Tagarelar do Mix - Entrevista: Kamile Girão



Bom dia pessoas queridas!
Hoje trago para vocês mais uma entrevista no quadro, Tagarelar do Mix e nossa convidada é a Kamile Girão autora do livro Yume, publicado pela Dracaena.


Kamile Girão




Por detrás das roupas surradas masculinas que costumava vestir, um mundo incrivelmente estranho se escondia. Nadia sabia que sua cabeça não era comum e que suas ideias divergiam do que era normal. Apenas ela conseguia ver o que não existia. Apenas ela era capaz de desenhar com perfeição um personagem visto em um sonho. Guitarrista, estudante, filho, cético, objeto sexual de quem o quisesse. Ainda assim, Adrien não era feliz. Contudo, a vida monótona e libertina parecera ganhar um sentido especial quando estranhos sonhos se projetaram em sua mente e quando a missão aparentemente inimaginável lhe fora imposta: impedir que uma determinada garota chegasse ao Yume, o local proibido para meros humanos.





Vamos a entrevista com perguntas elaboradas pela Glaucia e por euzinha (espero que gostem):

1)  Como foi escrever “Yume” e porque a escolha desse nome? 

Foi um processo muito penoso. Comecei a escrever Yume quando tinha 14 anos, na época das férias. Naquele tempo, tinha tempo suficiente, mas faltava criar um objetivo para a história, a razão que desencadearia aquele enredo. Por esse motivo (e, unindo ao fato de que as aulas haviam começado), acabei deixando Yume na gaveta. Só vim retomar a escrita em finais de 2009, e concluí tudo em 2010. Foi um período muito longo e não foi fácil.
A escolha do nome foi algo totalmente improvisado. Quando comecei a escrever, pensava e pensava em um título e não vinha nenhuma ideia verdadeiramente boa para ele. Então, havia uma música que me serviu de inspiração, chamada Tsuki no Curse (link aqui: http://www.youtube.com/watch?v=_emAHpSfYOE). Troquei o “Tsuki” por “Yume”, e a história se chamou Yume no Curse por muito tempo. Mas, na minha cabeça, era apenas um nome provisório. Quando quis trocar o título, muita gente se opôs, dizendo que, dessa forma, o livro perderia sua identidade. Acabei reduzindo o nome, e, dessa maneira, ficou unicamente Yume.

2)  Você sempre quis ser escritora? Como se sente vendo seu livro publicado?

 Não. Por mais incrível que isso possa parecer, o desejo de ser escritora só apareceu no meu terceiro ano do ensino médio. Antes disso, não costumava mostrar meus escritos para muitas pessoas. Foi minha professora de português da época que, a partir das minhas redações, percebeu que eu poderia ter algum talento para a coisa. Ela começou a me incentivar, e, saber que alguém mais velho e mais experiente tinha confiança no que eu fazia, passei a cogitar a possibilidade.
É indescritível a sensação de ver o seu livro nas mãos. Mais ainda em ver que as pessoas estão gostando dele, querem lê-lo. É muito gratificante. A satisfação é sem limite.

3)Durante o processo de escrita em algum momento você teve aquele bloqueio que alguns autores têm ou a escrita fluiu o tempo inteiro de forma fácil?

Quisera eu que eu não tivesse bloqueio (rs)! Vivo tendo bloqueio. Por essa razão (e pelo fato de eu ser muito perfeccionista com minhas histórias), acabo levando anos para terminar um livro.

4) Conte-nos um pouco sobre como foi o processo de publicação de sua obra e como se deu a escolha da Editora?

 Foi muito tranquilo. O Léo Kades é super atencioso e foi um amor. Sempre ligava para me deixar informada. A criação da capa também foi bacana, a Marina trabalhou muito rápido e trocamos boas ideias.

5)  Como surgiu a ideia de criar Yume? De onde você retirou sua inspiração? Teve alguma ajuda? Você se inspirou em fatos reais?

