Resenha: - Cinquenta tons de prazer – Marisa Bennett



 Sinopse:
Renda-se aos prazeres das amarras e encontre o seu lado pervertido com este livro de cabeceira excitante, divertido e muito útil. Se os recentes romances eróticos encheram você de novas ideias a serem exploradas na cama, ou se quer apenas dar aquela apimentada na sua vida sexual, este delicioso guia vai ajudar a trazer suas mais loucas fantasias sexuais para a realidade. Mordidas no pescoço, tapas no bumbum, cordas nos pulsos, couro em todo o corpo — o delicioso universo sexual do BDSM (Bondage e Disciplina, Dominação e Submissão) está ao seu alcance em Cinquenta tons de prazer. Ao abordar trinta técnicas mais leves do sadomasoquismo – desde spanking e amarrar o parceiro com uma charmosa echarpe de seda até falar obscenidades na cama e transar de olhos vendados -, este livro lhe mostrará tudo que você precisa para iniciar sua própria aventura erótica.



Esse título te faz lembrar de alguma coisa? Cinquenta tons de prazer não é um romance corriqueiro, como estamos acostumados a ler. Ele não possui um casal de protagonista, que se encontra e já ocorre a troca de faíscas; explodindo em tensão sexual que acaba em sexo selvagem, como nos romances eróticos que estão saindo no mercado. O livro, apesar de expor os pontos fundamentais sobre o sexo, é um manual detalhado sobre conquista, relação sexual e prazer, que serve como um guia para casais menos experientes. A leitura pode não ser tão excitante, pela falta de romance, mas para alguns será bem útil.

Ao começar a minha leitura, sobre técnicas sexuais enlouquecedoras, tive um pouco de vontade de rir, eu confesso. Apesar de serem coisas que casais fazem habitualmente, em determinada parte comecei a pensar no que meu marido falaria e a sua reação diante da possibilidade de eu testar uma coisa nova que aprendi com ele. Mesmo a leitura sendo interessante, não deixou de ser engraçada e cai na gargalhada. Pequei o telefone e liguei para minha amiga, relatando os pormenores daquele capítulo. Rimos juntas, ao discutir sobre a reação dos nossos maridos com essa nova iniciativa.  Apesar de ser uma forma adicional de proporcionar prazer, não sei se a maioria dos homens ficaria tranquila com algo que foi proposto. Certamente o pensamento machista os impediria de levar a coisa a diante. Eu queria colocar o trecho aqui, para que vocês pudessem entender o que digo, mas ficaria muito vulgar. Realmente não posso.

Eu cheguei a ficar um pouco chocada e indecisa sobre dar para o meu marido ler ou não. Mas esse capítulo me fez perceber que esse livro é tão útil para homens quanto a mulheres, pois certamente muitos ainda nutrem preconceitos sobre o sexo oral, espancamento, variações de posições, brinquedos e apetrecho para apimentar a relação e ficariam chocados com suas companheiras tomando esse tipo de iniciativas. No final conclui que a leitura é muito útil para homens, tanto quanto para as mulheres... Pelo menos alguns, certamente. A maioria já sabe de cabeça algumas coisas que o livro apresenta e já pratica sem necessitar de um manual.


Aprendi uma ótima utilidade para a água. O livro ensina algumas variações de sexo usando água e a forma como os parceiros devem agir em cada situação, seja no azulejo do chuveiro, na hidromassagem, com chuveirinho e as várias formas que o banho pode ajudar no momento de proporcionar e receber prazer do companheiro. Quem diria que a água poderia ser tão excitante?

Além da utilidade da água para o sexo, o gelo também ganha um papel bem excitante na questão. Segundo o livro, o gelo pode estimular pontos sensíveis do corpo, tornando-se uma ótima ferramenta de sedução quando as coisas estão bem excitantes. Ele explica como usar esse elemento para levar o parceiro ao clímax gelado. Só uma observação que tenho que fazer a esse respeito. Em sexy shop você pode encontrar substância que dão essa sensação de gelado e são bem excitantes. Eu já experimentei e gostei bastante, mas se você tem vergonha de se expor, o gelo pode fazer esse papel ou à bala house preta.

