Resenha Dupla: O encontro & O caminho – Paul Richard Evans


ISBN:978-85-8178-008-5
Titulo: Paul Richard Evans
Autor: O encontro
Editora: Lua de papel
Ano: 2012
Série: The Walk
Livro: 1
Páginas: 231
Avaliação: 3/5


O Encontro - The Walk - Livro 01 - Richard Paul Evans

Alan Christoffersen é um jovem publicitário bem-sucedido, comanda sua própria empresa, ao lado do sócio, e é loucamente apaixonado por sua esposa, McKale. Sua vida parece perfeita até que ocorre um terrível acidente enquanto ela montava à cavalo. Alan larga tudo para acompanhar o tratamento da esposa, momento em que Kyle, seu sócio, aproveita para roubar todo o dinheiro da empresa. Então McKale morre. Arrasado, sem a mulher que amava e traído pelo sócio ele se vê sufocado naquele lugar. Então sai de casa sem rumo, com uma mochila nas costas, e inicia uma longa caminhada em direção ao sul. Era uma busca por respostas e um tempo para tentar pensar o que fazer. Durante o caminho ele faz descobertas impressionantes sobre seus sentimentos, conhece pessoas incríveis e vislumbra novamente um sentido para a sua vida. Ele encontra dentro dele algo que jamais lhe poderia ser tirado novamente. Escrita por Richard Paul Evans, autor Best-seller do The New York Times, O Encontro é a primeira história série The Walk, que traz neste primeiro livro uma história emocionante sobre o que fazer quando surgem grandes adversidades na vida e o que podemos aprender com esses momentos


ISBN:978-85-8178-033-7
Titulo: Paul Richard Evans
Autor: O caminho
Editora: Lua de papel
Ano: 2012
Série: The Walk
Livro: 2
Páginas: 292
Avaliação: 3




O Caminho - The Walk - Livro 02 - Richard Paul Evans - 
Alan Christoffersen, um publicitário bem-sucedido, acorda uma manhã e encontra-se ferido, sozinho e preso a uma cama de hospital em uma pequena cidade de Washington. Ele já havia passado por situações extremas quando decidiu atravessar o estado de Washington. Em busca de respostas, essa longa caminhada poderia ser um recomeço para sua vida. Mas, quando encontra-se imobilizado, ele percebe o quanto a vida ainda tem a lhe mostrar e ensinar. A segunda jornada da série Walk traz ainda mais lições para um homem que busca incansavelmente por esperança e que está disposto a retomar a sua vida de onde parou. Um romance inspirador sobre a esperança e o significado da vida.


O encontro é o primeiro livro da famosa série Walk, do autor Paul Richard Evans, que conta a emocionante história de Alan Christoffersen e seus diários.

Alan Christoffersen é um jovem publicitário, famoso, talentoso e dono da sua própria agência. Ele ganhou vários prêmios, é autoconfiante, tem uma vida perfeita ao lado da esposa Mckale, desfrutando de tudo o que o dinheiro pode comprar, vivendo em uma linda e enorme casa, passeando com carros do ano, possuindo um haras e uma conta bancária satisfatória. A única coisa que falta para completar a felicidade do casal é um filho, mas apesar de Mckale querer muito, Alan protela o quando pode, dizendo que não é o momento certo.

Quando tudo parece perfeito e Alan está para fechar um negócio milionário, Mckale sofre um acidente, caindo do cavalo. Alan abandona tudo para ficar ao lado de sua esposa no hospital, deixando seu negócio nas mãos do sócio Kyle. Sua secretária e amiga Falene tenta avisá-lo de algo, mas como o estado de Mckale é grave e Alan está completamente desnorteado, ela acaba deixando o assunto para depois.

Semanas depois, quando Mckale, com paralisia da cintura para baixo, recebe alta e voltam para casa, o mundo de Alan começa a desabar quando começa ouvir as mensagens dos credores e verificar as contas pendentes. Apesar de parecer o fim do mundo,  e de ele ficar desesperado pela situação financeira, Alan decide voltar a trabalhar para tentar reorganizar a vida. Contudo recebe mais uma pancada da vida, quando descobre que foi traído pelo amigo e sócio, que saiu da empresa levando todos os clientes e o dinheiro, deixando-o sem nada. Apenas Falene permanece ao seu lado nesse momento crítico, em que tenta se reerguer.

As coisas acabam piorando e Mckale acaba morrendo por uma infecção urinária dias depois da volta para casa. Alan perde completamente o chão e não vê mais motivos para continuar. Assim decide fechar a agência e pede para a amiga vender os seus bens. Como se tudo não fosse complicado demais, Alan perde seus imóveis, ficando praticamente sem morar. Em um momento de desespero, ele decide tirar a própria vida, mas antes de cometer o desatino ouve a voz de Mckale que pede para ele viver, assim como fez minutos antes de morrer, pois ele tem que conhecer pessoas e cita o nome Angel.