É engraçada a forma como Yume foi criado. Como disse, eu tinha 14 anos na época e ainda sonhava em encontrar o “príncipe encantado”. Coisas de adolescente apaixonada e sonhadora. Eis que, uma vez, sonhei com um carinha cujo estereótipo se encaixava perfeitamente naquilo que eu considerava perfeito num rapaz. Comecei a pensar: “e se eu encontrasse esse menino na realidade?”. A ideia surgiu daí. Para o questionamento virar um livro, durou muito pouco.
Normalmente, eu me inspiro em músicas. Sou alimentada por música. Procuro bandas cujo trabalho combine com as ideias que tenho em mente. Para Yume, por exemplo, escutei muito Hard Rock (cito aqui algumas bandas, como AC/DC, Skid Row, Cinderella, Twisted Sister). A grande ajuda que recebi foi mais no quesito gramatical e lógico do livro. Ideias para a história foram poucas, mas algumas amigas minhas sempre me davam uma dica aqui e acolá. ^_^ 

6)    Como foi a composição da personalidade de Nadia? Pelo que li apesar da situação da família e a mudança, Nádia tem uma personalidade forte e é muito madura. Ela usa sua habilidade como desenhista para ajudar a família. Você a imaginou assim quando idealizou o livro ou a personalidade foi se moldando no decorrer da criação.

 Então, demorou um pouco para eu formular a Nadia. No tempo em que criei Yume (e ela se chamava Natja), a personalidade dela seguia os padrões dos animes e mangás shoujos (voltados para as garotas). Com o tempo, cansei desse modelo. Quando retomei a escrita, resolvi modifica-la drasticamente e, para isso, utilizei as roupas masculinas e o jeito muito moleque. Acho que isso agradou, pois, até o dado momento, sempre que leio opiniões acerca de Yume, não vejo nenhuma crítica à Nadia. A maior parte das pessoas gosta dela. Isso é extremamente gratificante :).


7) Fale-nos um pouco de Adrien e a relação dele com Nadia. Essa é uma estória de amor ou de amizade? Eu li em duas resenhas que ele é uma personagem que não merece misericórdia e outra chega a ser taxativa quando diz que ele é odioso. Isso me deixou realmente confusa. Quem é Adrien afinal?

Há um determinado momento do livro em que a Nadia diz: “Isso não é e nunca foi uma história de amor, Alice. É uma história sobre loucura.”. Mas, de uma maneira ou de outra, acho que é uma história de amor sim. Insana, porém.
O Adrien é um cara de 22 anos, guitarrista de uma banda chamada Reticências e estudante de Letras. É um rapaz extremamente frustrado por conta de vários fatores que aconteceram na sua vida. Costumo classifica-lo como um cara real, daqueles que você encontra na rua. Ele não é perfeito como vários mocinhos dos livros Y.A, não é um príncipe encantado. Comete vários erros e age estupidamente várias vezes, como as pessoas da vida real. E esse foi meu intuito: fazê-lo o mais próximo possível da realidade :).
Há uma música que define bem quem o Adrien é. É In a Darkened Room, do Skid Row. Quem quiser conhecer, eis um link: http://www.youtube.com/watch?v=bNnlZRltAI0.


8) Quais são suas perspectivas em relação ao livro? Pelo que li muitas pessoas desejam ler o seu livro.  E as que leram fizeram uma boa avaliação sobre ele. Como se sente vendo o trabalho reconhecido?

Fico bastante satisfeita em ver que o livro, de uma maneira ou de outra, está agradando. Gosto de ver como as pessoas se empolgam com a história e me dizem o quanto gostaram dos personagens. É muito bom ver que seu trabalho está repercutindo de uma maneira positiva. E, também, gosto de ver certas críticas que fazem a ele, o que pode me auxiliar muito nos próximos projetos. Estou bastante feliz ^___^. 

9)Esse é o seu primeiro trabalho? Ou já publicou outras obras? Caso tenha publicado, fale-nos um pouco delas.

Sim, é o primeiro. ^_^

10) Está trabalhando em novo projeto? Tem algo em mente para lançamento futuro?