No mesmo capítulo, podemos ler sobre a excitação causada pelo uso da cera quente. Confesso que não gostei muito e prefiro pular esse tipo de conselho, mas para quem não quer usar a cera, o livro aconselha velas especiais vendidas em sexy shop. Sinceramente isso em nada me motiva, pois só de pensar nos pingos da cera ou da vela em meu corpo já me sinto mal.

Também temos uma abordagem sobre o motivo para o espancamento durante o ato sexual, a forma como isso pode proporcionar prazer e o que causa esse prazer vindo da dor daquele ato. Aparentemente, para uma pessoa normal, o espancamento é um ato brutal e condenável, mas as pessoas que praticam essas brincadeiras sexuais sabem que a dor e o prazer estão de alguma forma interligados, através de componentes químicos como adrenalina e endorfina. Ele mostra o lado técnico e psicológico da coisa, tentando fazer o leitor entender que não é tão cruel para quem pratica. Mas sinceramente não é a minha praia, to fora de levar porrada. Não critico quem curte, mas essa não é realmente a minha.


Como estamos na onda do  BDSM, pude perceber um toque especial no tema de submissão/dominação e masoquismos em alguns capítulos. Ele apresenta alguns objetos utilizados nas brincadeiras sexuais e algumas variações de posições. A única coisa que achei que deixou a desejar, foi à falta de ilustração para as posições. Em alguns momentos tive dificuldade de visualizar a cena em minha mente. A editora bem que poderia ter colocado as ilustrações.

Em um dos capítulos temos algumas referências sobre obras eróticas famosas e um breve histórico sobre elas. A mais famosa e conhecida é o Kama Sutra.

Bem, esse não é um livro erótico propriamente dito, pelo menos em minha opinião. Ele é um manual técnico, como qualquer outro manual de instruções detalhadas que lemos. Ninguém precisa seguir a risca para ter o bom funcionamento no sexo. Quem já conhece um pouco, consegue se virar bem sem o livro, mas para quem tem um pouco de curiosidade ele acaba se tornando útil como fonte de consulta. A única coisa que não achei legal no livro foi à capa, que acabou ficando muito “Cinquenta tons”. O nome do livro já é parecido demais e a capa acabou ficando pouco original. 

ISBN: 978-85-7684-650-5
Titulo: Cinquenta tons de
Autor: Marisa Bennett
Editora: Best Seller
Tradução: Regina Winarski
Capa: André Tavares
Páginas: 157
Ano: 2012

5 comentários:

  1. Nossa essa capa ficou parecendo mesmo com a da febre mundial 50 Tons de Cinza. Resenha interessante curiosa para acompanhar esse outro lado sendo um: manual da conquista,útil como fonte de pesquisa

    ResponderExcluir
  2. Vanessa, agora todo mundo só quer falar de sexo. kkk Isso já está até me cansando. Mas esse livro não é um romance. Ele é dividio em tópicos e casa um aborta um assunto. Eu ri bastante com ele. Foi no mínimo engraçado. kkk

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Gláucia, tudo bem?
    Nossa o pessoal realmente não tem originalidade nos títulos.. e sinceramente,não me interessou nem um pouco rs
    beijos
    Ps: mas adorei a sua resenha viu? ;)

    ResponderExcluir
  4. Eu terminei de ler esse livro ontem, como vc tbm rir muito dele em algumas partes. Sei sobre o que vc falou quando ligou pra sua amiga, tbm comentei isso com uma amiga minha e a gente teve a mesma opinião que a sua. Tenso isso kkk
    Eu não gostei muito do livro, achei ele um pouco exagerado demais.
    Bjos...

    ResponderExcluir
  5. essa parte do livro eu realmente acho desnecessária já que nos homens não sentimos essa necessidade de prazer já que o normal e ótimo e o livro não fala de sexo anal então ele diz que vcs podem colocar mas nos não puro egoismo a grande maioria dos livres que eu li sobre sexo e explicações de como melhorar sempre foram escritos por um homem e uma mulher pra não haver egoismo de nenhum lado

    ResponderExcluir