Divulgação: Psíquico - Edson Gomes

31.8.12





Bom dia, hoje compartilho com vocês mais um lançamento nacional, espero que gostem:


Psíquico é a história de Rafael Duarte, um homem comum, com costumes comuns e uma vida comum, igual a qualquer pessoa, mas Deus lhe deu um dom divino. Ele tinha o poder de se conectar com espíritos, que pediam a sua ajuda, com intuito de mostrar o caminho da luz e da justiça. Ele, de inicio, não sabia que tinha este dom especial, desde o dia que seu pai revelou um segredo de infância guardado a sete chaves.
Quando as imagens de uma lembrança, que não eram as dele, começaram a aparecer em flashes repentinos em sua mente, isso indicou o indicio de um primeiro contato espiritual com o desencarnado Guilherme. Contato este, que o assustou muito, pois nunca tinha pressentido aquilo antes na vida adulta. Psicologicamente, Rafael precisava de alguém, que o apoiasse naquele momento de confusão mental, pois passava por uma crise de relacionamento amoroso.
Num dia de temporal de verão no Rio de Janeiro, voltando de carro do trabalho para casa, Rafael deu carona a uma mulher chamada Sônia, em um ponto de ônibus próximo a linha férrea. Depois de tanto conversar com ela, Rafael decidiu levá-la em casa. Eles se despediram amigavelmente. Sônia esqueceu um terço sobre o banco do carona e ele decidiu entregá-lo no dia seguinte. Rafael ficou sabendo que a tal mulher, a qual tinha dado carona no dia anterior, havia morrido num incêndio há 30 anos, dentro da própria casa atingida por um raio.
O terço era o aviso, que Rafael tinha recebido de Deus uma missão para descobrir quem matou Guilherme e porque o fato se transformou em acidente.
O que Rafael realmente não sabia, que por trás da trágica morte do espírito perturbado, havia uma grande e perigosa conspiração. Conspiração esta, que ele também estava fazendo parte.


Edson Gomes



Book Trailer:




Na rede:

Resenha: A Miquelina e o Crumélio - Mundo Cinzento - Rafael Vidal

30.8.12


Sinopse:



Quando Crumélio – amigo imaginário da Miquelina – sumiu, o mundo dela desabou. Pior para Cordélia que, para realizar seus sonhos de mini-celebridade, tinha a missão de ajudar a garota a fazer amigos. Ai, ai... como se criar no Gabola um pouco de amor-próprio já não fosse complicado o bastante... O jeito agora era encontrar o desaparecido, numa jornada cheia de perigos e criaturas apavorantes, em que, imaginária mesmo, só a idéia que cada um fazia de si!

ISBN:9788563672568
Livro:A Miquelina e o Crumélio - Mundo Cinzento
Autor (a):Rafael Vidal
Editora:Rai Editora
Revisão:Juliana F. da Costa
Ilustrações:Rafael Vidal
Ano: 2011
Edição:1
Páginas:144
Avaliação: 5 S2




"Os adultos dizem que o mundo é enorme e que na vida
não dá para ter certeza de nada. Eu não concordo. Pois,
aconteça o que acontecer, o mundo vai ser sempre mágico
e cheio de surpresas, porque sempre terei comigo o meu 
melhor amigo. O meu Crumélio. 
Miquelina e Crumélio: dois amigos indeparáveis."
(pág.10) 


 
Rafael Vidal autor de A Miquelina e o Crumélio conquistou não só meu filho de dez anos, como eu mesma e até minha pequena filha de apenas 3 anos de idade, para quem adoro ler histórias. Seu livro apesar de voltado para o público infantil conseguiu entrar para os meus favoritos.

Vamos conhecer alguns dos principais personagens da história:

Miquelina > uma menininha que acredita em um amigo imaginário e vista como uma jovenzinha com problemas por este motivo.
 
Crumélio > amigo imaginário de Miquelina

Gabola > menino muito inteligente e melhor amigo de Miquelina

Cordélia > garota que tem sonhos de se tornar uma celebridade, um tanto quanto convencida e que fica incumbida de auxiliar Miquelina a se "misturar" aos amigos reais.

