-modelo linda e atraente, fazendo se sentir estranha. Ser filha de uma mulher tão bonita e não possuir o mesmo tipo de beleza a deixa ainda mais insegura. Seu único consolo é sua única amiga, Anne, com quem divide seus anseios e dificuldades. Ela não consegue se relacionar com os rapazes e se sente deslocada, vivendo em um mundinho só seu, sem se adequar a sua própria vida.

Em determinado momento, Stephanie resolve ir visitar com seu pai, o renomado hematologista Dr. Allan Werneyck, em Maiami. Lá ela se sente um pouco melhor, vivendo longe de sua realidade. Resolve fazer o curso de enfermagem e viver um tempo com seu pai e sua ciumenta madrasta Janet. Ela conclui sua graduação e começa a trabalhar em um hospital local. Sua vida é quase normal, exceto pelo ciúme da madrasta e as brigas dela com seu pai.

Os rumos na vida de Stephanie mudam quando após uma viagem o seu pai desaparece. Ela fica muito preocupada, mas nem tem tempo para tentar resolver as coisas, pois o marido de sua mãe, Otávio, é assassinado. Assim se vê obrigada a voltar para o Brasil. Em casa as coisas não são nada fáceis. A mãe entra em um estado de depressão e o irmão Juninho fica muito fragilizado. A situação financeira da família se complica bastante e ela se vê obrigada a procurar um emprego para provê o sustento da família.

A prima de sua amiga Anne arruma uma colocação em um grande hospital de São Paulo e Stephanie parte para esse novo desafio. Lá ela se instala em uma pensão barata e passa muita dificuldade, mas o seu pior desafio é o novo trabalho ao lado do Dr. Richard, um médico intransigente, intolerante e o terror das enfermeiras.

Richard é um homem enervante, que faz Stephanie sofrer um bocado. Ele dificulta o máximo seu trabalho e leva a nossa heroína ao seu limite. Porém em meio a tantos conflitos, uma atração implacável une esse casal em uma trama misteriosa e excitante. Stephanie descobrirá um segredo poderoso e que pode comprometer a sua própria vida. Em nome de seus sentimentos, ela abrirá mão de sua própria humanidade e encontrará finalmente o seu lugar no mundo.

Dou cinco estrelas e um coração para essa leitura rápida, agradável e instigante. Peço, urgentemente, que a autora publique logo a continuação do livro. Fiquei completamente apaixonada por ele e praticamente devorei em algumas horas. Quando terminei, fiquei com aquela sensação inquietante de quero mais. Marcia Rubim conseguiu fazer um sobrenatural delicioso e aguçou muito a minha curiosidade. Apesar de Richard ter me deixado com os nervos a flor da pele, eu me apaixonei por ele e sofri muito no final, chegando a chorar pelo casal. Agora preciso demais e espero pela continuação.

"Simplesmente não fiquei para ouvir o resto.
Comecei a correr no sentido contrário, pedindo
 a Deus  que me deixasse sair dali ilesa.
Ouvi, já distante, um último grito que suplicava:
- Stephanie, ouça-me, por favor! Eu te amo!"
Pág. 186

Leitura super recomendada!
Bjs no core


ISBN: 9788576796725
Título: Adeus à humanidade
Autor: Marcia Rubim
Editora: Novo século
Capa: Adriano Souza
Revisão: Fernanda Guerreiro Antunes
Coordenação editorial: Letícia Teófilo
Páginas: 392
Edição: 1
Ano: 2012
Avaliação: 5

Resenha: Perspicácia – O aprendiz e a vida - Marco Antonio Rodrigues



Sinopse: O trabalho reúne 77 textos variados. Fala de atualidades e de antiguidades, ora foca no espírito, ora nas dores, ora toca nas emoções, ora mexe com os instintos, mas em todos os momentos impõe introspecção e obriga a reflexão. As páginas desta obra tranquilizam e nutrem, aquietam e impulsionam, tocam nas feridas de forma medicamentosa. É um livro leve, revigorante e, sobretudo transformador.

