Resenha – Linhas – Sophia Bennett



ISBN: 8598078999
Livro: Linhas
Série: Linhas 
Autor(a): Sophia Bennett
Editora: Intrínseca
Ano: 2010
Páginas: 248
Avaliação: 4
Nonie é fascinada por moda e adora customizar as próprias roupas. Por causa disso, seu jeito de vestir é completamente diferente do de todas as outras adolescentes de 14 anos em Londres. Ainda assim, ela não tem muita certeza de que é realmente boa em alguma coisa, o que é uma vergonha, já que uma de suas melhores amigas, Jenny, acaba de participar de uma superprodução do cinema ao lado do casal de atores mais quente de Hollywood (para não mencionar o astro adolescente do momento), e a outra amiga, Edie, é a melhor da classe em tudo e aparentemente vai conseguir salvar o mundo antes mesmo de Entrar para a faculdade (Harvard, evidentemente). Quando as três amigas conhecem Crow, uma garotinha refugiada de Uganda que se veste com asas de fada e tutus de balé e tem um talento impressionante como estilista - mas também tem dificuldades para aprender a ler e sofre com a implicância de outras meninas da escola -, elas decidem ajudá-la, cada uma à sua maneira. Mas quem realmente está ajudando quem? Divididas entre o que parece ser o céu de qualquer fashionista e a causa humanitária das crianças na guerra civil de Uganda, elas acabam descobrindo que nada é mais importante que seguir os próprios sonhos.

Linhas é um conto de fadas moderno, sinceramente encarei esse livro como sendo um enredo totalmente adolescente, até porque as protagonistas: Nonie, Edie, Jenny e Crow têm idade entre 12 e 15 anos. Mas, me surpreendi bastante, o livro é narrado em primeira pessoa e quem nos conduz a essa viagem é Nonie, uma adolescente apaixonada pelo mundo da moda. A forma como a narrativa é executada inicialmente é bem cansativa, mas com o passar de pontos e vírgulas a estória começa nos envolver. Nonie nos apresenta um mundo bem diferente, cheios de tecidos, brilhos e paetês, porém rico em cultura. Conhecemos um pouco de arte e seus grandes pintores como também um pouco da estória e trajetórias de grandes estilistas.

“Abro um enorme sorriso e ela se recosta aparentemente muito feliz consigo mesma. Porém, não consigo deixar de achar que simplesmente usar um dos vestidos de Crow não se compara a ensiná-la a ler ou providenciar espaço e materiais para que ela possa trabalhar. O que demonstra apenas o pouco que eu sei.

Também conhecemos através de Nonie suas grandes amigas: Jenny uma adolescente talentosa que se torna conhecida mundialmente depois de sua participação no filme “O Garoto do Código”, mas quando passamos a conhecê-la vemos o quanto esse mundo de celebridades é complicado e injusto. Jenny tem uma série de complexos e problemas em sua vida pessoal, entretanto a imprensa adora alfinetar sua vida pessoal principalmente suas participações em pré-estreias e premiações. Mas Jenny consegue dar a volta por cima e nos mostrar como ela realmente é.
Já Edie é uma pessoa a qual podemos chamar de humanitária, ligada ao mundo da filantropia. Ela está sempre disposta a ajudar o próximo, tanto que é exatamente Edie que nos apresenta Crow, uma garotinha de 12 anos com problema de dislexia e que ama desenhar. Só que os problemas são bem mais sérios que imaginamos. Crow é uma refugiada de Uganda, um país africano extremamente pobre e que vive em uma guerra constante, onde suas crianças são usadas como soldados mirins, nascendo assim, as crianças invisíveis.

- Em meu país, as pessoas não têm casas. Todos os dias, meu pai enterra alguém que morreu de AIDS. Não conseguem cultivar alimentos. Victoria não tem uma escola de verdade para frequentar. Papai dá aulas a crianças sentadas em círculo no chão...”

Mas Crow é muito talentosa e Nonie, Jenny, Edie e outras pessoas se juntam a essa causa e começam a ajudá-la, claro que cada uma de sua forma; Nonie torna-se o braço direito de Crow, ela é a principal responsável pela entrada de Crow no glamuroso mundo da moda e graças a sua insistência e determinação a garota tem a chance de promover um desfile no mais famoso evento da moda de Londres: London Fashion Week. Já a forma de contribuição de Jenny é simples: ela resolve aparecer em algumas premiações do seu filme usando os vestidos desenhados por Crow e em pouco tempo as principais lojas de Londres estão confeccionando cópias desses modelos. Sucesso total.
Edie encontra em seu blog uma forma de atrair a atenção das pessoas para o problema de Uganda. Com pequenas informações ela vai conseguindo atrair atenção e logo seu blog atinge 2 milhões de acessos e é nesse momento que Edie começa a campanha: “menos moda, mais compaixão” para angariar fundos para construções de escolas e encontrar as crianças invisíveis.
Emocionante, tocante e inteligente, Linhas nos dá uma banho de solidariedade e conscientização mostrando o que somos capazes de fazer quando temos a oportunidade certa em nossas mãos. Ressalto ainda que o problema das crianças invisíveis existe sim e é grave, crianças perdem sua infância sendo treinadas para matar e lutar por sua sobrevivência muito cedo. Quem estiver interessado em obter maiores informações sobre este caso poderão acessar o  site o oficial Invisible Children: www.invisiblechildren.com.
  
“Quando encontro Crow, ela está sentada no chão da oficina vestida com uma jardineira velha, asas de fada e pantufas, mas pega um suéter e começa a mexer numa costura. É feito de linha prateada e foi desenhado para ser usado com uma das saias de pétalas de flor.”

7 comentários:

  1. Com o lançamento do segundo livro da série, lembrei que morro de vontade de ler esse livro e ainda não tive a oportunidade.
    A história parece ser tão lindinha e encantadora quanto a capa do livro.

    Beijos xx
    http://sunriseshere.com

    ResponderExcluir
  2. Hum achei linda a história do livro!!!!!
    Ai meu Deus nem li o 1º e já tem o 2º???
    Mais livros pra minha listona.....kkkkkk

    bjus

    ResponderExcluir
  3. Depois dessa resenha estou encarando esse livro de um modo bem diferente, antes eu pensei que fosse apenas mais uma historia adolescente sem muita profundidade, agora estou mais animada pra ler!

    @Jennifer13d

    ResponderExcluir
  4. não tenho muita intenção de ler pq não gosto de moda, roupa nada do tipo. Quer dizer, blz, uso roupa que acho legal, mas só. E ler livros com foco pra isso não chama muito minha intenção. Mas realmente depois dessa resenha, vou rever meus conceitos e desejos.
    Beeijos,
    Booksworld.co.cc

    ResponderExcluir
  5. Eu não tenho muita vontade de ler esse livro, parece legalzinho, mas nao me fez ficar curioso quando a historia!

    ResponderExcluir
  6. eu adorei linhas relamente me surpreendeu muito!!!
    bjos!!!

    ResponderExcluir
  7. LIndo!! Nunca tinha ouvido falar de um livro que tratasse desse tema. Muito engenhoso. Pela capa parece ser um livro infantil, mas que bela história! Adorei e estou bem animada para ler. :D

    ResponderExcluir