Miquelina é muito inocente apesar de seus dez anos e engraçada; ela conversa a todo instante com seu amigo Crumélio e as pessoas a sua volta não entendem o que se passa com ela.
Mique frequenta uma psicóloga em um esforço de seus pais para que ela seja normal, mas o que é normal para quem está ao seu redor, não é a realidade de Miquelina. Mesmo assim, sua mãe está muito preocupada com sua condição.


"Tudo perfeito. Até que o telefone tocou na sala 
da diretora Alamanda. Era a mãe da Miquelina, 
querendo ajuda para resolver o problema da filha.

- Blá blá blá amigo imaginário, blá blá blá esquizofrenia,
blá blá blá remédio tarja preta diluído no suco.
Daí, blá blá blá sentimento de perda, blá blá blá socialização e
blá blá blá, pelo amor de Deus.

E era isso. A menina precisava de amigos."
(pág.15) 


"Irritante, pensou ela..
Parecia regra: sempre tinha que ter um cupim
que não conseguia achar seu lugar no formigueiro..
Mas aquilo era tudo muito aborrecido. Tanta coisa 
importante, eventos internacionais e torneios esportivos,
e ela tinha que perder tempo se preocupando com um par
de esquesitos."
(pensamento da diretora Alamanda após ligação
da mãe de Miquelina - pág.15)



A diretora da escola, Alamanda é uma mulher meio que cruél em seus pensamentos.. Na verdade a psicóloga também, parece que os adultos se enchem com os problemas das crianças como se fossem absurdos e tivessem mais o que fazer. Na verdade, é exatamente assim que pensam essas duas personagens!


"Por trás dos óculos da Doutora:
 - Pobrezinha. Maluquinha, maluquinha! Mas o que seria
de mim se não fossem essas criancinhas egoístas
que deixam suas famílias mais esfareladas que paçocas
no fund da bolsa?"
  (pensamento da Dra. Schadenfreude 
após consultar Miquelina - pág.12)


"Puxa, foi só uma risadinha.
-  Desculpe. É que eu e o Crumélio...
- E QUANTAS VEZES PRECISO DIZER:
NÃO EXISTE DROGA NENHUMA DE CRUMÉLIO"
(diálogo entre Miquelina e a Doutora após Miquelina rir por 
ter apostado com Crumélio quem conseguiria encarar
a Doutora por mais tempos sem rir) 



Gabriel (Gabola) é um menino de onze anos e vive escrevendo em seu blog como em um diário, pois acredita que ninguém lê seu blog mesmo, então o usa para relatar seus dias. Assim como Miquelina, Gabola é um menino que não se importa em ter amigos.. Ele vive cercado por suas invenções.


"Péssimas notícias. Péssimas!
Minha mãe falou que eu estou fedido e com bafo.
Lógico. Troquei o sabonete pela calculadora e a 
escova de dente pela chave de fenda. Isso por dois dias." 


Cordélia é uma figura, aliás.. Todos os personagens o são.. Ela tem sonhos ambiciosos e em sua lista de pendências, constam: "ganhar o Oscar, ser Miss Universo, ganhar Prêmio Nobel entre outros".

Cordélia acredita que em breve estará realizando suas pendências e que muitas pessoas irão idolatrá-la e segui-la. Ela não é nada humilde e se acha a pessoa mais importante do mundo. rs

Como ela é encarregada da missão de fazer Miquelina e Gabola se socializarem com as demais crianças, mesmo irritada com tal tarefa.. Cordélia acredita que se for possível o milagre de ajudar esses dois "esquisitos" poderá iniciar um cessar fogo com o pé nas costas e ganhar o Nobel da Paz. kkkkkkkkkkk
 
A aventura desse trio tem inicio com o desaparecimento de Crumélio após a tentativa de Miquelina e Cordélia ajudarem Gabola com uma de suas invenções (Gabola vive criando invenções científicas).
Na busca por encontrar Crumélio esse trio se mete em várias situações inusitadas e divertidas.

Rafael Vidal escreve de forma simples, pois se trata de um livro infantil e o intuito é que as crianças possam compreender facilmente o enredo e que possam até mesmo se identificar em uma ou outra situação; como a de não ser uma criança tão sociável como a maioria ou até mesmo de possuir um amigo imaginário, entre outras questões.

Com uma leitura leve e divertida pude palpar através dos personagens nada comuns o valor da amizade e sentir a emoção e sinceridade dos personagens com os fatos narrados.

