Tagarelar do Mix - Entrevista: Juliana Nunes

Hello pessoal, trago hoje para vocês um entrevista bem interessante com Juliana Nunes autora do livro Filha de Dois Mundos, na entrevista ela fala um pouco de como surgiu a ideia do livro e sobre seus projetos futuros. 
Vamos ao que interessa.

Entrevista com Juliana Nunes
Mix: Olá Juliana ficamos muito felizes por você poder ceder essa entrevista ao Mix. 

Mix: Eu particularmente conheci seu trabalho através de uma fanfiction (Black Hole, uma versão de Lua Nova no ponto de vista do Edward). Foi sua primeira experiência como escritora?
Juliana: Foi. Eu estava triste, pois tive que abandonar a faculdade, fazia arquitetura. Comecei a ler compulsivamente, até que um dia isso não bastou e passei a escrever. Hoje, costumo falar que sonhei em ser uma arquiteta e virei uma escritora.

Mix: O que te inspira a escrever?
Juliana: Tudo. Músicas, filmes, livros, até tomando banho ideias surgem do nada e enquanto eu não as coloco para fora me sinto sufocada.

Mix: Quais são seus ídolos literários (nacionais e internacionais)?
Juliana: Amo J.K.Rolling e Marian Keys. Estou lendo um livro da Fernanda Young, ela é    ótima. Também adoro a Talita Rebouças.

Mix: Como surgiu a ideia do livro Filha de Dois Mundos? Qual foi a sua maior inspiração para escrever esse livro?
Juliana: Durante a produção da minha fanfic, Black Hole, passei a achar chato ter que me prender à história e aos personagens de outra pessoa. Confesso que só terminei a história em respeito às pessoas que a liam. Logo depois, eu comecei a escrever “Filha de Dois Mundos” e tudo foi surgindo com muita facilidade. Era como se a Sofi (personagem principal) gritasse para mim a sua história. Nos momentos em eu que eu não podia escrever, fazer a Sofi ficar quieta era trabalhoso.
  
Mix: Quais foram as maiores dificuldades encontradas para o desenvolvimento das ideias? E se algum momento pensou em desistir?
Minha maior dificuldade é a TPM. Quando ela chega, eu odeio tudo o que escrevo, fico horas em uma mesma frase. Hoje eu nem olho para os textos produzidos nesse período; já joguei muita coisa fora por conta dela. Não consigo mais parar de escrever, sempre fui uma pessoa criativa e a literatura abriu uma possibilidade tão grande que eu não consigo voltar atrás.
  
Mix: Quais foram as maiores dificuldades encontradas para publicar seu livro? Alguma delas  fez você pensar em desistir?
Juliana: A primeira é o dinheiro. Como ainda estou no começo, preciso tirar do meu próprio bolso para bancar tudo.  Até vendi meus ingresso do show do U2 para bancar os livros (snif)! Depois, vêm meus filhos. Tenho sérios problemas em delegá-los para outras pessoas e conciliar tudo exige muito jogo de cintura. Não consigo voltar a ser só a Juliana; hoje eu sou uma escritora, isso já fazia parte do meu DNA, só que eu não sabia.

Mix: Qual foi a sensação de ver seu livro pronto para ser lançado no mercado?
Juliana: Foi como ter outro filho. O primeiro exemplar que eu peguei ficou na minha cabeceira durante semanas; eu cheirava, abraçava (rs). Curioso é que eu não consigo pegar meu livro para ler, sempre que eu o abro tenho vontade de alterar algo.
  
Mix: Eu andei pesquisando e vi que o livro está sendo bem aceito, como você está reagindo a esse sucesso?
Juliana: Estou radiante. É bom criar algo do nada que faça as pessoas felizes. É uma luta ser escritora em um pais em que a média de leitura por pessoa é tão baixa. Ser escolhida entre tantos livros é como ganhar na mega sena acumulada.
  
Mix: O que seus leitores podem esperar para depois de Filha de dois mundo? Ou no momento só está focada na sua divulgação?
Juliana: Filha de Dois Mundos é uma série. O primeiro volume, “A caminho de Eldrian”, está sendo lançado agora. O segundo volume, “O Despertar da Guillent”, já está pronto, faltando somente à arte final. O terceiro é “A Nova Tatyar”, no qual estou trabalhando, e o último da série, “As sacerdotisas de Eldrian”, ainda está só na minha cabeça. É muito difícil conciliar a escrita, a divulgação e minhas obrigações com a família.

Agora sobre você, fale algo que gostarias que as pessoas soubessem, comentassem, e até "copiassem".
Eu nunca acreditei em mim, sempre fui péssima na escola. Vim de uma família difícil, meu pai era viciado em drogas e isso nunca permitiu que eu aproveitasse a minha infância. Ia para a escola apavorada, tinha medo de que ele aparecesse por lá; cheguei a ser reprovada e quando passava de ano era raspando, escrevia muito mal e a matemática para mim era coisa de outro mundo. Felizmente, aos 18 anos comecei a ler e não parei mais. Perto dos trinta queria voltar a estudar, tinha medo, pois minha experiência com a escola me bloqueava. Recebi a ajuda de uma “anja”, ela me fez ver que com esforço eu poderia conseguir. Entrei para faculdade e descobri que era capaz. Amava o meu curso, só que infelizmente precisei abandonar por causa da família. Foi quando eu me descobri escritora. Ainda tenho dificuldade com a escrita, porém isso não me impede de avançar, sinto até um gostinho a mais, sabendo que a cada dia eu melhoro. Hoje eu tenho certeza de que a única pessoa que pode me impedir de realizar meus sonhos sou eu mesma.

Bem espero que tenham gostado por que eu adorei e estou louca para ler Filha de Dois Mundos, como já havia mencionado no começo da entrevista, já conheço o trabalho da Juliana e posso garantir que ela escreve divinamente bem.
Mas uma vez obrigada Jú pela entrevista.

3 comentários:

  1. olha so, adorei a entrevista e a juliana parece ser bem simpatica! mais um livrinho pra lista de desejados, sucesso para a juliana e o mix como sempre com otimos posts. meninas passem no meu blog pra ver oq recebi pelo correio =D bjos. Dana http://food4spirit.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. eu sou fã dessa mulher!! saudades, ju! =)

    ResponderExcluir
  3. Estou esperando "A Nova Tatyar" e "As Sacerdotisas de Eldrian", minhas amigas e eu estamos esperando e já imaginamos mil e uma coisas

    ResponderExcluir