Resenha:O Oitavo Pecado - Adriana Vargas de Aguiar



Sinopse:

O Oitavo Pecado - Em nome de uma paixão - Adriana Vargas de Aguiar – “Livro ganhador do Prêmio INTERARTE como um dos cinco melhores romances de 2012. Prêmio reconhecido na França, Chile e Áustria. O que se faria por amor? Um anjo caído em busca de seu grande amor... Alguém terá que pagar por isso... Somente o mais forte sobreviverá. Henaph nasceu com a missão de guardar o Jardim, porém, ao se deparar com o seu Mestre de ensinamentos, Deus Hermes, que a prepararia para a sua missão, abdicou de tudo, até mesmo de sua imortalidade para viver este grande amor, cometendo o Oitavo Pecado, em nome de uma paixão, porém, ao conhecer Minos, o rei de Creta, se envolve em um instigante triângulo amoroso; nas malhas de uma paixão proibida, que a obrigará a fazer uma escolha entre o verdadeiro amor, ou volta da imortalidade. Entre a missão e a paixão, Henaph precisará fazer uma escolha... O que ela escolherá?”.



Eu já havia comentado isso anteriormente, mas eu volto a reforçar: a escrita da autora é viciante. A autora consegue escrever de um modo poético, onde os sentidos do autor ficam exaltados, tentando compreender tantas descrições de sensações diversas ao mesmo tempo.
Comecei a leitura diretamente dentro do Criador. O primeiro capítulo vai mostrar a criação Henaph; as sensações e as impressões dela durante sua “gestação”. Esse início é tão denso que fica difícil colocar em palavras o que eu senti ao ler. Acredito que se tivesse que descrever em uma palavra, seria “deslumbramento”, pois Henaph me deixou simplesmente maravilhada com os seus sentimentos. Ao estar dentro do Criador, Henaph percebeu como os mundos eram criados, e desejou ser capaz de criar um mundo também. A sua inocência é tão palpável durante vários trechos do livro, que eu tive vontade de protegê-la, não apenas dos perigos externos, mas de si própria.
O livro vai se desenvolvendo de acordo com a percepção de Henaph e ao avançarmos na leitura, percebemos que a escrita perde um pouco do encantamento poético, talvez para mostrar como a personagem lentamente perde a ingenuidade. Logo após o seu nascimento, Henaph vai conhecer o deus Hermes e se afeiçoa muito a ele. Essa afeição vai se tornando um sentimento mais forte, que a própria Henaph não sabe explicar. Mas Henaph foi criada com um propósito, cuidar do Jardim, e conforme os seus sentimentos vão ganhando forças, ela começa a deixar as suas obrigações de lado. O sentimento de abandono cresce tanto em Henaph que ela acaba abrindo mão de sua imortalidade por amor a Hermes, e por isso acaba se transformando em uma ninfa que vai parar na ilha de Creta. Em Creta, Henaph conhece Minos e o que inicialmente é uma amizade começa a se transformar em algo mais. A autora consegue mesclar anjos com mitologia com maestria, envolvendo Henaph e o leitor em alguns mitos antigos.  A escrita, os ambientes escolhidos (o interior do Criador, a Ilha de Creta, o Jardim) completam o enredo envolvendo todos os sentidos do leitor. Durante a leitura passei a sentir a dor de Henaph e a ver com outros olhos as lições que ela precisa aprender. O Oitavo Pecado é uma história de amor, de perdão e de compreensão, com um lindo final que fez com que eu chorasse por um tempinho.




ISBN:9788580451351
Livro:O Oitavo Pecado
Autor (a):Adriana Vargas de Aguiar
Editora:Modo
Ano:2011
Edição:1
Páginas:228
Avaliação: 4

0 comentários:

Deixe seu comentário