O livro é recheado de surpresas engraçadas e muita aventura onde realidade e imaginação se misturam e realmente se confundem nos transportando para um mundo onde as coisas são vistas de acordo com cada olhar atendo que há ao redor e com sentimento pessoal que vai de cada um.

A Miquelina e o Crumélio possui ilustrações muito bem feitas que dão um colorido especial à obra, fora isso toda a diagramação está caprichada tornando a leitura ainda mais atraente aos olhos do leitor. A narrativa sofre mudanças que ficaram muito bem empregadas nessa história. Ora por parte de Miquelina, ora pelas escritas de Gabola em seu blog, ora pela visão da convencida e sonhadora Cordélia..


O livro como um todo é lindo! Fiquei verdadeiramente encantada com a história. 

Um livro para se ler em família e se dar boas risadas ao lado de nossos filhos e com uma abordagem simples e diferente onde torna fácil conversar algumas questões do cotidiano com nossos pequenos.

Não pensem que o livro só pode ser lido por uma "mãe" ou "pai", o livro pode e deve ser lido por qualquer pessoa que se identifique com fantasia, aventuras e uma pequena dose de realidade!

Essa história contará ainda com mais um livro e aqui em casa estamos ansiosos pela continuação!


Redes Sociais:


Lançamento de Angellore - Gabrielle Venancio Ruas

29.8.12

Bom dia leitores queridos!

A autora Gabrielle Venâncio Ruas, convida você leitor para o lançamento de Angellore:



 
 
Endereço:
Rua Carangola, 288 (andar térreo), Santo Antônio
Belo Horizonte/MG



Olívia Giacomelli é uma investigadora de polícia especializada em complexos casos de assassinato. Competente, ela sempre conseguira resolver com êxito cada um deles, nunca encerrando um crime sem solucioná-lo. No entanto, uma sequência de mortes misteriosas vinha ocorrendo desde 2007 sem que o assassino deixasse rastro. Sophie, uma jovem universitária perseguida por sombras sinistras, tenta superar a ausência da família que morrera num terrível acidente de carro no reveillon de 2008. Em busca por respostas, os caminhos de Sophie e Olívia se cruzam e ambas irão se deparar com uma realidade aterradora. Elas se veem em meio a uma batalha invisível que desde sempre era travada por seres imortais: os Angellores. Agora, elas estão num terreno obscuro e assustador, precisarão se arriscar para descobrir a verdade que mudará suas vidas para sempre.

 Gabrielle Venancio Ruas


Espero que muitos de vocês possam estar prestigiando a autora em uma data tão especial que é o lançamento de seu primeiro livro!

Resenha & Entrevista : O Trio - Alane S. A. Brito

28.8.12

ISBN:9788576797296
Livro: O Trio
Autor (a):Alane S. A. Brito
Editora:Novos Talentos
Capa:Adriano de Souza
Preparação de Texto:Fabrícia Romaniv
Diagramação:Francisco Martins
Revisão:Mariana Bortoletti
Ano:2012
Edição:1
Páginas:511
Avaliação:4

“Davi ainda precisou de uns instantes para organizar mentalmente o enredo da história... De fato, para ele mesmo, seria muito bom expor suas lembranças e assim, após tantos anos, alguém mais saberia quão especial ele considerava ter sido a sua infância..." Davi achava que seus piores problemas seriam dividir o forte sentimento que ele e seus dois amigos, Nelson e Jordan, nutriam pela mesma menina e tentar tornar a conturbada vida de um deles menos sofrida. Até que ao completarem dezoito anos a pequena vila no meio do nada onde moravam é invadida por homens violentos. É quando começa o maior desafio de suas vidas... Davi e Nelson conseguem fugir com mais alguns e, após se deparar com o sofrimento do amigo, Davi sente-se obrigado a retornar ao palco do grande massacre para resgata r Jordan. Para levarem ajuda aos outros sobreviventes que estão aprisionados, os três terão que juntar forças com seus desafetos, a fazer difíceis escolhas, e acabam descobrindo que, no fundo de suas almas, guardam uma grande garra e coragem jamais experimentados por nenhum deles... Existem erros tão graves que jamais possam ser perdoados? Abriria mão de um verdadeiro amor por causa de uma grande amizade? Descubra nessa história que é uma grande lição de amor, amizade e perdão...



Alane Brito nos apresenta uma história marcante sobre força, fé, amor, perdão, coragem e principalmente amizade.