Quando uma pessoa passa por uma tragédia, sempre procura algo em que se segurar para não cair no fundo do posso. Mas para Alan Christoffersen não restou em que se segurar, pois perdeu a esposa, os bens, a empresa, o prestígio e o dinheiro. Não existe um motivo para continuar vivo e a única coisa que Alan faz é pensar em acabar com a própria vida. Porém o pedido de Mckale lhe mantém vivo e Alan traça uma meta em sua vida. Ele se lembra de uma conversa que tiveram e decide ir para o lugar mais longe que pode chegar caminhando Key West, na Flórida.

Enquanto Falene fica responsável por vender os móveis do escritório e da casa, Alan Christoffersen parte para a sua jornada em busca de algo para continuar a viver. Ele não tem panos para o futuro, a única coisa em que se concentra é caminhar até Key West e continuar vivendo, como a esposa pediu.

Em seu caminho Alan socorre uma jovem em Spokane e troca o pneu do seu carro. Pouco tempo depois ele é atacado por uma gangue enquanto caminha, espancado e esfaqueado, quase beirando a morte. A polícia encontra o cartão de visita da jovem mulher e liga para ela, pensando ser sua conhecida.

Quando acorda ele está em um hospital de Spokane muito mal, tentando se recuperar do ferimento e reencontra a mulher que o ajudou. Angel tornasse prestativa, lhe faz visitas diariamente, leva doces, conversa com ele, compra os remédios que foram pedidos antes de sair e o convida para ficar em sua casa, até se recuperar. Alan não entende a bondade da mulher, ma sé grato por tudo o que ela está fazendo por ele.

No hospital ele também conhece a enfermeira Norma, que tem uma história de vida triste, mas que apesar disso é uma mulher boa, alegre e muito prestativa. Durante todo o tempo em que fica internado, assim como Angel, Norma é uma ótima companhia e o estimula a andar. Ela fica sabendo dos seu planos para ir caminhando até Key West e lhe trás fotografias do lugar, assim como lhe estimula a continuar com sua meta. Logo se tornam bons amigos.

Angel leva Alan para sua casa e o trata como um velho amigo. Os dois passam a assistir uma lista de filmes americanos, que se tornaram clássicos do cinema e criam uma rotina familiar. Ele percebe, aos poucos, que ela é uma mulher muito solitária e ouve o seu choro todas as noites. Em alguns momentos pessoas procuram por Nicole, deixando o intrigado e com vontade de saber mais para ajudar a mulher. Angel acaba se irritando e os dois se desentendem. Quando Alan, se sentindo mal com a situação, resolver partir, Angel lhe conta sua história de vida e chora muito em seus abraços.

A partir desse momento Alan ajuda a jovem Nicole a recomeçar a sua vida, motivando-a a encontrar motivos para ser feliz. Os dois convidam Bill, o senhorio de Nicole de quase noventa anos, e Christine, uma jovem solitária que é sua vizinha, para passarem o dia de Ação de Graça juntos. Os quatro solitários acabam se tornando grandes amigos e completando a solidão que existe nos outros. Os dias até as festas de fim de ano se tornam agradáveis e eles criam laços de amizade fortes e verdadeiros.

O pai de Alan descobre sobre o acidente e aparece para visitá-lo. Os dois acabam com das divergências e o distanciamento e acabam se tornando amigos. Alan agora vê mais motivos para continuar a viver, pois agora, além de Falene, tem pessoas boas que se importam com ele. Assim continua se exercitando e caminhando pela cidade, para que possa continuar a sua jornada para Key West.

Tempo depois Alan está pronto e partir, deixando Nicole muito triste e solitária. Apesar disso ele sabe que agora ela também está bem e mais forte, apesar das tragédias de sua vida. Os dois se despedem com pesar e Alan continua a sua caminhada. Nessa caminhada ele salva a jovem Kailamai de ser violentada por uma gangue.

Kailamai decide caminhar com Alan, pois está indo na mesma direção. Ele percebe o quão carente e solitária é a menina. Os dias com ela nas estradas se tornam interessantes, com seu bom humor e piadas engraçadas. Eles conhecem muitos lugares e pessoas por onde passam. Ela lhe conta os seus sonhos e ele decide ajudá-la, juntando-a a Nicole a quem sabe que a única forma de ser feliz é fazendo o bem para as pessoas. Alan, Nicole e Kailamai se reúnem em uma nova cidade e a amiga parte com a menina de volta para Spokane, deixando-o com a sensação e dever cumprido.

Alan continua a sua jornada, conhecendo lugares e pessoas interessantes, encontrando assim uma nova motivação para continuar a viver depois de todas as tragédias de sua vida.

