Resenha: Delírio - Lauren Oliver


ISBN: 9788580571646
Título: Delírio
Série: Delírio
Livro: 1
Autora: Lauren Oliver
Edição: 1
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Páginas: 352
Onde comprar: Submarino | Saraiva | Cultura
Avaliação: 3


Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?

Você consegue imaginar um lugar sem amor? Um lugar onde as pessoas são frias, desprovidas de sentimentos, cegamente obedientes ao governo, a ponto de deixá-lo conduzir todo o rumo de sua vida? Assim é a estória contada por esse livro. Magdalena, ou Lena, nasceu em uma época em que o amor é considerado uma doença, “deliria nervosa”, e que as pessoas recebem uma “cura” para essa anomalia. Elas são conduzidas através de manuais, desde que nascem; que mais parecem bíblias, e dizem o que fazer, como viver e como agir aos sintomas que consideram uma anomalia. Não podem se quer demonstrar afeto em publico, porque isso é indicio de contaminação. Tudo é um verdadeiro terrorismo, até mesmo com toque de recolher para os jovens que não foram “curados”.

Aos dezoito anos os jovens são analisados, como animais em um abatedouro; fazem uma bateria de testes, para traçar o perfil psicológico e a partir dali serem “emparelhado” com o parceiro escolhidos previamente, e também “curados”. Não há relações emocionais, as famílias são criadas apenas para a procriação e manutenção da sociedade. Existe uma segregação sexual, que chega a ser irritante. Você consegue se imaginar em um mundo como esse? Bem, esse é o cenário dessa estória.

Lena está prestes a completar os dezoito anos e ansiosa demais, ou eufórica, para receber a “cura”. Ela teme acabar como a mãe, que cometeu o suicídio após um quarto procedimento e esse temor a persegue. Os dias que antecederam a sua entrevista, Lena está uma pilha de nervos, pressionada pela tia Carol; com medo de ir mal e ser “emparelhada” com uma pessoa não muito legal. Sua melhor amiga, Hana, não parece muito ansiosa e tem uma opinião contraria sobre o assunto. Ela, em meio a tanto terrorismo, se vê coagida até a não falar sobre o assunto com a amiga, que tem uma atitude rebelde.

No momento em que está sendo analisada, respondendo a uma bateria de perguntas que têm o único objetivo traçarem o grau de sentimentalismo e propensão á doença, uma boiada invade o laboratório e Lena fica encolhida, tentando fugir da confusão. É nesse momento ela vê um jovem lindo, com um sorriso malicioso, observando sua entrevista. E tem a certeza de ser um dos rebeldes.

Em grande parte do livro, Lena se vê em conflito, medo, confusão e ansiedade. A pressão causada pela tia Carol e pela família, com quem vive, não ajudam muito. Ela sabe que em pouco tempo será curada e qualquer sentimento humano será tirado. Mesmo a amizade com Hana deixará de existir, quando não houver o sentimento que unem as jovens.

Hana não parece muito disposta a aceitar a cura e passa por um momento de rebeldia. Ela descobre que existem outras possibilidades, quer curtir a vida antes que toda sua liberdade seja “roubada”  pelo governo. Lena tenta impor a ela o que acha que é certo e as duas entram em conflito, causando um grande sofrimento.

As coisas começam a ficar estranhas quando os caminhos do misterioso Alex cruzam com os dela, deixando-a ainda mais confusa e amedrontada. Quando Lena e Alex engrenam finalmente o relacionamento, o seu estado de confusão dela só piora. Lena tem certeza de ter sido contaminada pela “delira nervosa”. Agora ela quer estar sempre com ele, passando a mentir e fugir o tempo inteiro para viver esse momento único, sabendo que em pouco tempo receberá a “cura” e o que sente por ele não existirá mais. Apesar de ela estar um pouco mais forte, ainda percebesse o medo e a ansiedade. Do nada Alex passa a ser a sua razão de viver e a proximidade da perda faz Lena mudar muito as suas atitudes e considerar decisões drásticas para a sua vida. Ela começa a enxergar outra realidade, perceber que nem tudo é como o governo fez parecer e que parece existir uma grande farsa. Descobre a beleza das poesias, o gosto do sentimento crescendo e o significado da palavra amor. Sua mente começa a se abrir para novos horizontes.

A narrativa é feita em primeira pessoa, lenta e na maioria das vezes cai na mesmice. Os pontos altos do livro são as partes com Alex, mas não se empolguem muito com isso. Quando você acha que a trama vai evoluir, ela volta ao mesmo passo de antes e o leitor fica se perguntando por que as coisas demoram a acontecer. Mas a autora tem uma escrita boa e isso acaba compensando o resto.

O livro termina de forma eletrizante e abre passagem para o próximo. Sinceramente não sei qual será o rumo que a autora dará as personagens, mas tenho certeza que a nova Lena não será nada comparada a menina do início da estória. Muita coisa mudou em sua vida e agora, fugindo para sobreviver, Lena precisa encontrar forças para seguir em frente e descobrir quem ela realmente é.

Bem, espero que gostem!

Bjs no core


4 comentários:

  1. Eu ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas estou lendo várias resenhas sobre ele, o que só faz a minha curiosidade aumentar. Muitos dos lançamentos eu ainda não tive a chance de ler, mas quem sabe mais para frente. Parabéns pela resenha, eu adorei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da resenha e quero muito ler esse livro.
    Mesmo tendo uma leitura lenta e caindo na mesmice.
    Quero conhecer o mundo da Lena sem amor.
    Bjins.

    ResponderExcluir
  3. Apesar de vc falar sobre a narrativa lenta e das coisas demorarem a acontecer.. preciso ler esse livro.. a capa é tão linda. Comprei assim que lançou mas falta tempo para ler tantos livros que estão me aguardando!
    Como sempre.. suas resenhas são ótimas!

    ResponderExcluir
  4. Achei a capa linda, mas nunca tinha dado atenção a esse livro. Depois da turnê intrínseca, onde pude realmente ver do que se tratava, estou desesperada para lê-lo! Parece ser demais! Vou adquirir mas esperar pra ler só quando tiver o próximo, sou muito ansiosa por continuações, rs.

    Bjs.

    ResponderExcluir