A história tem inicio no ano de 1956 em Goiás com o retorno de Davi a sua terra natal após uma ausência de dez anos.

Ao chegar encontra um garoto morador da Vila onde se encontra e inicia uma conversa em que Davi compartilha um pouco sobre sua história de vida no tempo em que morou na Vila Velentino Duarte.

Davi inicia um passeio nostálgico por seu passado onde tem recordações de várias questões, inclusive de Nelson Beltrame e Jordan Merkel. Foi nessa Vila que uma amizade verdadeira surgiu entre eles.

Nesse clima de amizade o trio passa por diversos conflitos desde coisas simples como as questões que assombram todo adolescente (amor, desavenças, brigas sem fundamentos) a coisas mais sérias que iriam marcar de vez suas vidas.

Os três amigos são perdidamente apaixonados pela mesma garota, Yola. Até que Leonor surge na Vila e arrebata o coração do jovem Jordan.. Porém para seu azar o desprezível Nicolas se interessa também por Leonor.

Nicolas Mazzochi é um pouco mais velho que Jordan e sua maior função é fazer da vida de Jordan um verdadeiro inferno; apenas por prazer e maldade, devido à inveja que sente. Muitas cenas protagonizadas entre Jordan e Nicolas me deixaram com muita raiva.

A amizade dos três passa por altos e baixos desde a infância até a adolescência.
Em dado momento a Vila é invadida e a vida de pessoas ameaçadas e nesse ponto da história apenas o trio de amigos, Nicolas, Yola e Leonor podem fazer algo a respeito. E é aí que se inicia uma aventura onde todos são peças fundamentais para o desenrolar da história.

Não vou me estender muito contando sobre o enredo, pois tenho realmente receio de contar algo que seria muito mais interessante ser lido nas páginas escritas por Alane, por isso estou me contendo e espero que possam ter percebido a essência da história narrada por Alane em minha singela resenha.

O Trio é um livro que nos traz um misto de sentimentos que vai desde a raiva ao total extase da emoção, onde nos vemos torcendo para que as coisas saiam bem e até mesmo derramando lágrimas em situações vividas por seus personagens.

Alane possui uma narrativa contagiante que me fez devorar cada página ansiando por saber o que aconteceria nas vidas de Davi, Nelson e Jordan.
A história é marcada por conflitos e questões palpáveis e que podemos imaginar com muita facilidade, pois Alane nos dá cada detalhe necessário para isso.
Uma leitura muito prazerosa e que me conquistou. 
Alane é dessas que nasceram para escrever e emocionar! 

No decorrer da leitura nos deparamos com ilustrações muito bem feitas e que me encantaram e deram vida aos personagens criados por Alane Brito.



Viram que lindas?Os desenhos foram feitos pela própria autora. #adorei

Recomendo o livro para aqueles que estão interessados em fugir das modinhas literárias e mergulhar de cabeça em uma história que levanta muitas questões a respeito da amizade, amor, perdão e também da coragem.

Redes Sociais:




Pedi a Alane que respondesse algumas perguntas afim de que pudesse aproximar vocês ainda mais da autora e sua obra. Confiram abaixo:






Mix -  Como foi escrever O Trio?

Primeiramente preciso agradecer a Deus, por tudo em minha vida, a todos que me ajudaram nos mínimos detalhes e me apoiaram para que a realização desse sonho fosse possível! E também pela oportunidade que você está me dando, Karini, de falar um pouco mais sobre o meu livro. Então, vamos lá... Bom, escrever qualquer livro que seja, é maravilhoso! Eu fico em estado crítico! (risos) Muito ansiosa, não consigo comer direito, fico distraída, um caos! E com O Trio não foi diferente, ainda mais porque me apeguei muito aos personagens e pude, de certo modo, descrever um pouco da sensação de liberdade que eu tinha em minha infância. Nasci em cidade pequena, brincava na rua, fazia piqueniques em beira de riachos, ia para a fazenda de meu avô subir em árvores, “explorar” o território com minhas irmãs e primos... Foi muito bom! No caso desse livro o interessante foi poder juntar os personagens de duas histórias, pois, uma estava pronta, mas perdi ao empresta-la, então quis escrevê-la novamente, foi de onde eu tirei os três amigos e a outra eu tinha começado e a vontade de continuar sumiu, dessa eu tirei a vila e a invasão, Nícolas... Mas não me recordava direito da primeira e a segunda não saía de minha mente, então a ideia de juntar ambas surgiu, o que foi muito prazeroso, pois combinavam perfeitamente.