Essa série fala muito sobre conhecimento, sobre motivação e esperança. Em determinado momento as personagens brigam com Deus, questionam a sua bondade e os seus atos, perdendo um pouco da fé. O que percebi nisso, foi que essa jornada de Alan o fez encontrar pessoas que também viveram suas tragédias e estavam perdidas. De alguma forma vê o sofrimento alheio e tentar ajudar essas pessoas acabou dando um novo sentido em sua vida. Quando ele ouve a voz da esposa morta, pedindo para ele continuar a viver porque tinha que encontrar pessoas, encontrar Angel, não entendi o significado real da história naquele momento, mas no decorrer da leitura eu consegui entender o que foi esse encontro e o que essa caminhada está lhe proporcionando. Alan poderia ter entrado em depressão, chutado o balde e desistido da vida, como chegou a querer, mas essa jornada o fez se encontrar espiritualmente. Em um diálogo entre Alan em Kailamai eu quase chorei, pois apesar de não falar o tempo inteiro em Deus, o livro é muito profundo e ás vezes me deixou arrependida por reclamar tanto da minha vida.

“Ela me abraçou – Eu sei que Deus me ama porque Ele me mandou você.

- Acho que está certa. – Beijei a sua testa – Ao menos quanto amá-la. É melhor você ir.” Página 255 O caminho.

A escrita de Evans é primorosa e às vezes me lembra Nicholas Sparks. A leitura dos dois livros começou bem rápida, gostosa e fluente, mas ele perdeu um pouco da sua essência e ambos ficaram cansativas no decorrer. Tive que fazer várias paradas para continuar. Mesmo assim Evans é um dos escritores de quem gosto muito, porque ao contrário de Sparks é  mais sucinto e tem uma leitura mais suave. No primeiro livro eu senti um pouco de falta de emoção. Não consegui chorar com as perdas e os dramas de Alan, ficando muito emocionada no segundo.

Gostaria de fazer uma pequena observação sobre as capas dos dois livros. Apesar de serem lindas e apaixonantes, do tipo que faz o leitor gastar dinheiro para comprá-los, elas não tem nada a ver com a história. Os livros são bem mais dramáticos e não existe aquele romance fofo entre um casal principal. Cheguei a achar que teria, mas isso não aconteceu. Trata-se mais de uma jornada espiritual em busca de uma motivação para viver. Então não há sentindo os casais que aparem nas capas, pelo menos eu não vi. Acho que passam a ideia errada sobre os livros.
Como falei sobre a capa, devo dizer que a editora está de parabéns com a diagramação e a revisão do livro, que me agradou bastante.

Continuarei esperando o próximo livro sobre a caminhada de Alan Christoffersen e depois conto para vocês. Espero que tenham gostado.

Bjs no core
Glau

8 comentários:

  1. Bom dia Gláucia, tudo bem?
    Amei, amei, amei a resenha!
    Esses dois livros eu vou ganhar de natal e agora que eu li a sua resenha, sei que vou devorar os dois quando chegarem aqui em casa?
    Você sabe quantos livros são no total?
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Carol não sei quantos livros são, mas como Alan já está chegando ao destino, acredito que seja mais um ou dois. Essas histórias mexeram comigo, porque falam de uma busca de equilíbrio espiritual. Alan precisa de um,a fação para continuar a viver e através disso conhece pessoas com problemas maores que os dele e pode ajudá-la. Eu quase chorei, de verdade. Não é um livro apaixonante, mas trás uma lição de vida.



    Obrigada por comentar


    bjs no core

    ResponderExcluir
  3. Os livros do Richard Paul Evans estão ficando muito populares e conquistando milhares de Fãs,os livros começam a chamar a atenção pelas capas que são muito bonitas,depois pelos personagens simpáticos,enredo e elementos.Realmente lembra um pouco o Nicholas Sparks,mas pelo menos os do Richard tem algumas coisas diferentes.

    Tenho o encontro e comecei a ler,estou gostando pelo menos do começo estou achando interessante a história de Allan,e recomeço é o principal no enredo,dar a volta por cima e ter fé também.

    ResponderExcluir
  4. Ai gente, esses livros são otimooos! Estou desesperada pelo terceiro. Entrei em contato com a Editora Leya em Portugal porque a daqui (lUa de Papel) não me respondia e disseram que será lançado aqui em abril! Tomara que seja mesmo né!

    ResponderExcluir
  5. Ai gente, esses livros são otimooos! Estou desesperada pelo terceiro. Entrei em contato com a Editora Leya em Portugal porque a daqui (lUa de Papel) não me respondia e disseram que será lançado aqui em abril! Tomara que seja mesmo né!

    ResponderExcluir
  6. Eu ja li os dois e gostaria de saber qual é o terceiro e se ja saiu?

    ResponderExcluir