 Sim, em dois consecutivamente (mas, vou dar preferência a apenas um. Trabalhar em dois ao mesmo tempo é sinônimo de não trabalhar em nenhum :p). São eles: Inevitável e Imaginarium. E, também, estou trabalhando na divulgação e publicação de Outubro. Aguardem surpresas em breve :)

11)  Fale-nos um pouco sobre você. Nós do Mix gostaríamos de saber um pouco da sua biografia, seus autores preferidos e o tipo de leitura preferida, suas paixões e interesses.

Me chamo Kamile Girão Façanha. Tenho 19 anos e estudo Letras na Universidade Federal do Ceará (UFC). Já fiz um semestre de Licenciatura em Artes Visuais no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) e sou formada em Web Design pelo Senac. Porém, não atuo em nenhuma dessas áreas.
Meus autores favoritos são a Anne Rice e o Álvares de Azevedo. Adoro o gênero terror/horror e fantástico (inclusive, pretendo focar meus estudos nessa área).  E, bom, minhas paixões são, majoritariamente, livros, música, bonecas colecionáveis e_e. Ah, e um rapaz sardento que está na minha vida há quatro anos, chamado Diego :D.


E essa foi a entrevista com a Kamile, eu simplesmente amei as resposta e me identifiquei muito com o enredo do livro Yume.

Abaixo confiram algumas fotos do espaço pessoal da nossa autora:







Onde Comprar:


Espero que tenham curtido a entrevista, beijos e até o próximo Tagarela do Mix.

10 comentários:

  1. Ai que orgulho... Fruto da minha terra com um sucesso desse. Parabéns a Kamile pela determinação e coragem de publica seu e livro, pq se tem algo difícil onde o incetivo a leitura é minimo é um autor nacional conseguir publicar sua obra.

    Espero e torço realmente para este ser o primeiro de muitos!

    ResponderExcluir
  2. Adoro ver autores brasileiros sendo prestigiados pelos blogs literários. Parabéns pela entrevista com essa autora que tem se destacado tanto.

    ResponderExcluir
  3. Oi ..

    Eu sou doido para ler o livro dela. Parece ser muito bom ^^.

    Adorei a entrevista. Pelo visto, ela será uma grande autora.
    Fiquei curioso em relação aos dois novos projetos dela. Espero que não demorem a ser concluídos, rs.

    João Victor
    Amigo do Livro
    amigodolivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Estou doida para ler Yume já faz um tempinho e realizar essa entrevista foi muito bom, pois tive oportunidade de estar em contato com você que é uma pessoa muito atenciosa e delicada em sua maneira de lidar com o ser humano.
    Obrigada de coração por aceitar mostrar aos leitures do Mix um pouquinho sobre você!

    ResponderExcluir
  5. Adorei a entrevista e fiquei muito afim do livro!
    Vou já olhar o site da Dracaena!

    ResponderExcluir
  6. Toda essa temática onde a menina desenha para ajudar a família e o jeito moleque de Nadia parece muito interessante.
    Adrian tem um jeito que combina um pouco comigo pelo que percebi.
    Parabéns pela entrevista e Yume entrou para minha lista de super desejados!
    Quero ver mais entrevistas com autores nacionais; muito interessante esse quadro!

    ResponderExcluir
  7. Nossa, que massa! Uma autora aqui em Fortaleza! Não sabia da existência desse livro, foi bom poder ter conhecido! ;)

    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Gente essa entrevista me surpreendeu. Sabe, quando escrevo tenho bloqueios, mas não fico muito tempo sem terminar. Saber que você começou com 14 anos e resolveu concluir a estória, dando um novo rumo para ela e até mudando a personalidade da protagonista foi surpreendente. Eu realmente gostei da sua determinação e estou louca para ler Yume. Já está na minha lista de desejados. Só falta dim dim para comprar.
    Parabéns, querida!!! Continue a usar esse dom. Não pare de escrever.

    bjs no core

    ResponderExcluir
  9. Eu me interessei muito por esse livro e pelo fato dela gostar de mangás :P e de Doll's *-* Super...

    Beijinhos,
    Kimy Gabrielli.
    blogkimygabrielli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Curioso.
    Vou buscar mais sobre o livro e preço de venda

    ResponderExcluir