Mix - De onde surgiu a ideia para compor a personalidade dos personagens?

Hum... Acredito que foi o mais fácil, porque parece que o próprio personagem vai me mostrando quem ele é enquanto vou escrevendo, claro que para uns devo ter tirado algo de mim mesma... Mas, de qualquer forma, os protagonistas em geral, para mim, precisam ser agradáveis aos leitores, embora não possam ser perfeitos... Acho que eles têm que conquistar quem o está conhecendo. E como no mundo não existem apenas pessoas legais, eis que precisam surgir os antipáticos (risos). E a não ser que sejam psicopatas, até aos maldosos eu gosto de dar uma pitada de humanidade.

Mix - Fale um pouco sobre Davi, Nelson e Jordan.

Amo esse trio, sério! Vamos ver se consigo falar deles... Davi é o cara legal, aquele que podemos contar em situações complicadas, odeia injustiças. Procura sempre agir corretamente, apesar de falhar, como todo ser humano. Muito apaixonado. Quando gosta de alguém, gosta pra valer e desapegar dá trabalho. Se sente inferior aos outros no quesito aparência. A história é contada de acordo com o ponto de vista dele. Nelson é o divertido do grupo, mas à medida que a história é contada ele vai ficando mais amadurecido, embora sem nunca perder, de fato, seu ar cômico. É o tipo de rapaz que agrada as moças, por ser muito bonito e ter um belo porte. Também é um bom amigo e em situações difíceis não hesita em tomar alguma providência, especialmente quando se trata de ter que usar a força física. Jordan... Não vou falar muito dele para não entregar o mistério da trama... Mas é uma pessoa muito agradável. Apesar de ser belíssimo, não pode usufruir de seus atrativos, pois passa grande parte de sua juventude sendo desprezado e apontado como culpado por crimes na pequena vila onde mora, é muito carente por causa da maneira como é tratado. Ele pode ser a vítima ou o vilão da história...  

Mix -  Você possui outros projetos?

Tenho sim! Atualmente estou revisando um que escrevi há muitos anos, bem antes de O Trio, que foi o último que concluí. Tenho outros precisando de revisão e estou com vontade de continuar um que comecei e parei ou começar outro... Ando meio confusa ultimamente... (risos)

Mix - Fale um pouco sobre você.

Sempre é difícil falar de mim mesma... Sou casada, temente a Deus, tenho uma filhinha de quatro anos, sou o cúmulo da timidez, falar em público é o meu maior pesadelo, amo tudo o que é relacionado à ficção, obcecada por personagens, seja de filmes, desenhos ou livros... Não sei o motivo de me chamarem de “viciada em Shopping” (risos), sou sempre muito ansiosa, com tudo! Acho que é isso... Sério, não tenho muito a dizer.

Mix -  Que mensagem você deixa para o leitor do Mix?

Mais uma vez te agradeço pela oportunidade, Karini, amei responder a todas as perguntas! Blogs como o seu têm sido cruciais nessa carreira que escolhi! Muito obrigada mesmo! E o que eu sempre tenho dito é para darem chances para os autores nacionais, para nós iniciantes, não tenham preconceito, pois têm muita gente transbordando de talento e vocês podem se encantar também por nossas histórias, assim como se encantam pelas que chegam lá de fora. É um caminho bastante difícil que se percorre até a conquista da publicação de um livro, só que conseguir reconhecimento é muito mais complicado e para isso, dependemos de Deus, é claro, mas também do apoio de todos vocês! Obrigada a cada um que cedeu um tempinho para ler essa entrevista e espero que tenham oportunidade de conhecerem meu trabalho e penetrarem na vida desse trio que amo tanto! Um grande beijo!
Alane, eu fico imensamente contente quando leio um livro nacional que não perde em nada para os livros estrangeiros. Me sinto orgulhosa! 
Fico martelando aqui no Mix que os leitores devem dar oportunidade para a literatura nacional que vem surpreendendo e inovando muito.

Desejo sucesso em sua carreira literária e que você não desista.. Sei que o caminho possui muitos obstáculos, mas acredito no potencial de autores como você!
© MIX LITERÁRIO- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por