Essa é uma obra literária formada por um conjunto de textos, que não formam uma história continua. Ou seja, os textos são independentes e permitem que o leitor leia cada capítulo em seu próprio ritmo. Essa é a grande vantagem do livro, pois ele permite a leitura fluída, em momentos esporádicos, e não obriga o leitor a uma degustação rápida e nem a voltar ao capítulo anterior para não perder o fio da meada. Você  pode ler um capítulo hoje e outro depois de um mês, que em nada influenciará a dinâmica do livro, como ocorre com a maioria.

Cada texto deve ser lido e refletido com calma, para que o leitor tire a sua própria conclusão, através de uma análise reflexiva. Não adianta ler sem parar, para analisar o ponto de vista do autor e tentar chegar à própria opinião. É necessário paciência.

“Compreender e aceitar o outro é tarefa que jamais concluirei integralmente. Mas é também um poderoso exercício que me distancia do tédio. Além de amansar e adestrar o ser que reside em mim, cujos impulsos instintivos ainda insistem em me comandar.” Pág. 124 - Capítulo: Tédio e insatisfação.

Ao mesmo tempo em que o livro assume uma postura de autoajuda, possui um aspecto filosófico; onde o autor aplica os seus conhecimentos e pontos de vistas nas suas argumentações. Ele usa alguns exemplos práticos e mostra o que viu da vida. Nem sempre o leitor concordará com o ponto de vista exposto pelo autor. Mas em outros momentos, passagens do texto servirão de insight para ocasiões específicas de dificuldade, ajudando o leitor como se fosse um conselheiro. É nesse ponto que o livro assume o papel de autoajuda.


“A culpa tem estreitas relações com o autoflagelo, com a penitência, que possui diversas faces, inclusive a mais medíocre de todas, a do suicídio. 

A culpa só alveja as pessoas de consciência sensível, pessoas com grande capacidade de discernimento, e detentora do exímio do bom senso.
O mau-caráter não se avalia, portanto não vivencia esse sentimento e, caso o experimente, a ele não se aprisiona, devido à sua baixeza moral.” Pág. 73  -Capítulo: Culpa.


Outro ponto que deve ser destacado é o fato de o autor usar assuntos variados. Seus textos não se resumem a uma única temática. O autor consegue fazer uma mistura, buscando inspiração no dia-a-dia e na vivência do ser humano. Em cada texto existe uma mensagem subliminar, que faz o leitor tentar entender essência do discurso em questão. Alguns textos eu achei fáceis, outros tive um pouco de dificuldade em uma primeira leitura. Nem sempre concordei com a conclusão do autor. Acho que se ele usasse um só tema e tentasse discuti-los em capítulos não daria muito certo. No final sai no lucrando com os questionamentos.

Esse é um bom livro, o qual pode chamar de “conselheiro”, e é leitura recomendada para qualquer momento. Perspicácia é aquele tipo de livro que você carrega na bolsa, para quando estiver esperando em uma fila, ponto de ônibus, consultório médico ou qualquer situação em que necessite passar o tempo refletindo.

O livro foi escrito de forma inteligente, filosófica e com uma argumentação convincente e bem elaborada. Ele está recomendado!!

“Toda conduta gera alguns frutos. Portanto se conseguíssemos evitar os comportamentos ruins, nas mais variadas facetas, evitaríamos diversas consequências danosas provenientes dessas ações.

Aquilo que chamamos de “inevitável” é o que devemos evitar.” Pág. 166 - Capítulo: Inevitável

Bjs no core


ISBN: 9788778693558
Autor: Marco Antonio Rodrigues
Título: Perspicácia – O aprendiz e a vida
Editora: LP- Books
Revisão: Luciana Rugoni Sousa
Capa: Livro Pronto / Studio e Gráfica
Ano: 2012
Páginas: 177
Avaliação: 4/5