Resenha: A Culpa é das Estrelas - John Green


ISBN: 9788580572261
Livro: A Culpa é das Estrelas
Autor(a): John Green
Editora: Intrínseca
Edição: 1 
Ano: 2012
Páginas: 286
Avaliação:  4/5   

Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.


Isto não será uma resenha comum, mas sim uma reunião de sentimentos aflorados durante e depois da leitura...

Primeiramente: Eu AMEI esse livro. Segundo: Eu ODIEI esse livro (só para deixar claro).

Sabem aquelas obras que você lê e relê e ainda não definiu se é boa ou ruim, ou até mesmo o que sente ou sabe sobre ela? Então, "A Culpa é das Estrelas" nos joga nesse turbilhão de sensações e sentimentos tão estranhos e conflitantes que chega ao fim e você não sabe o que é ou até mesmo o que foi!

Sim, caro leitor, John Green é um completo gênio-lunático ao nos dispor de uma estória real? Pode ser. Os personagens são palpáveis.

É impossível não me identificar com a Hazel, principalmente por sua alucinação pela literatura e o fanatismo pelo autor e obra preferidos. Impossível não querer conhecer-rir-falar com o Augustus... Poderia listar muitas impossibilidades sentidas, mas o que mais me deixou impossibilitada foi quanto ao término... Terminou??? Sim, mas não é um final dito assim simplesmente, mas um final sentido...

As emoções se misturam: ódio, respeito, melancolia, tristeza, felicidade, alegria, nostalgia, saudade, carinho... A cada página uma nova percepção do grau dessas e outras emoções.

É tão envolvente que:
Quero e preciso ler "Uma aflição imperial" e "O preço do alvorecer";
Quero e preciso ouvir a banda "The Hectic Glow" e
Quero e preciso jogar "O preço do alvorecer".

Claro que nada disso existe, e o odioso John Green inventou para que reles leitores como nós fiquemos nos roendo de curiosidade e vontade.

Eu sei o que você está achando quanto a compreensão desta resenha, e sim, é mais ou menos assim que me sinto, só que mais confuso.

Bom, agora eu preciso parar por aqui, minha vontade é de reler e reler e reler, o meu livro ficou com tantos adesivos marca páginas, que é difícil decidir um trecho. Então deixo a dica: LEIAM, e sim, vocês se arrependerão, e amarão, e odiarão, e chorarão...

Uma coisa que eu queria muito era que esse livro não tivesse acabado, queria que ele fosse maior, talvez uma série, sim, seria impossível, mas eu queria, não queria mesmo era que tivesse acabado...

Esse é o John


PS. Sou uma nerdfighter!

PS ². Achei essa postagem no Nem um pouco épico , cliquem e conheçam um pouco sobre o John.

6 comentários:

  1. Meu Deus, Nice! Já to até curiosa. Amo quando o autor me faz amar e odiar ao mesmo tempo. kkk Tenho certeza que vou chorar com esse livro, por conta do que já ouvi sobre ele.


    Já ta add na minha lista de leitura.


    bjs no core

    ResponderExcluir
  2. Oi Nice, tudo bem?
    Vou começar comentando sobre o vídeo, porque eu ri muito com a dancinha... eu já conhecia o termo nerdfighter rs.. e definitivamente eu sou uma também...
    Eu ainda não li "A culpa é das estrelas", mas tenho visto resenhas positivas sobre ela, e esse sentimento de amor/ódio é compreensivo rs.
    Amei sua resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Li este livro seguido de outro drama palpável, que mexeu demais com as minhas emoções: Ausência, da autora Flavia Cristina Simonelli.

    Apesar de ser triste, recomendo a todos essa história que vai tocar seu coração.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Olá eu li o livro faz mais ou menos três dias e ele realmente me encantou de uma forma profunda, tomo as palavras de Markus Zusak aqui:"Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais."
    Não tenho dúvidas que histórias fictícias podem ser relevantes, eu diria que é uma história fictícia real com personagens fictícios reais. Adorei a resenha você disse tudo! Esse livro vai entrar para os meus favoritos como lido e relido.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir